Desmatamento avança na Reserva Extrativista do Alto Juruá

Vandré Fonseca
terça-feira, 30 junho 2015 1:02

A RESEX Alto Juruá tem sofrido com o desmatamento sem fiscalização e pelo incentivo à pecuária. Foto: ICMBio
A RESEX Alto Juruá tem sofrido com o desmatamento sem fiscalização e pelo incentivo à pecuária. Foto: ICMBio

Estudo com 80 famílias de 15 comunidades da Resex Alto Juruá, no Acre, aponta desmatamento em aceleração. A Unidade de Conservação de Uso Sustentável ocupa 538 mil hectares (área pouco menor do que o Distrito Federal), perto da fronteira com o Peru. Criada em 1990, foi a primeira reserva extrativista do país.

O autor do trabalho é Josimar Silva Freitas, doutorando em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, pela Universidade Federal do Pará. A razão do fracasso, segundo ele, é a falta de investimentos do governo federal: “Tudo é muito teórico, mas o estado é ausente em todos os aspectos”.

As informações obtidas por Freitas indicam que o modelo funcionou bem até 1997, enquanto recebeu recursos do PPG-7 (Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil), financiado pelo Banco Mundial. Mas, desde então, os investimentos minguaram.

O pesquisador defende a ideia de que para salvar a floresta é preciso primeiro atender as necessidades da população. Quando isso não acontece, o meio ambiente paga a conta. “As pessoas hoje estão criando gado e retirando madeira ilegalmente, sem fiscalização”, diz. “É uma decisão de sobrevivência”.

Já a bióloga Rita Mesquita, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), acredita que a opção por atividades que causam desmatamento se deve à falta de uma política de valorização de produtos extrativistas: “O problema está nos incentivos que determinadas atividades econômicas, como a pecuária, ganham e que não são dados aos produtos da floresta”.

Dados de desmatamento do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) indicam que 2,81% da Resex do Alto Juruá haviam sido desmatados até 2013, o equivalente a 15,8 mil hectares. A maior parte das perdas ocorreu após 1997, e os maiores incrementos na área desmatada ocorreram nos anos 2000 e 2010, respectivamente 0,43% e 0,33% do total da cobertura florestal.

Visualização do Alto-Juruá.Foto: Google Earth
Visualização do Alto-Juruá.Foto: Google Earth

 

*Este texto é original do blog Observatório de UCs, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo.

 

 

Leia também
Queimadas em Unidades de Conservação dobram no primeiro semestre de 2015
Parque Nacional de Pacaás Novos é barreira ao desmatamento em Rondônia
IMAFLORA 20 anos: Como tudo começou na Floresta Nacional do Tapajós

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.