Reportagens

UNEP quer restaurar ecossistemas degradados

Restauração de ecossistemas pode gerar trilhões de dólares e milhares de empregos, segundo novo relatório do Programa de Meio Ambiente da ONU.

Redação ((o))eco ·
9 de julho de 2010 · 11 anos atrás
Londres – O UNEP divulgou um relatório que dá ênfase aos benefícios de se recuperar ecossistemas naturais. O relatório defende que, longe de ser um imposto sobre o crescimento e desenvolvimento, a recuperação de sistemas naturais vai gerar emprego, riqueza e restauração de serviços de trilhões de dólares.

O relatório utiliza estudos de caso para demonstrar os benefícios da restauração florestal para a biodiversidade e conservação e seus impactos para a vida e bem-estar humano. A variedade de ecossistemas apresentados em cada estudo de caso mostram muitos benefícios singulares que a restauração florestal pode oferecer.

O Instituto Terra, uma organização sem fins lucrativos que possui viveiros para fazer replantio de áreas degradas na Mata Atlântica é mencionada por seus serviços para com a biodiversidade, regulação da água, estoque de carbono e prevenção de erosão do solo.
 
Proteger ecossistemas intactos é, certamente, a forma mais lógica e com menos custos na estratégia de mitigação das mudanças climáticas, porém mais de 60% dos ecossistemas globais – de áreas pantanosas e recifes de coral até florestas tropicais e solos – já encontram-se degradados. Com base nisso, o relatório afirma que a restauração florestal deve ganhar igual importância para a conservação. (Patrick Bodenham)

Baixe aqui o relatório completo

 

Alguns dos benefícios da restauração florestal:
 
·         Aumento na qualidade dos habitats para animais e plantas;
·         Reserva de água segura e de alta qualidade;
·         Prevenção e redução da degradação do solo;
·         Fonte segura de biomassa e bioenergia.
·         Seqüestro de carbono socialmente aceitável e ambientalmente seguro;
·         Demanda adequada e sustentável em oportunidades de empregos para comunidades rurais;
·         Fonte sustentável de Madeira para indústria e comunidade locais;
·         Investimento com retorno sólido para setor da indústria florestal;
·         Aumento na resistência e resiliência dos sistemas naturais às mudanças climáticas;
·         Fonte de produtos florestais não madeireiros como plantas medicinais e artigos comerciáveis.
·         Oportunidades de recreação e turismo;
·         Aumento no valor das propriedades próximas à área restaurada;
·         Reforço econômico e ambientalmente seguro e mitigação de riscos para a economia e para o meio ambiente.
 
Fonte: Global Partnership on Forest Landscape Restoration (GPFLR),
http://www.ideastransformlandscapes.org

Leia também

Notícias
24 de setembro de 2021

Grupo de Trabalho finaliza relatório e recomenda manter separados o Ibama e ICMBio

Relatório foi publicado nesta sexta-feira na página oficial do Ministério do Meio Ambiente. No final de julho, o MPF entrou com ação civil pública contra a fusão

Notícias
24 de setembro de 2021

Ameaçado pelo avanço da agricultura, Pampa é o bioma que mais perde vegetação nativa

Levantamento do Mapbiomas mostra que em 36 anos o segundo menor bioma do país perdeu 21,04% de sua cobertura vegetal. Maior parte da perda foi para a produção de soja

Notícias
24 de setembro de 2021

Servidores da Bahia entram com ação contra “Secretária-Diretora” do Meio Ambiente no estado

Associação de servidores ambientais denuncia inconstitucionalidade do acúmulo de cargos de chefia na área ambiental do estado exercido por Márcia Telles há mais de 4 meses

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta