Notícias

Temer usa dados não oficiais sobre desmatamento na ONU

Presidente usou números do Imazon, que servem para orientar ações contra desmatamento e não para medir taxas anuais

Vandré Fonseca ·
20 de setembro de 2017 · 4 anos atrás
Como tradição, presidente brasileiro discursa na Abertura do Debate Geral da 72ª Sessão da Assembleia Geral da ONU. Foto: Beto Barata/PR.
Como tradição, presidente brasileiro discursa na Abertura do Debate Geral da 72ª Sessão da Assembleia Geral da ONU. Foto: Beto Barata/PR.

O presidente Michel Temer se aproveitou de uma informação inadequada para anunciar um desmatamento de 20% na Amazônia este ano. O dado existe, é resultado do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), mas não é oficial e nem se apresenta como método para medir a taxa anual de desmatamento na região.

“Ele é alerta, utilizado para contribuir para os órgãos de fiscalização realizar operações para combater o desmatamento de forma imediata”, afirma o engenheiro ambiental Antônio Victor Fonseca, pesquisador do Imazon.

É verdade que o SAD apresenta a redução de 21% no desmatamento entre agosto de 2016 e julho deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Mas ele usa metodologia e imagens de satélites diferentes dos usados pelo Prodes, sistema do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) para fazer o cálculo oficial do desmatamento.

O Prodes usa imagens da classe Landsat, com resolução espacial de 20 e 30 metros (ou seja, a área equivalente a cada ponto do mapa) e intervalos de pelo menos 16 dias. A vantagem é que conseguem mapear áreas menores do que os sistemas de alerta, com 6,25 hectares.

O SAD é um sistema as mesmas imagens do sensor MODIS, no satélite Terra, Agência Espacial Americana, a Nasa. É o mesmo usado por outro sistema de monitoramento do Inpe, o Deter, que também serve para alertas. Mas o SAD é um sistema semiautomático.

Com resolução espacial de 250 metros, detecta apenas cortes na floresta em áreas maiores do que 25 hectares. Além de ter menor resolução, sofre grande influência da cobertura de nuvens, que impedem a medição. A vantagem é a atualização diária das imagens.

Antônio Victor Fonseca aponta outra razão para críticas ao discurso do presidente Temer, as iniciativas do governo federal e do Congresso que reduzem ou reduzem o nível de proteção de Unidades de Conservação. “Tem vários poréns, como o crescente desmatamento em áreas protegidas”, afirma o engenheiro ambiental.

Ele destaca também que julho teve um nível de desmatamento bem perto do ano passado. Até outubro, quando ocorrem menos chuvas na região, o período historicamente com maior derrubada de árvores.

O Inpe ainda não divulgou os dados deste ano, mas a tendência vista até agora é de redução em relação ao ano passado. A consolidação da taxa de desmatamento de 2016, apresentada no final de agosto, trouxe um aumento de 27% em relação ao ano anterior. E em 2015, já havia sido registrado aumento na área desmatada na Amazônia.

 

 

Leia Também

20

Amazônia: em 4 anos, desmatamento em Unidades de Conservação quase dobra

Amazônia: em 4 anos, desmatamento em Unidades de Conservação quase dobra

 

 

Leia também

Reportagens
20 de março de 2017

Amazônia: em 4 anos, desmatamento em Unidades de Conservação quase dobra

Estudo da ONG Imazon aponta o aumento e lista as áreas mais críticas, que se concentram em UCs de uso sustentável. Pará e Rondônia lideram ranking

Notícias
5 de maio de 2021

Salles mente sobre orçamento e Fundo Amazônia em audiência na Câmara

Ministro espalhou desinformação sobre reserva legal e voltou a associar desmatamento à pobreza

Notícias
5 de maio de 2021

Parque no Rio é batizado em homenagem ao ambientalista Alfredo Sirkis

O ambientalista, que faleceu em julho de 2020, foi um dos responsáveis pela criação do Parque Natural do Penhasco Dois Irmãos, que agora passa a ter seu nome

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta