Reportagens

“Essa tranquilidade não se encontra em outro lugar”

Seu Germánico conta como o rio lhes dá vida e tranquilidade

Maricela Rivera ·
23 de agosto de 2012 · 9 anos atrás

Ao final da tarde, no caminho de Banhos para Shell desfilam imagens de vilarejos, montanhas, cascatas e o majestoso Rio Pastaza. Entre as paisagens, destacam pontos turísticos com ofertas para todos os gostos.  Nos chama a atenção um grande letreiro, Mirador Puerto La Amazonas. Três cachorros nos recebem, seu trato amável mostra que eles têm costume de tratar com visitantes. Nossa atenção, porém, é conquistada pela paisagem frente a nós, o grande Rio Pastaza abrindo-se espaço para a Amazônia enquanto a cordilheira se aplana. 

E foi essa paisagem a que seduziu oito anos atrás Seu Germânico Montenegro e sua esposa Meche, que decidiram estabelecer ali seu negócio e domicílio. Como militar, Germânico, nascido em Otavalo, viajou por muitos lugares do Equador, “eu em nenhum outro lado me senti assim, essa tranquilidade não se encontra em outro lugar”. Agora aposentado, seus distintivos militares estão pendurados na parede da pequena mercearia que atende Meche, que com um sorriso nos conta que é de Chone. 

Desde que eles chegaram viram que com os anos a qualidade da água foi afetada, mas existem ainda umas 20 espécies de peixes. “Nós vivemos do rio, oferecemos rafting e queremos construir uma tarabita que atravesse o Pastaza”. Qualquer coisa que aconteça rio acima afeta seu curso, “mas o rio não está contaminado, ao contrário do Rio Napo que tem poços petrolíferos perto”.

Com o braço, onde tem uma tatuagem de Jesus do Grande Poder, Germánico mostra a rota que devemos seguir. Enquanto isso Meche brinca amorosamente com o gato que não tem visto ela por uma semana. Os cachorros alegres parecem saber que vamos partir, e se reúnem ao lado de seus donos. Perto de sua rede e com um sorriso, Germânico e Meche se despedem. Boa viagem!

Leia também

Salada Verde
23 de julho de 2021

Registro raro mostra uma mamãe onça com seu filhote na Serra do Mar

A cena foi flagrada por um armadilha fotográfica instalada pela equipe do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar, que monitora a presença de animais como a onça-pintada e a anta na região

Análises
23 de julho de 2021

Termo ‘savanização’ precisa ser revisto nos discursos sobre degradação florestal

Associar a savana à ideia equivocada de que esta seria uma vegetação degradada e pobre favorece o discurso de que não há nada a ser conservado

Notícias
22 de julho de 2021

Ibama fecha acordo com agência japonesa para monitoramento via satélite da Amazônia

Acordo de cooperação foi assinado nesta quinta-feira e terá duração de 5 anos. Expectativa do Ibama é aumentar precisão da detecção de desmatamento na Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta