Reportagens

O ar que a floresta respira

Parcerias viabilizarão instalação de torres de observação para pesquisas atmosféricas na Amazônia.

Redação ((o))eco ·
24 de setembro de 2010 · 11 anos atrás

Uma parceria entre o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e o Instituto Max Planck, da Alemanha, resultará na construção de novas torres de observação que deverão monitorar uma área superior a mil quilômetros quadrados no Amazonas.

A maior delas, conhecida como ATTO, terá 320 metros de altura (o equivalente a um prédio de 100 andares), será instalada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã, em São Sebastião do Uatumã, e terá como missão analisar ininterruptamente as trocas gasosas da camada atmosférica por um período entre 20 e 30 anos. De acordo com Jochen Schöngart, do Max Planck, graças a ela será possível compreender melhor os serviços ambientais prestados pela floresta e sua interação com a atmosfera. A previsão é que ela seja construída no segundo semestre de 2011.

Ao redor da ATTO, serão instaladas outras quatro torres de 80 metros de altura cada – em uma delas um elevador vai se mover por 24 horas a uma velocidade média de dois a quatro metros por minuto. Elas fornecerão informações sobre gases que atuam na limpeza atmosférica e ajudarão a ciência a compreender melhor os fenômenos climáticos na região.  O custo total do projeto é de 8,4 milhões de euros.

“Em suma, o projeto terá três grandes linhas de pesquisa: Química da Atmosfera, voltada à compreensão das interações da floresta com a atmosfera em termos de trocas gasosas e de aerossóis; Micrometeorologia, com a finalidade de estudar os processos de troca de massa e energia entre a vegetação e a alta atmosfera e Física de Nuvens, cujo objetivo é o estudo dos mecanismos de formação de nuvens e de produção de chuvas na região”, explica Jochen Schöngart.

Leia também

Notícias
21 de junho de 2021

Estado do Rio reconhece sua 100ª reserva particular

A marca da centésima Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) foi alcançada na última semana. Reservas correspondem a mais de 8.400 hectares protegidos no estado

Reportagens
21 de junho de 2021

Coalizão entre ciência e sociedade acena com esperança para a Baía de Guanabara

Universidade do Mar buscará potencializar parcerias para enfrentamento da problemática socioambiental da baía mais populosa e degradada do Estado do Rio de Janeiro

Salada Verde
21 de junho de 2021

Salles exonera superintendente do Ibama no Acre

Helen de Freitas Cavalcante ficou três meses no cargo. Antes de assumir a superintendência do Ibama, advogada atuava na defesa de infratores ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta