Reportagens

Mineração na Colômbia, horizonte de esperança ou caos

Grandes empresas entrarão em áreas das mais conservadas e biodiversas na Amazônia. Mas o governo diz que isso ajudará na conservação.

María Clara Valencia ·
5 de dezembro de 2012 · 8 anos atrás
Pequena mineração ilegal se expande pela Amazônia colombiana. Crédito: Diana Mora.

*Este artigo faz parte do especial de lançamento do atlas “Amazônia sob Pressão”. Clique aqui para saber mais

Colômbia Abrir o Amazonas à mineração é como dizer “se tem criminalidade, então organizo os criminosos para que funcionem de forma mais organizada”. Assim define a iniciativa das áreas estratégicas de mineração que anunciou recentemente o governo, o especialista em economia ambiental e professor da Universidade Javeriana Guillermo Rudas.

Aproximadamente 17,6 milhões de hectares no Amazonas, no Chocó (zona do Pacífico) e a Orinoquia fazem parte dessas zonas, de acordo com o anúncio feito pelo presidente Juan Manuel Santos durante a Cúpula Rio+20.

Embora o governo tenha dito que seu objetivo é combater a ilegalidade e organizar uma indústria que já se expande na região, especificando os lugares que se podem tocar e quais não, além de elevar as exigência para o ingresso das empresas, Rudas considera que o movimento ocorre em sentido contrário à ideia de proteger a Amazônia. “A mineração tem e terá muito que ver com os conflitos na Colômbia”, diz.

“É um paradigma, porque o estado não tem capacidade de gerar ações de controle a essa atividade”, afirma Rudas. Ele argumenta que como o estado é incapaz de conservar as áreas protegidas, termina justificando uma política na contramão, entregando títulos de mineração na Amazônia e excluindo da área de conservação as zonas mais frágeis.

Ele enfatiza em que, contrário a o que o governo está fazendo, é preciso fortalecer o estado e às comunidades, porque não tem sentido assumir uma posição de promover a mineração numa zona de alta fragilidade. “As empresas mineradoras têm mostrado irresponsabilidade em todo o mundo e o desenvolvimento econômico será danificado se a Colômbia compromete o capital a longo prazo, apresentando-o como uma alternativa de conservação. O que o presidente fez na Rio+20 foi um ofensa”, assegura.

Poluição para zonas melhor conservadas

A região do Guainía é uma das mais biodiversas e melhor conservadas da Amazônia colombiana. Crédito: Diana Mora.

Esta posição é compartilhada por Julio Fierro, especialista em mineração e professor da Universidade Nacional de Colômbia. Para ele é irracional o que propõe o governo, de gerar como mecanismo de proteção da Amazônia uma atividade predatória que é tóxica e historicamente trouxe violência.

“É tóxica desde o ponto de vista ambiental porque usa químicos que não se desfazem em centenas de milhões de anos”, explica.

Fierro diz que a zona que o governo tem na mira é o oriente Amazônico (departamentos de Guainía, Vaupés, Vichada e um pedaço do Amazonas) que é mais biodiversa da região por suas elevações montanhosas e temperaturas diferenciadas; além disso, é hoje a área mais inexplorada e por isso pode se conservar.

“Lá se vai substituir a mineração ilegal pela legal, o que na Colômbia historicamente tem provado não trazer beneficio. Com a mineração chega a ampliação de acessos, e população. E também, esta iniciativa já levou à divisão das comunidades indígenas: uns que percebem que isso não vai ser bom e outros que vem a possibilidade de dinheiro fácil”, diz.

Ele lembra que historicamente nas zonas de mineração é onde se tem concentrado alguns dos povoados mais violentos do país, com prostituição, pobreza, e erosão por maltrato do ambiente. “Por isso a mineração legal não é a solução para a ilegal”.

“Agora a Amazônia se está organizando em torno da mineração e não ao contrario. A proposta do governo não tem sensatez”, lamenta.

Aliança Brasil – Colômbia, uma esperança?

Martín Von Hildebrand, diretor da Fundação Gaia Amazonas tem uma visão diferente. “Temos que ser otimistas. Tivemos uma avalanche de títulos de mineração entre 2009 e 2010; foram entregues quase 2.000 títulos com só mostrar a cédula e pagar 50.000 pesos. Este governo não quer confusão e colocou um basta na mineração”, diz.

Ele conta que houve uma longa discussão da que participou e que concluiu em que não haveria mineração na Amazônia por enquanto, por razões de segurança nacional; segurança em termos geopolíticos, não militares. Mas justo antes da Rio+20, no Ministério de Defesa houve inconvenientes em que o conceito de segurança poderia ser confundido com a militarização. Nesse momento o Instituto Colombiano de Geologia e Mineração (Ingeominas) se converteu na atual Agência Nacional de Mineração e surpreendentemente lançaram a resolução 0045 de mineração estratégica, a mesma anunciada no Rio de Janeiro. Mas nisso, Hildebrand não participou.

Mas para ele, é positivo que seja proibida a pequena mineração e que se evite caos exigindo altos padrões às grandes empresas. Além disso, uma resolução recente garante que não será anulada a figura de reserva florestal até que seja feita um zoneamento claro e que se defina o que será a reserva floresta protetora (dedicada exclusivamente à conservação) e a reserva florestal produtora.Ele conta que houve uma longa discussão da que participou e que concluiu em que não haveria mineração na Amazônia por enquanto, por razões de segurança nacional; segurança em termos geopolíticos, não militares. Mas justo antes da Rio+20, no Ministério de Defesa houve inconvenientes em que o conceito de segurança poderia ser confundido com a militarização. Nesse momento o Instituto Colombiano de Geologia e Mineração (Ingeominas) se converteu na atual Agência Nacional de Mineração e surpreendentemente lançaram a resolução 0045 de mineração estratégica, a mesma anunciada no Rio de Janeiro. Mas nisso, Hildebrand não participou.

Gaia Amazonas, em aliança com os Ministérios de Cultura do Brasil e da Colômbia, com a Fundação Tropenbos e outras organizações, está trabalhando com comunidades nesse zoneamento, para fazê-lo de maneira participativa, já que mais de 50% desse território é indígena.

A ideia é gerar um sistema de lugares sagrados e de usos do Amazonas. Nesses lugares (em áreas que incluem o noroeste brasileiro) não se poderá realizar mineração. “Existe um acordo binacional Brasil-Colômbia para cuidar o patrimônio indígena no noroeste amazônico”, explica.

“O mapa é feito com imagens de satélite que darão um grande detalhe”, diz Hildebrand.

Porém, não obstante esta voz de esperança, Guillermo Rudas e Julio Fierro são enfáticos em afirmar que apesar de que se protejam algumas zonas, a mineração não gera impactos específicos, mas sim afeta todo o resto.

“Durante o governo de Virgilio Barco (1984 – 1990) foram estabelecidas diretrizes para a Amazônia, e foi decidido que esta região devia estar fora da lógica do mercado. Agora chega isto (a resolução) prejudicando, de um governo que se diz ambientalista, mas que atua contrário a essa decisão do Estado”, conclui Rudas.

 

Leia também

Análises
17 de maio de 2021

Opinião não é artigo científico

A utilização de espécies exóticas como a tilápia pode causar diversos impactos negativos no meio ambiente e isso é um fato. Fingir ter a chancela de uma respeitável revista científica não vai mudar isso

Salada Verde
17 de maio de 2021

Ex-Coordenador jurídico do PSL assume superintendência do Ibama no Ceará

A nomeação de Luiz Cesar Barbosa, advogado com atuação junto ao PSL, partido da base de apoio de Bolsonaro, reforça barganha política em cargos de chefia do Ibama

Reportagens
16 de maio de 2021

Proposta muda desenho de UCs no rio Negro, com nova reserva e redelimitação

O projeto de lei enviado à Assembleia Legislativa cria uma Reserva do Desenvolvimento Sustentável no Baixo Rio Negro, no Amazonas, e redelimita parque estadual e APA

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta