Reportagens

Cortina de fumaça

Pela última contagem do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 135 áreas protegidas têm focos de calor. Imagem de satélite sai avermelhada de tanta fumaça.

Redação ((o))eco ·
21 de setembro de 2010 · 11 anos atrás

Só mesmo o monitoramento por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) para contabilizar quantas áreas naturais protegidas brasileiras estão sendo consumidas pelo fogo nesta severa estiagem. São 135 pela última contagem. Parque Nacional de Brasília, 25% da vegetação viraram cinzas. Parque das Emas, 93%. Parque da Chapada dos Veadeiros, outros 35% de estragos. Com um pouco de conhecimento de imagens, é possível enxergar o tamanho do problema das nossas próprias casas.

Esta imagem obtida no dia 15 de setembro do satélite Resourcesat revela mais uma faceta da tragédia do fogo. Ela foi tirada sobre a região do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (MT) — marcado com bordas azuis — e mostra zonas enegrecidas por onde o fogo já passou, totalizando por enquanto 13.200 hectares, ou 40% da unidade de conservação. Mas a foto está avermelhada. É a fumaça, em quantidades avassaladoras, que sai das centenas de focos de calor no entorno da cidade e do parque nacional.

Leia também

Notícias
21 de junho de 2021

Estado do Rio reconhece sua 100ª reserva particular

A marca da centésima Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) foi alcançada na última semana. Reservas correspondem a mais de 8.400 hectares protegidos no estado

Reportagens
21 de junho de 2021

Coalizão entre ciência e sociedade acena com esperança para a Baía de Guanabara

Universidade do Mar buscará potencializar parcerias para enfrentamento da problemática socioambiental da baía mais populosa e degradada do Estado do Rio de Janeiro

Salada Verde
21 de junho de 2021

Salles exonera superintendente do Ibama no Acre

Helen de Freitas Cavalcante ficou três meses no cargo. Antes de assumir a superintendência do Ibama, advogada atuava na defesa de infratores ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta