Reportagens

Ameaça de fogo no Amazônia

Chuvas atrasam na Região Norte e Centro Oeste por conta da influência do fenômeno La Niña.

Redação ((o))eco ·
5 de agosto de 2010 · 11 anos atrás

O clima vai continuar seco nas próximas semanas, contribuindo para as queimadas no sul da Amazônia, onde a umidade relativa do ar pode ficar abaixo dos 50%,segundo a previsão trimestral divulgada esta semana pelo Sipam. O motivo seria a influência do fenômeno La Niña, resfriamento das águas superficiais do Pacífico, que dificulta a formação de nuvens nesta região e deve adiar o início da estação chuvosa, que normalmente começa em setembro. Sul do Amazonas, Acre, Rondônia e Mato Grosso, com exceção do noroeste do estado, devem sofrer com a falta de chuvas nas próximas semanas.
 
O mesmo fenômeno El Niña deve provocar chuvas acima do normal ao norte da Amazônia, nos estados de Roraima, Amapá e norte do Amazonas e Pará. Nas demais áreas, as chuvas devem voltar a ocorrer com freqüência em outubro, de acordo com o Sipam. O calor também deve continuar forte na Amazônia, com temperaturas acima dos 35 graus, apesar de se repetir o fênomeno da friagem. Apenas do sul e sudoeste do Mato Grosso, as temperaturas devem ser normais para esta época do ano.

A falta de chuvas deve interferir também nos níveis dos rios da margem direita do Amazonas. “Destacam-se as áreas do sul do Amazonas, principalmente na calha dos rios Juruá e Purus, já que segundo a previsão são esperadas poucas chuvas para o trimestre, e as condições de baixo índice pluviométrico já refletem na calha dos rios da região, cujos níveis estão próximo aos registrados nas maiores vazantes”, afirma a meteorologista do Sipam, Ana Cleide Bezerra.

 (Vandré Fonseca)

 

 
 

De acordo com os Dados do Sistema de Monitoramento de Queimadas por Satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) o risco de queimadas em boa parte do Brasil varia de alto a crítico. Na Amazônia, o risco é considerado crítico no norte de Rondônia e Mato Grosso, no sul do Amazonas e do Pará. Na região leste do Acre, o risco é considerado alto, agravado por ventos fortes e baixa umidade.

Fonte: Altino Machado, Blog da Amazônia

Leia também

Reportagens
26 de julho de 2021

Brasil decola em apreensões de animais traficados na aviação civil

Relatório inédito descortina estratégias criminosas para transportar animais da América Latina e do Caribe por meio da aviação comercial; México, Brasil e Colômbia são os líderes em apreensões

Salada Verde
23 de julho de 2021

Registro raro mostra uma mamãe onça com seu filhote na Serra do Mar

A cena foi flagrada por um armadilha fotográfica instalada pela equipe do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar, que monitora a presença de animais como a onça-pintada e a anta na região

Análises
23 de julho de 2021

Termo ‘savanização’ precisa ser revisto nos discursos sobre degradação florestal

Associar a savana à ideia equivocada de que esta seria uma vegetação degradada e pobre favorece o discurso de que não há nada a ser conservado

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Gabriela Camargo diz:

    Esclarecimento muito importante!