Reportagens

Panamazônia para o mundo

INPE oferece proposta de colaboração a países com florestas tropicais para mapeamento com sensoriamento remoto usando imagens públicas e softwares livres.

Redação ((o))eco ·
1 de março de 2010 · 11 anos atrás

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) apresentou em Bali, na Indonésia, sua proposta de cooperação para operar o projeto Panamazônia, aplicável em países que com cobertura de florestas tropicais. A idéia é permitir o monitoramento florestal por sensoriamento remoto com o uso de softwares livres e imagens públicas de satélites como o Nasa-Geocover & Modis e CBERS (Satélite Sino-brasileiro de Recursos Terrestres), depois de uma etapa de treinamento com equipes locais.

De acordo com o projeto o mapeamento pode ser feito por cobertura florestal, por desmatamento, reflorestamento, cobertura de cerrado, desmate no cerrado, regeneração neste bioma, e ainda por tempo de reflorestamento e regeneração, hidrologia e drenagem.

O Projeto Panamazônia foi concebido ainda em 1992 e em 2005 entrou em sua segunda fase, capacitando técnicos dos países amazônicos para montagem de bancos de dados e trocas de imagens para o monitoramento completo da floresta amazônica.

Na imagem abaixo, um exemplo de análise de cobertura vegetal na região amazônica.

Leia também

Análises
29 de julho de 2021

Os incêndios criminosos na Amazônia devem ser contidos

O fogo passou a ser uma realidade para a Amazônia no Antropoceno e é fundamental rever as estratégias que vêm sendo adotadas para o combate aos incêndios, assim como as suas vinculações ao jogo de interesses predominante

Notícias
29 de julho de 2021

Leite repete Salles e desinforma sobre combate ao desmatamento

Em documento, novo ministro culpa Covid por cancelamento de quase metade das operações do Ibama, comemora ações que não saíram do papel e tenta desqualificar INPE

Notícias
29 de julho de 2021

Treze peixes-bois resgatados e reabilitados são devolvidos aos rios da Amazônia

Programada para ocorrer em 2020, a soltura teve atraso por causa da pandemia da Covid-19. É o maior número de devolvidos na natureza feito pelo Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta