Notícias

Um novo calango baiano e seus parentes paraguaios

Uma nova espécie de lagarto foi revelada na caatinga, ao mesmo tempo que outras três, do mesmo gênero, encontradas no Paraguai eram descritas.

Vandré Fonseca ·
25 de fevereiro de 2016 · 5 anos atrás
Exemplar de Tropidurus sertanejo coletado durante uma expedição realizada em 2013 pelo grupo de cientistas à Serra do Arame, em Ibotirama, Bahia. Foto: Pedro Peloso
Exemplar de Tropidurus sertanejo coletado durante uma expedição realizada em 2013 pelo grupo de cientistas à Serra do Arame, em Ibotirama, Bahia. Foto: Pedro Peloso

Manaus, AM — Uma nova espécie de lagarto foi descoberta no sertão nordestino, por pesquisadores do Brasil e dos Estados Unidos. O Tropidurus sertanejo foi coletado em duas localidades dos municípios da Caatinga baiana de Caetité e Ibotirama. A descrição foi publicada no jornal científico Novitates, do Museu Americano de História Natural.

O T. sertanejo pode chegar a oito centímetros de comprimento. Ele tem a cabeça bronzeada e o corpo marrom com pequenos pontos salmão. De acordo com a descrição, possui ainda uma combinação de dobras na pele em algumas regiões do corpo, conhecidas como “bolsas de ácaros”, onde se concentram larvas do parasita. O nome da espécie é uma homenagem aos habitantes do sertão nordestino.

Na mesma data, o líder do estudo, o biólogo André Luiz de Carvalho, do Museu Americano de História Natural, publicou a descrição de outras três espécies do mesmo gênero, encontradas no Paraguai. As espécies foram batizadas de T. lagunablanca, T. tarara (encontrada em uma região perto da fronteira com o Brasil) e T. teyumirim. “Até o início da década de 80 eram conhecidas apenas sete espécies de Tropidurus. Com a descrição de Tropidurus sertanejo, o número total de espécies chega a 26”, explica o pesquisador.

Tropidurus sertanejo se diferencia das outras espécies do gênero por uma combinação única de dobras de pele conhecidas como “bolsas de ácaros”, que concentram larvas de ácaros parasitas em regiões específicas do corpo. Foto: Pedro Peloso
Tropidurus sertanejo se diferencia das outras espécies do gênero por uma combinação única de dobras de pele conhecidas como “bolsas de ácaros”, que concentram larvas de ácaros parasitas em regiões específicas do corpo. Foto: Pedro Peloso

As descobertas são resultado de um esforço de pesquisa, que envolve viagens para coletas na América do Sul e visitas a coleções de museus, em diversos países. O estudo pretende estimar o número de espécies existentes no grupo e a distribuição de todas as espécies do grupo no continente sulamericano, além da diversidade e complexidade morfológica.

“Durante o meu doutorado analisamos dados genéticos e morfológicos de diversas populações desses lagartos ao longo de toda a América do Sul. Os resultados do projeto sugerem que ainda existem diversas espécies não descritas no grupo”, comenta André Luiz de Carvalho.

Mas ainda se sabe muito pouco sobre a distribuição geográfica, hábitos e interação com outras espécies do lagarto baiano. E os pesquisadores alertam também para a necessidade de tratar com atenção especial a preservação do T. sertanejo. Apenas uma das localidades em que foi registrados é protegida por lei, a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Fazenda Pé da Serra, com pouco menos de 13 km quadrados.

O calango Tropidurus sertanejo é caracterizado pela sua cabeça de coloração bronze e pelo corpo marrom repleto de pontos na cor salmão. O animal da fotografia foi coletado durante uma expedição realizada em 2013 pelo grupo de cientistas à Serra do Arame, em Ibotirama, Bahia. Foto: Pedro Peloso
O calango Tropidurus sertanejo é caracterizado pela sua cabeça de coloração bronze e pelo corpo marrom repleto de pontos na cor salmão. O animal da fotografia foi coletado durante uma expedição realizada em 2013 pelo grupo de cientistas à Serra do Arame, em Ibotirama, Bahia. Foto: Pedro Peloso

 

André Carvalho examina um exemplar recém capturado de Tropidurus na Serra do Arame, Ibotirama, Bahia. Durante a busca por exemplares da nova espécies os pesquisadores encontraram outras duas espécies, já descritas, do mesmo gênero. Foto: Pedro Peloso
André Carvalho examina um exemplar recém capturado de Tropidurus na Serra do Arame, Ibotirama, Bahia. Durante a busca por exemplares da nova espécies os pesquisadores encontraram outras duas espécies, já descritas, do mesmo gênero. Foto: Pedro Peloso

 
Saiba Mais
Artigo: A new Tropidurus (Tropiduridae) from the semiarid Brazilian Caatinga: evidence for conflicting signal between mitochondrial and nuclear loci affecting the phylogenetic reconstruction of South American collared lizards

 

Leia Também

O desafio de preservar e recuperar a Caatinga

Nova espécie descoberta na Caatinga

Louca por cobras e lagartos


 

 

Leia também

Reportagens
14 de outubro de 2005

Louca por cobras e lagartos

No Ceará, uma pesquisadora procura sapos, cobras e lagartos que correm o risco de desaparecer de brejos com características da Amazônia e da Mata Atlântica.

Salada Verde
21 de janeiro de 2011

Nova espécie descoberta na Caatinga

Espécie descrita por grupo de pesquisadores de Pernambuco é da família Euphorbiaceae, a mesma de urtigas e mameleiros, comuns no bioma.

Reportagens
3 de junho de 2011

O desafio de preservar e recuperar a Caatinga

Centro de Referência para Recuperação de Áreas Degradadas reúne conhecimento para melhorar o manejo do bioma unicamente brasileiro.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 5

  1. Andressa diz:

    Encontrei um na minha casa totalmente igual , moro em Altamira no Pará , e nunca tinha visto essa espécie de calango por aqui, e decidi pesquisar sobre ele.


  2. Ivo diz:

    Tem um desses aqui em casa, Guarulhos-SP apareceu e vive cacando moscas e bichinhos pelo quintal…
    Muitíssimo parecido mesmo, já tentei fotografa-lo mas é difícil.
    PS: sou Biólogo.


    1. Graci diz:

      Também tem aqui em casa, Manaus-Am, vive na área de lavar ..tento fotografar, mas é muito ágil. Que


  3. Elionardo diz:

    olá, aqui na Bahia e conhecido como lagartixa ,e um lagarto muito comum


    1. Elionardo, na verdade existem outras espécies parecidas com essa e que realmente são muito comuns. A espécie a qual se refere é, provavelmente, Tropidurus torquatus. O T. sertanejo, ao qual a matéria se refere é bem mais raro e vive em ambientes com muitas pedras e solo arenoso no interior da Bahia.