Reportagens

Risco de incêndios florestais é máximo no RJ

Desde 21 de agosto, a medição diária de risco de incêndios florestais em unidades de conservação estaduais se mantém no nível máximo. Brigadistas estão a postos.

Redação ((o))eco ·
27 de agosto de 2010 · 11 anos atrás
A temporada de incêndios florestais que assusta os brasileiros ainda está longe de terminar. Pelo menos é o que indica a medição diária do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) do Rio de Janeiro. De acordo com cálculos e projeções, a estiagem e a baixa umidade relativa do ar fizeram com que o risco de fogo nas unidades de conservação estaduais chegasse ao nível máximo no último dia 21, e assim continua. Desde então, três parques e uma reserva biológica sofreram com pequenos focos de calor.

No último fim de semana, 1,8 mil metros quadrados dos limites do Parque Estadual dos Três Picos foram atingidos pelas chamas, provavelmente causadas por um balão. Os Parques da Pedra Branca e da Serra da Concórdia, além da Reserva Biológica e Arqueológica de Guaratiba também foram atingidos, mas em proporções menores. Vale lembrar que todas as equipes de brigadistas, formadas por guarda-parques, funcionários e membros do Corpo de Bombeiros em 14 parques, reservas e estações ficam de prontidão quando o nível da probabilidade de incêndios chega a médio.
 
Cada unidade de conservação tem um índice separado, assim como as regiões do estado, estabelecido a partir de dados meteorológicos. A probabilidade e velocidade de propagação do fogo são medidas. André Ilha, diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do Inea, solicitou que a população tenha cuidado a fim de evitar as chamas, já que muitas vezes elas são causadas por descuido.

O índice de risco de incêndios florestais é divulgado diariamente pelo Instituto Estadual do Ambiente em seu site (www.inea.rj.gov.br), com atualização diária a partir de 15h.

Leia também

Notícias
27 de julho de 2021

Auditoria do TCU aponta erros do governo federal no combate ao desmatamento na Amazônia

O Ministério do Meio Ambiente terá 120 dias para apresentar um plano de ação com cronograma e medidas que corrijam as falhas apontadas pelo TCU, como a asfixia do Ibama por falta de fiscais

Colunas
27 de julho de 2021

O Brasil precisa aprender a viver no Antropoceno

Se vamos ter que navegar pelo Antropoceno, como espécie e como nação, vamos ter que rever nossa organização interna para conter a degradação

Notícias
27 de julho de 2021

MPF entra com ação civil pública contra fusão do Ibama e ICMBio

Procuradores pedem que Ministério do Meio Ambiente e autarquias escutem a sociedade civil e consulte povos afetados antes de qualquer decisão administrativa sobre o fim do ICMBio

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta