Reportagens

Rússia indicia ativistas do Greenpeace como piratas

Quatorze dos 30 ativistas indiciados até agora por "pirataria feita em quadrilha", após protesto de navio da ONG. Inclusive uma brasileira.

Shaun Walker ·
2 de outubro de 2013 · 8 anos atrás
The Guardian Environment Network
Artigos da rede que reúne os melhores sites ambientais do mundo, selecionados pelo diário inglês The Guardian.

Ana Paula Maciel Alminhana, ativista brasileira detida na Corte Distrital de Leninsky, em Murmansk. Foto: Dmitri Sharomov / Greenpeace
Ana Paula Maciel Alminhana, ativista brasileira detida na Corte Distrital de Leninsky, em Murmansk. Foto: Dmitri Sharomov / Greenpeace

Autoridades russas acusaram formalmente 14 ativistas do Greenpeace por pirataria, com outros de 16 correndo risco de também serem indiciados.

Os acusados incluem 4 cidadãos britânicos. Kieron Bryan, um cinegrafista freelancer, junto com Alexandra Harris, Philip Ball e Anthony Perrett, foram acusados de “pirataria praticada em quadrilha.” Cada um pode pegar até 15 anos de prisão se for considerado culpado.

Entre outros acusados estão Ana Paula Alminhana, do Brasil; Dmitri Litvinov, um sueco-americano; Sini Saarela, da Finlândia, e Roman Dolgov, da Rússia, de acordo com o Greenpeace.
Eles estão entre as 30 pessoas de 18 países diferentes que viajavam a bordo do Arctic Sunrise, um navio do Greenpeace, que, no mês passado, foi base de um protesto contra a plataforma de petróleo Prirazlomnaya. A plataforma de perfuração no mar de Pechora é operada pela empresa russa Gazprom de energia.

Como dois ativistas tentaram escalar a plataforma, a polícia russa de fronteira invadiu o barco a partir de helicópteros. O Arctic Sunrise foi então escoltado de volta para Murmansk, noroeste da Rússia, com a tripulação mantida sob guarda armada.

Todos os 30 ativistas foram encarcerados como prisão preventiva por até dois meses, enquanto investigadores estudam as acusações. Espera-se que os promotores acusarão todos nos próximos 2 dias.

O diretor-executivo do Greenpeace Internacional, Kumi Naidoo, disse que a decisão das autoridades russas de indiciar os ativistas representava “a mais séria ameaça ao ativismo ambiental pacífico do Greenpeace” desde o afundamento do Rainbow Warrior em 1985.

Fotos tiradas no dia 19 de setembro de um celular mostram o momento em que a guarda costeira russa sobe ilegalmente e fortemente armada a bordo do Arctic Sunrise (foto: Greenpeace)
Fotos tiradas no dia 19 de setembro de um celular mostram o momento em que a guarda costeira russa sobe ilegalmente e fortemente armada a bordo do Arctic Sunrise (foto: Greenpeace)

O atual capitão do Arctic Sunrise, Peter Willcox, americano, também era o capitão do Rainbow Warrior na época. Ele está preso em Murmansk, mas ainda não foi indiciado.

“A acusação de pirataria está sendo feita contra homens e mulheres cujo único crime é ser dotado de uma consciência”, disse Naidoo. “Qualquer alegação de que esses ativistas são piratas é tão absurda como é abominável”.

As acusações também vêm após Vladimir Putin dizer que era “completamente óbvio” que os ativistas não eram piratas. O presidente russo, no entanto, acusa-os de violar a lei e disse que as autoridades não tinham como saber se eles eram terroristas ou não, e assim foram forçados a agir.

O Greenpeace afirma que mais de um milhão de pessoas escreveram para embaixadas russas em todo o mundo apoiando seus militantes.

 

 

*Shaun Walker é correspondente do Guardian em Moscou. Esse artigo é publicado através da parceria de ((o))eco com a Guardian Environment Network (veja a versão original). Tradução de Eduardo Pegurier.

 

Leia também
Ativistas presos no Japão
A nova cara do Greenpeace
Amigo da onça

 

 

 

Leia também

Salada Verde
11 de junho de 2021

Técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Rio encontram arbusto raro

Espécie é considerada criticamente ameaçada de extinção e o último registro ocorreu em 1997. Achado ocorreu durante incursão no Morro do Vigário, na Ilha de Paquetá

Salada Verde
11 de junho de 2021

Kátia Abreu é a nova relatora do marco geral do licenciamento

Novo marco do licenciamento isenta 13 atividades do licenciamento e torna regra a adoção do autolicenciamento. Proposta foi aprovada na Câmara há menos de um mês

Reportagens
11 de junho de 2021

Relatório mostra que 99,8% dos desmatamentos no Brasil em 2020 foram ilegais

Documento inédito do MapBiomas Alerta com dados consolidados dos biomas do país mostra que desmatamento subiu 14% no ano passado e somente 2% tiveram alguma providência do Ibama

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta