Reportagens

“A bancada ruralista quer reserva de mercado de terras”, diz Adriana Ramos

Coordenadora de Políticas e Direitos Socioambientais do ISA diz que ataque a áreas protegidas é prioridade do setor rural no Congresso

Juliana Tinoco · Bernardo Camara · Marcio Isensee e Sá ·
30 de maio de 2017 · 4 anos atrás

Na última terça-feira, vestidos com seus ternos e sentados confortavelmente em Brasília, deputados e senadores conseguiram estilhaçar mais de 600 mil hectares de áreas protegidas na Amazônia, reduzindo e flexibilizando a proteção de unidades de conservação como a Flona Jamanxim, no Pará, que já despontava na lista das mais desmatadas. Em entrevista a ((o))eco, a coordenadora do Programa de Políticas e Direitos Socioambientais do ISA, Adriana Ramos, diz que o episódio é apenas mais um. Direto do Congresso e com apenas algumas canetadas, a bancada ruralista está abrindo a porteira da Amazônia para a grilagem e o desmatamento.   

“A gente precisa investir no produtor que de fato vive na Amazônia, que depende daquela produção e que quer adequá-la”

“O principal embate político hoje com o setor rural diz respeito à destinação das terras públicas. Todo o esforço de evitar a destinação da terra, seja para unidades de conservação, para reconhecimento de terras indígenas ou de territórios quilombolas, tem sido a prioridade da bancada”, afirma Adriana. “Isso demonstra que a preocupação deles não é com o modelo de produção: é uma preocupação de reserva de mercado de terras”.

Não é coincidência, portanto, que quase todos os políticos que representam o setor rural no Congresso sejam donos de latifúndios, e não necessariamente produtores rurais. Quem cruzou os dados e fez as contas foi o jornalista Alceu Castilho, no livro Partido da Terra, citado por Adriana. A publicação mostra claramente que as cadeiras da Câmara e do Senado têm sido ocupadas por uma classe política que está ali para fazer avançar os interesses privados.

Adriana ressalta que há uma parcela do agronegócio brasileiro que se esforça para melhorar a produtividade, reduzir seus impactos ambientais e ser reconhecido como moderno. Estes produtores, ela diz, precisam ser valorizados e incentivados a seguir por este caminho. E devem ser tratados de forma diferente daqueles que estão no Congresso com outros objetivos. “A gente precisa investir no produtor que de fato vive na Amazônia, que depende daquela produção e que quer adequá-la”, afirma. “Quem não está vivendo lá, quem não está produzindo lá, quem está só especulando [terra] não tem esse compromisso”.

 

Leia Também 

Indústria da carne está num “exercício de sobrevivência”, diz Paulo Adario

“Foi uma invasão biológica”, diz José Augusto Pádua

Onde cabe um boi, ôpa, cabem três ou quatro

 

adriana-ramos-facebook

  • Juliana Tinoco

    Juliana Tinoco

    Juliana Tinoco é jornalista multimídia especializada na cobertura de Meio Ambiente, Ciência e Direitos Humanos. Por quinze an...

  • Bernardo Camara

    Bernardo Camara

    Bernardo Camara é jornalista formado pela PUC-Rio. Desde 2007 dedica-se a temas ambientais e de direitos humanos. Viveu por 4...

  • Avatar

    Marcio Isensee e Sá

    Marcio Isensee e Sá é fotógrafo e videomaker baseado no Rio de Janeiro / Brasil. Entre seus trabalhos estão os filmes: “Andes...

Leia também

Reportagens
28 de junho de 2016

Onde cabe um boi, ôpa, cabem três ou quatro

Intensificar a pecuária é uma das chaves para se chegar ao desmatamento zero na Amazônia. Projeto piloto no Mato Grosso mostra o caminho

Reportagens
9 de maio de 2017

“Foi uma invasão biológica”, diz José Augusto Pádua

Em entrevista a ((o))eco, o historiador fala sobre o gado bovino como instrumento de conquista desde os tempos de colônia até a recente ocupação da Amazônia

Reportagens
18 de maio de 2017

Indústria da carne está num “exercício de sobrevivência”, diz Paulo Adario

Ex-diretor da campanha Amazônia do Greenpeace afirma que, para não perder mercados, as próprias empresas do ramo não querem comprar gado de desmatamento

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. AvatarFlávio diz:

    Bancada Ruralista precisa ser castrada imediatamente.


  2. Avatarzero diz: