Reportagens

Fogo e prevenção: lições a serem aprendidas com a APA do Tocantins que é campeã de incêndios

A APA Leandro, em Tocantins, é campeã de incêndios, mas seus problemas indicam medidas e ações para reduzir focos de fogo em UCs.

Paulo André Vieira ·
2 de julho de 2015 · 6 anos atrás

Rio Caiapó, localizado dentro da APA Leandro (Ilha do Bananal/Cantão). Foto: Fábio Brega
Rio Caiapó, localizado dentro da APA Leandro (Ilha do Bananal/Cantão). Foto: Fábio Brega

Por dois anos consecutivos, dentre todas as Unidade de Conservação federais e estaduais, a campeã de focos de queimada no primeiro semestre foi uma unidade estadual, a APA Leandro (Ilha do Bananal/Cantão). Esta Área de Proteção Ambiental (APA) fica situada na parte oeste do estado do Tocantins e faz divisa com o Parque Nacional do Araguaia. Com uma área de cerca de 1,7 milhão de hectares, é a maior unidade de conservação do Tocantins. Foi criada em maio de 1997 com o objetivo de ordenar o uso e a ocupação do entorno do Parque Estadual do Cantão, garantir a conservação da fauna, da flora e do solo e proteger a qualidade das águas e as vazões de mananciais da região.

No período entre 1º de janeiro e 23 de junho de 2015 o sistema de detecção de queimadas do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) registrou 892 focos de incêndio dentro dos limites da APA. Este número foi 20% maior do que o registrado no mesmo período de 2014, e 500% maior do que 2013.

Gráfico mostra o aumento do número de focos de calor em junho de 2015. Fonte: Inpe
Gráfico mostra o aumento do número de focos de calor em junho de 2015. Fonte: Inpe

A partir do meio do ano, quando o clima começa a ficar mais seco, o número de focos de incêndio na região dispara. Em 2015, junho concentrou mais de 75% de todas as queimadas registradas até agora, com 675 focos. Olhando para os números de 2014, até o final do mês de junho é provável que ainda ocorram mais de 100 focos extras.

E o Cerrado por lá deve continuar queimando até meados de outubro. Nos período entre julho e outubro de 2014 foram registrados 4.550 focos.

Um relatório de monitoramento dos focos de calor no interior da APA analisou os dados do Inpe entre janeiro e setembro de 2014. Ele apontou uma série de medidas que poderiam contribuir para uma diminuição dos focos e garantir a biodiversidade da região, como a elaboração de planos de manejo do fogo e a criação de brigadas civis de controle e combate a incêndios nos municípios integrantes da APA.

Na imagem abaixo, feita no dia 23 de junho por um satélite da Nasa, é possível ver a fumaça causada pelos incêndios dentro da APA Leandro. Os focos de calor estão localizados em Pium, distante 124 km da capital Palmas.

Satélite flagra a fumaça dos incêndios dentro da APA no dia 23 de junho. Fonte: Inpe
Satélite flagra a fumaça dos incêndios dentro da APA no dia 23 de junho. Fonte: Inpe

Para tentar conscientizar a população do Tocantins para os riscos deste período de estiagem, as queimadas foram um dos assuntos de destaque da 21ª Semana Estadual do Meio Ambiente realizada no estado entre os dias 1º e 12 de junho. Durante o evento também foram assinados convênios com 18 municípios que vão receber equipes de brigadistas. A ONG Anjos da Selva fará uma parceria com o estado para o treinamento e contratação de brigadistas locais para ações de prevenção e combate a incêndios florestais.

 

 

Leia também
Desmatamento avança na Reserva Extrativista do Alto Juruá
Queimadas em Unidades de Conservação dobram no primeiro semestre de 2015
Parque Nacional de Pacaás Novos é barreira ao desmatamento em Rondônia

 

 

 

  • Paulo André Vieira

    Produtor Editorial formado pela UFRJ, atua em ((o))eco desde 2007 escrevendo sobre geojornalismo e cuidando da edição e gestão do site.

Leia também

Reportagens
24 de junho de 2015

Parque Nacional de Pacaás Novos é barreira ao desmatamento em Rondônia

 Unidade de Conservação é uma das guardiãs da floresta amazônica no estado, que sofre com o avanço da fronteira de expansão agrícola.

Reportagens
25 de junho de 2015

Queimadas em Unidades de Conservação dobram no primeiro semestre de 2015

 Foram identificados 10.036 focos de incêndio entre 1º de janeiro e 22 de junho de 2015, enquanto em 2014 havia 4.798, um aumento de 109,23%.

Reportagens
30 de junho de 2015

Desmatamento avança na Reserva Extrativista do Alto Juruá

Pesquisa aponta aceleração no desmate da primeira Resex criado no país. Estudo afirma que falta de investimento do governo federal na unidade.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Ótimo texto! Ótima iniciativa!