Reportagens

IMAFLORA 20 anos: Como tudo começou na Floresta Nacional do Tapajós

Nascido das discussões de como inserir a preservação de recursos naturais a uma perspectiva econômica, o Instituto completa duas décadas.

Observatório das UCs ·
5 de junho de 2015 · 6 anos atrás

Floresta Nacional do Tápajos uma importante unidade de conservação (UC) federal localizada na Amazônia, às margens do Rio Tapajós. Foto:
Floresta Nacional do Tápajos uma importante unidade de conservação (UC) federal localizada na Amazônia, às margens do Rio Tapajós. Foto:

Nascido no bojo das discussões de como inserir a preservação de recursos naturais a uma perspectiva econômica em meados da década de 90, o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (IMAFLORA) completa, em 2015, 20 anos relembrando quando tudo começou na Floresta Nacional do Tapajós, na Amazônia.

Ao invés de ociosas, as extensas áreas verdes na Amazônia – bioma que ocupa metade do território brasileiro –, podem servir de trunfo econômico para o país dono da maior floresta tropical do mundo.

Na opinião de Roberto Palmieri, gerente de projetos do IMAFLORA, o grande desafio é transformar as vastas áreas protegidas na Amazônia onde vivem mais de 400 mil indígenas (segundo censo do IBGE de 2010), e 50.000 famílias de populações tradicionais nas reservas extrativistas, reservas de desenvolvimento sustentável e florestas nacionais em atores da conservação e da geração de riqueza.

“As populações tradicionais são as guardiãs, as protetoras e os principais aliados para conservar a floresta”, afirmou o engenheiro agrônomo de 39 anos, que há doze trabalha no IMAFLORA.

Em conversa exclusiva com o Blog do Observatório de UCs, Palmieri fez um retrospecto do início do trabalho do instituto, relembrou a dificuldade de se criar uma dinâmica equilibrada que favorecesse tanto a população que habita a floresta como o meio ambiente.

Nada disso era claro e óbvio no início dos anos 90. “Foi mesmo uma quebra de paradigma”, admitiu.

Pós ECO-92

O IMAFLORA nasceu em 1995 ainda no furor da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, a ECO 92, no Rio de Janeiro.

Naquela época, começava-se a travar a discussão acerca da importância de aliar a conservação dos recursos naturais à produção de uma economia florestal. Mas o caminho ainda não estava trilhado, havia muitas incertezas e era preciso arriscar em projetos experimentais que pudessem envolver as comunidades da floresta e a necessidade de evitar a degradação ambiental que, em 1992, era de 13.600 quilômetros quadrados.

Apenas para comparação, em 2012, vinte anos após a ECO-92, o Brasil registrou uma perda de 4.571 quilômetros quadrados de floresta. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), 2012 foi o ano em que se detectou a menor taxa de desmatamento desde 1988, quando se iniciaram as medições.

Desde o período da redemocratização do Brasil, o pior índice de desmatamento foi registrado pouco tempo depois da ECO-92, em 1995, quando foram 29.059 mil quilômetros quadrados.
“Havia o dilema de viabilizar o uso dos recursos naturais e conservar a natureza. Pensamos em procurar um caminho que conciliasse os dois, mas não se havia muitas referências de como fazer isso”, relembrou. “Não tínhamos a experiência de como utilizar a floresta equilibrando os recursos naturais, o papel das comunidades e os serviços ambientais”.

Pioneirismo no Tapajós

E foi assim que, logo após ser criado, o IMAFLORA estreou sua atuação na floresta nacional do Tapajós, em 1995, para elaborar um plano de uso comunitário dos recursos florestais.

A Flona Tapajós é uma importante unidade de conservação (UC) federal localizada na Amazônia, às margens do Rio Tapajós, no Pará. Criada em 1974, é floresta que mais abriga pesquisa científica no país. Foram 65 pesquisas só em 2013.

Nesta área protegida de 527 mil hectares e mais de 160 quilômetros de praias, vivem 500 indígenas da etnia Munduruku, e 5 mil moradores em 25 comunidades tradicionais e ribeirinhas.

Cerca de 5% desta área protegida é reservada para o manejo florestal sustentável. Segundo a definição do próprio Ministério do Meio Ambiente, o manejo é a “administração da floresta para obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema” utilizando espécies madeireiras e produtos não-madeireiros como frutos e sementes.

“O manejo é utilizar o recurso da floresta que atenda a critérios de proteção da água, dos ecossistemas e do solo”, explicou Palmieri.

A experiência piloto na Flona Tapajós virou uma referência de sucesso. Segundo o ICMBio, órgão federal que administra as UCs, o manejo na floresta do Tapajós movimenta quase R$ 4 milhões por ano. Esse recurso auxilia no desenvolvimento social e na proteção da própria floresta.

O órgão gestor considera hoje a floresta nacional do Tapajós uma das unidades conservação “mais prósperas e protegidas” da Amazônia.

Junto com o Banco Mundial, o IBAMA e fontes de fomento e de cooperação técnica da Alemanha, o IMAFLORA realizou sua primeira iniciativa piloto integrando o Projeto de Apoio ao Manejo Florestal Sustentável na Amazônia (Promanejo). Tinha como objetivo “aumentar a área florestal manejada e inibir a exploração madeireira predatória” na Amazônia. Previsto para concluir em 2003, ele ainda foi renovado até 2006.

Laboratório de gestão participativa

Segundo Palmieri, a Flona Tapajós serviu como um laboratório de gestão participativa. “O foco era elaborar o plano de uso comunitário dos recursos florestais, especialmente da madeira. Esse foi nosso primeiro trabalho em 1995, um marco para o IMAFLORA e desenhou nosso DNA. Ali, naquele momento, era algo muito novo, uma experiência piloto, não havia marco regulatório”.

O Promanejo integrou o Programa Piloto de Proteção de Florestas Tropicais (PPG7), coordenado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e financiamento do Banco Alemão de Desenvolvimento (KFW).

A ideia de valorizar também o conhecimento tradicional de famílias que passam de geração em geração os saberes locais da terra ganhou força naquele momento.

“O conhecimento tradicional aliado ao científico ajudou a encontrarmos soluções interessantes. Se reconhecia pouco o valor do conhecimento local, o saber vinha só da academia e as decisões eram muito tecnocratas”, discutiu.

Outro pilar que nasceu deste primeiro projeto que o IMAFLORA participou foi o princípio de que as soluções emergem da diversidade de atores. “Ao trazer a comunidade local, o gestor da área protegida, as autoridades municipais, ambientalistas e movimentos socais, a gente conseguiu encontrar soluções negociadas e criativas. O diálogo entre todas as partes interessadas fez a diferença”.

Da época de criação da Flona Tapajós no governo militar até o início deste projeto, a relação entre a chefia da UC e as comunidades residentes era bastante conflituosa. Somente na metade da década de 90, começou uma fase de trégua e de cooperação com as populações locais.

Segundo o estudo “Influência do Promanejo sobre Políticas Públicas de Manejo Florestal Sustentável na Amazônia“, de 2005 e vinculado à Secretaria de Coordenação da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente, a entrada em vigor do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) no ano 2000 deu um impulso à ideia de uma gestão participativa. Pois a lei que rege as áreas protegidas reconhece e valorizava o papel das populações na gestão das unidades de uso sustentável, como é o caso da Flona Tapajós.

Em 2001, foi criado o Conselho Consultivo da Flona, com a participação de 21 membros, incluindo associações comunitárias. Atualmente este modelo de gestão participativa da Flona beneficia 5.000 comunitários e pequenos produtores das 25 comunidades da área protegida e ainda outros 5.000 moradores do município paraense de Aveiro, situado dentro da Flona.

“Nosso DNA é justamente o uso sustentável dos recursos naturais da floresta e envolvendo ativamente as populações locais. Pensamos naquela época em como poderíamos viabilizar economicamente as UCs desenvolvendo uma linha do comércio ético”, comentou.

 

*Este texto é original do blog Observatório de UCs, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo.

 

 

Leia também
Maria Tereza Pádua: “Estão acabando com as Unidades de Conservação”
Ajuste fiscal pode pôr em risco preservação de áreas protegidas, alerta Philip Fearnside

 

 

 

Leia também

Reportagens
3 de junho de 2015

Ajuste fiscal pode pôr em risco preservação de áreas protegidas, alerta Philip Fearnside

Para pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, crise econômica diminuirá ainda mais os recursos para as áreas protegidas.

Reportagens
4 de junho de 2015

Maria Tereza Pádua: “Estão acabando com as Unidades de Conservação”

A agrônoma lembra o histórico das áreas protegidas que ajudou a criar e da destruição dos biomas brasileiros ao longo dos últimos 50 anos.

Dicionário Ambiental
16 de abril de 2014

O que é o SNUC

Instituído pela Lei 9.985/2000, o SNUC ordena a preservação ambiental no país, ao estabelecer a forma de criação, implantação e gestão das unidades de conservação nacionais.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta