Órfãs da Guanabara

Andreia Fanzeres
quarta-feira, 23 fevereiro 2005 17:27

“Ah, sim, vamos falar das principais ilhas, não daquelas perdidas que estão lá quietinhas”, disse uma assessora da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, do Rio.

“Não! É justamente isso que eu quero saber. Quem é que cuida delas?”, insisti.

Esse diálogo fez parte da incrível saga em busca de informações sobre um patrimônio esquecido do Rio de Janeiro: as ilhas da Baía de Guanabara. Como num jogo de empurra-empurra, ninguém assumiu a responsabilidade pela fiscalização ambiental e conservação desses locais, especialmente os que não estão ocupados. Poucos sabem que dentro da segunda maior baía em extensão do Brasil (só perde para a Baía de Todos os Santos, em Salvador), dezenas de ilhas agonizam por causa da poluição e da falta de manejo.

Em um dos únicos estudos realizados sobre as ilhas da Baía de Guanabara, o geógrafo Elmo Amador expõe os números de seu desprestígio. Em 1500 estima-se que havia 101 ilhas na bacia da Guanabara (o que envolve as lacustres e as da entrada da baía). Hoje, restaram apenas 65. A principal causa do seu desaparecimento são os aterros que, desde o início do século XX, roubaram cerca de 13 km2 do espelho d’ água, segundo estudo da geógrafa Ana Lucia Britto. As obras extinguiram ecossistemas e alteraram significativamente padrões de circulação e sedimentação da baía. No fim da década de 40, em apenas uma intervenção, nove ilhas foram destruídas para formar a Ilha do Fundão e abrigar o maior complexo universitário federal do país, a UFRJ.

A poluição das águas da Baía é um problema à parte, o que tem afastado espécies que vivem na área mais rica em termos de nutrientes: o entorno das ilhas. De um modo geral, elas não apresentam grandes extensões de mata atlântica, mas a enorme quantidade de pedras é refúgio para aves migratórias. De acordo com a bióloga Norma Maciel, chefe do Serviço de Ecologia Aplicada da Feema, os pescadores estão entre os maiores responsáveis pela destruição dos ninhos. “Eles sobem nas pedras, quebram os ovos e espantam os pássaros”, alerta.

Além da abundância de aves no passado, Amador lembra que exemplares de pau-brasil e cedro eram comuns na região. As águas límpidas e a exuberância de peixes também ficam apenas nas histórias, como as da parisiense Adèle Toussaint-Samson, que descreveu o cenário fascinante da Baía de Guanabara quando visitou o Rio de Janeiro no século XIX. Em uma de suas observações, mencionou: “encantadoras ilhotas salpicam a baía, cujas bordas são carregadas de laranjeiras, de algodoeiros e de bananeiras, sempre verdes e carregados de frutos”. As árvores frutíferas e o bucolismo da região resistiram até o fim da década 50. Antigos moradores da Ilha do Governador lembram nostálgicos das paisagens dela e da Ilha d’ Água. “Ela vivia cheia de mangueiras e pássaros, mas isso tudo acabou quando a Petrobras instalou ali tanques de combustível e os visitantes pararam de freqüentá-la”, conta João Augusto, morador do bairro há mais de meio século.

Apesar disso, resquícios de natureza preservada ainda podem ser vistos em algumas ilhas. Como a Jurubaíba e a ilha de Itaoquinha, na opinião de Amador, e como a de Santa Cruz e a ilha Viana, para Dora Negreiros, pesquisadora do Instituto Baía de Guanabara. Não por acaso são os locais onde o acesso é mais restrito, pertencem a particulares ou são administradas pelas Forças Armadas. A Marinha, por exemplo, que possui instalações em pelo menos nove ilhas, executa planos de gestão ambiental e realiza auditorias a cada dois anos em todas as organizações militares. Faz parte de um trabalho preventivo da gerência de meio ambiente da Diretoria de Portos e Costas (DPC).

Curiosamente, as três ilhas exploradas turisticamente na Baía não podem ser consideradas exemplos de preservação. A Ilha de Boa Viagem, em Niterói, é gerenciada pela União dos Escoteiros do Brasil, mas não recebe qualquer tipo de ajuda para a manutenção das áreas verdes e limpeza do local. A Ilha Fiscal (foto) recebe visitantes que conhecem o famoso palácio do último baile do império. Entretanto, é pouco arborizada e completamente pavimentada. E nem a mais charmosa de todas, Paquetá, conserva as exuberantes paisagens descritas em A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, ou nos relatos do exílio de José Bonifácio, no século XIX. Longe disso. O odor de fezes de cavalos e a escuridão das águas decepcionam os turistas recém chegados ao bairro carioca, que já começa a abrigar favelas. Os que se arriscam num mergulho encontram garrafas plásticas, papéis, troncos de árvores e até sofás, restos de obras, pedaços de mesas e cadeiras. Trazidos pelas correntes, os objetos são recolhidos todas as manhãs pela Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb). “Não adianta nada. Passam algumas horas e a sujeira aparece de novo”, reclama uma veranista.

A maior de todas, a do Governador (com 30km2 e cerca de 250 mil habitantes), e a Ilha de Itaoca (em São Gonçalo), já estão em estágios de degradação mais avançados, Apresentam problemas causados por lixões e ocupação desordenada do solo em áreas de morros, mangues e mananciais. Para lidar com esses problemas, as secretarias municipais de meio ambiente assumem a responsabilidade e dizem que desenvolvem planos de reflorestamento e mutirões de limpeza nas ilhas. E quem cuida das outras?

Estado, municípios e Ibama não parecem se entender. Apesar de todas as ilhas serem patrimônio da União, algumas foram cedidas a particulares ou ao estado do Rio, o que confunde ainda mais as ações de controle ambiental na região. A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Meio Ambiente foi pragmática: “Como as ilhas são da União, nem o município nem o estado (incluindo o Instituto Estadual de Florestas) têm obrigação de cuidar da segurança nem do meio ambiente desses locais. Se o fazem é porque querem”. A Secretaria do Patrimônio da União foi procurada, mas não atendeu aos pedidos de esclarecimentos. Sobrou para o Ibama, que rebateu dizendo que a responsabilidade é de todos: “Como as ilhas da Baía de Guanabara não pertencem a nenhum tipo de unidade de conservação, o instituto não atua diretamente na região. A menos que aconteça algum crime ambiental”.

Apesar de tantos problemas, Amador ainda acredita que a Baía tem um roteiro histórico, arqueológico e natural que deveria ser mais valorizado em termos turísticos. “Até mesmo a poluição poderia servir de elemento de observação para mais estudos”, sugere. Segundo Norma Maciel, a Feema elaborou há uns 15 anos um projeto de revitalização das ilhas que previa atividades de turismo sustentável, mas por falta de dinheiro ele nunca saiu do papel.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.