Políticos participaram de ataques em Humaitá

Políticos participaram de ataques em Humaitá

Vandré Fonseca
domingo, 29 outubro 2017 12:18
Barco do ICMBio pegando fogo. Foto: Divulgação.
Barco do ICMBio pegando fogo. Foto: Divulgação.

Manaus, AM – O procurador da República Aldo de Campos Costa diz já ter recebido evidências da participação de políticos nos tumultos ocorridos, em Humaitá (AM), a 675 quilômetros de Manaus. Na sexta-feira, uma multidão liderada por garimpeiros incendiou escritórios e veículos de órgãos ambientais federais.

“Já temos o nome inclusive de alguns agentes públicos envolvidos”, afirmou o procurador por telefone. “São vídeos e áudios que populares enviaram tanto para a Polícia Militar quanto para o Ministério Público. Com esses elementos, nós vamos abrir uma investigação formal e, posteriormente, processar e responsabilizar os envolvidos”.

Os ataques foram uma represália à destruição de 20 balsas e a apreensão de diversas outras, flagradas garimpando ilegalmente na Floresta Nacional de Humaitá, no sul do Amazonas. A operação, denominada Ouro Fino, começou no dia 24 de outubro, com a participação do Ibama, ICMBio, Força Nacional, Marinha e Exército.

Ninguém foi ferido durante os ataques. Mas os escritórios do Ibama e do ICMBio foram destruídos. Casas de servidores dos órgãos federais foram apedrejadas. Houve uma tentativa de ataque também ao Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), que funciona no mesmo prédio do Incra. Policiais militares e integrantes da Força Nacional tentaram conter a ação, mas foram atacados com rojões e tiveram que recuar.

Servidores em segurança

No sábado pela manhã, todos os servidores dos órgãos ambientais já haviam sido levados a um local seguro. A maioria passou a noite abrigada em unidades das Forças Armadas. Mas um grupo do ICMBio dormiu no barco do Parna Humaitá, no Rio Madeira. Pela manhã, após eles serem resgatados, garimpeiros colocaram fogo no barco.

O procurador da República criticou a reação do governo do estado ao episódio. Em entrevista na manhã de sábado, o vice-governador, que também ocupa a Secretaria de Segurança, Bosco Saraiva (PSDB), afirmou que relatórios iniciais indicavam que o tumulto foi provocado pelos órgãos federais.

“Membros do Ibama teriam ateado fogo, portanto extrapolado aquilo que era uma fiscalização, em balsas em que teriam residências sobre elas, que afetou muitas famílias “, declarou. “E a partir daí as pessoas teriam se revoltado”.

O vice-governador informou ainda que, além da Polícia Militar, uma equipe da Defesa Civil foi mandada ao município, para verificar a situação das famílias, e que vai investigar a motivação dos ataques.

Aldo Costa considerou graves as afirmações do vice-governador. “Porque acaba configurando uma inversão de valores e, de certa forma, denota uma certa conivência por parte do poder público estadual com as atividades criminosas que estão sendo desenvolvidas na região do município de Humaitá”, afirmou o procurador.

O integrante do Ministério Público destacou que os órgãos ambientais estavam exercendo o poder de polícia, previsto na legislação, para coibir uma atividade ilegal que vem ocorrendo há tempos. O próprio Ministério Público, segundo ele, já tinha tomado ações contra o garimpo ilegal no Madeira, sem efeito.

“Estava ocorrendo ali uma atividade ilegal, que é considerada crime pela legislação brasileira, tanto pela lei 8.176 (Contra Ordem Econômica) e lei 9.605 ( Crimes Ambientais), extração ilegal de recursos minerais, no caso ouro”, ressaltou.

Unidade de conservação

O superintendente do Ibama no Amazonas, José Leland Juvêncio Barroso, afirmou que as balsas foram destruídas porque estavam dentro de uma unidade de conservação. “O Ibama fez tudo rigorosamente dentro da lei”, afirma.

A cidade agora está protegida, segundo conta Leland. Além da Força Nacional, que acompanhava a operação, chegaram também reforço de Policiais Militares e Fuzileiros Navais.

A multidão havia ameaçado invadir as instalações da Marinha, onde alguns agentes estavam protegidos. Policiais Federais partiram de Porto Velho (RO) na manhã deste sábado e já estão em Humaitá, para iniciar as investigações sobre os ataques.

 

Leia Também 

Prédios do Ibama e ICMBio são atacados no Amazonas

Garimpo atrai uma multidão para reserva ambiental no Amazonas

Ameaças e impactos ambientais persistem com garimpo no Rio Madeira

 

15 comentários em “Políticos participaram de ataques em Humaitá”

  1. Procurador tá totalmente mau informado agora quer transferir culpa prós garimpeiros, agentes do IBAMA são todos arrogantes, desculpe eu não sou garimpeiro mais os agentes agiram de na fé.

  2. Crime será crime em qualquer lugar do Brasil. Não é pq uma região vive do crime que ele deixa de ser ilegal, e não é pq todo mundo faz que é certo. Saqueadores da natureza, enriquecimento ilícito, não declaração de valores, prostituição, poluição e degradação do meio ambiente, trabalho escravo…só tem coisa boa nos garimpos! Aí a bunita de SP compra joias de ouro e (publica nas redes socias #todospelamazonia) que preserva a amazônia…conta outra! O Brasil está acabando com a Amazônia.

    • a Amazônia não há serviços públicos. Não há segurança, não há educação, não há saneamento, não há asfalto, não há saúde. Mas não faltam recursos para as operações do Ibama e do ICMBio escoltados por forças paramilitares que recebem recursos da Alemanha e da Noruega. Isso pode né!
      Porque não usam os recursos na educação e na saúde desse povo??
      Esse país de merda se curvando aos interesses internacionais! Vc ai de SP, MG, RJ, etc… não conhece a realidade da AM!!! Cadê a despoluição da bahia de Guanabara no RJ?? Ta no bolso dos corruptos! E vcs jogando lixo e esgoto nos rios como o Tietê!! Isso pode né!!! Fácil esconder ai embaixo do tapete!! Bando de manipulados!!!

  3. Quem ateou fogo primeiro é o responsável. toda ação gera uma reação. existem meios suficientes pra cessar o dano ambiental sem que haja vandalismo.

  4. Primeiro eles não estavam em reserva alguma, quando apreenderam as balsas levaram-nas para a reserva para incriminar os trabalhadores, sim trabalhadores pois trabalham e pagam impostos como qualquer outro na realidade trabalha ate mais por que deve um ser um trabalho muito pesado ,as pessoas gostam de comprar pulseiras ouro cordão e sabem de onde vem isso tudo desses trabalhadores que hoje uns tem a cara de pau de chamarem de bandidos ate vagabundos esta cidade e movida ao garimpo milhares de famílias vivem disso, pra quem não mora aqui não venha querer ensinar a nos a cuidar da Amazônia e já que querem tanto que acabe com o garimpo arrumem outra atividade pra essas pessoas fazerem mas antes disso lá vem o prejuízo que elas tiveram por que não haveria nada se ninguém tivesse ateado fogo nas coisas alheias ou se tivessem cumprido com o que mandava a operação já que essa operação era pra ter sido feita apenas em terra e para mostrar o poder que a farda da a essas pessoas decidiram "encerrar com chave de ouro " como eles mesmos disseram.

  5. Torcida organizada eco-chata…seu time tá perdendo de goleada, e vcs reclamando do adversário? Ele tá lá pra isso!! Tem é que cobrar do seu próprio time, trocar técnico, centroavante, cartola, até o roupeiro e massagista!

  6. Todo apoio ao Procurador!
    Repúdio ao Tucanalha, vice e Sec de Segurança incompetente!
    Investigação severa em cima desses criminosos, que paguem todos os prejuízos e que mofam na cadeia!

  7. Esses garimpeiros possam de coitadinhos, para serem julgados como inocentes por esse crime ambiental! O Brasil é um país com leis, inclusive sobre crimes ambientais. Se querem extrair ouro, que façam uma cooperativa, legalizem suas atividades, paguem impostos como todo mundo e produzam de acordo com os preceitos ambientais. Se não estão contentes, que mudem para Cuba ou para a Coréia do Norte!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.