Notícias

Pesquisadores medem impactos do aquecimento global sobre Abrolhos

Estudo do Rede Abrolhos indica que recifes ainda estão em crescimento, mas tufos de algas que ameaçam corais crescem devido a ondas de calor

Vandré Fonseca ·
28 de abril de 2016 · 5 anos atrás
Imagens das placas de colonização instaladas nos recifesrasos de Abrolhos. Foto: Fernando Moraes/JBRJ
Imagens das placas de colonização instaladas nos recifes rasos de Abrolhos. Foto: Fernando Moraes/JBRJ.

Manaus, AM — Apesar dos pesares, os maiores recifes do Atlântico Sul estão crescendo. Um estudo da Rede Abrolhos demonstra que, entre 2012 e 2014, cada metro quadrado ganhou 580 gramas de carbonato de cálcio por ano. A taxa é considerada, pelos autores do estudo, intermediária entre corais que já sofreram algum nível de degradação. E entre os pesares estão os efeitos do aquecimento global, que ameaçam a existência de corais em todo o mundo.

“Os recifes são organismos vivos, sempre em crescimento e suportando uma biodiversidade associada”, explica o biólogo Gilberto Menezes Amado-Filho, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro e coordenador do estudo. “Na medida em que anomalias (provocadas pelo aquecimento global) se tornam frequentes, eles param de crescer e morrem, diminuindo a diversidade e a biomassa na área”, completa.

É a primeira vez que pesquisadores medem o crescimento de recifes coralinos no Atlântico Sul e os dados vão servir de base para estudos sobre os efeitos das Mudanças Climáticas sobre a região. Durante os estudos, foi acompanhado o crescimento de organismos sobre placas artificiais montadas no ambiente. Os resultados foram publicados em 27 de abril, na revista científica on-line PLOS One.

“No Norte da Austrália, na Grande Barreira de Corais, 95% dos recifes estão sofrendo branqueamento”, destaca o pesquisador. “É como se virassem um monte de concreto sem capa viva, com menor diversidade e consequências para o ciclo de carbono e ciclos biogênicos.”.

Apesar dos dados obtidos pela Rede Abrolhos não serem tão alarmantes, a situação ainda sim é preocupante. Os pesquisadores verificaram um incremento de tufas de algas e micro-organismos após ondas de calor registradas no verão de 2013/2014. Esses tufos formam o segundo grupo mais abundante nas placas de colonização e passaram a ocupar de 1 a 4% da área total das placas em 2012/2013 para 25% no verão seguinte.

“Na medida em que a temperatura aumenta, organismos que vamos chamar de oportunistas crescem sobre os formadores e os matam, sufocam os organismos construtores”, explica Gilberto Amado-Filho. Os estudos demonstram também que algas calcárias, e não corais, são os principais formadores dos recifes.

Os pesquisadores continuam a monitorar a região de Abrolhos, com instalação de novas placas de colonização e sensores de temperatura e qualidade da água. Apesar de parte dos recifes serem protegidas pelo Parque Nacional e outras unidades de conservação, a ampliação das áreas de proteção em Abrolhos, prometida pelo Ministério do Meio Ambiente há quase uma década, ainda está parada.

Saiba Mais

Artigo: Carbonate Production by Benthic Communities on Shallow Coralgal Reefs of Abrolhos Bank, Brazil.

Leia Também

Cientistas revelam recife submerso na costa amazônica

Abrolhos sofre com sobrepesca e queda no número de visitantes

Lama da Samarco chega em Abrolhos, diz Ibama

Abrolhos sofre com sobrepesca e queda no número de visitantes

 

 

 

 

 

Leia também

Reportagens
4 de junho de 2015

Abrolhos sofre com sobrepesca e queda no número de visitantes

Primeira unidade de conservação marinha do país ainda sofre com falta de pessoal e ausência de estrutura adequada para cumprir ser papel.

Notícias
8 de janeiro de 2016

Lama da Samarco chega em Abrolhos, diz Ibama

Lama atinge Parque Nacional Marinho de Abrolhos. Mancha foi detectada durante sobrevoo. Mineradora já foi notificada

Reportagens
22 de setembro de 2021

Mudança climática deve alterar o funcionamento de comunidades de microrganismos marinhos, aponta estudo

Grupo de pesquisadores de várias partes do mundo concluiu que o plâncton do planeta se organiza em consórcios microbianos, em que uma espécie depende da outra para viver

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta