Notícias

Parque que pode ser extinto abriga fazendas de Padilha

Assembleia do Mato Grosso aprova em primeiro turno extinção de Parque Estadual Serra Ricardo Franco, onde o ministro tem 4 propriedades sob suspeita de grilagem

Daniele Bragança ·
20 de abril de 2017 · 4 anos atrás
A exuberância da paisagem do Parque Estadual Serra de Ricardo Franco, que poderá deixar de ser área protegida. Foto: Renato Moreira/Wikiparques.
A exuberância da paisagem do Parque Estadual Serra de Ricardo Franco, que poderá deixar de ser área protegida. Foto: Renato Moreira/Wikiparques.

Na noite de ontem (19), a Assembleia Legislativa de Mato Grosso aprovou, em primeira votação, a extinção do Parque Estadual Serra Ricardo Franco, criado há 20 anos. Parte da área protegida de 158,6 mil hectares é ocupado por grileiros e por donos legítimos da terra. O governo iniciou um levantamento para separar quem era dono antes de criação da unidade e quem era invasor. O objetivo era regularizar a situação fundiária do parque, mas os deputados estaduais resolveram acabar com a unidade e deixar todos por lá mesmo, donos legítimos e grileiros.

Um dos donos de fazendas dentro do parque é o atual ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), que possui quatro propriedades no local, como mostra uma reportagem do Cauê Ameni, no “De Olho nos Ruralistas”. Segundo a reportagem do “De olho nos Ruralistas”, elas foram adquiridas depois da criação do parque, entre 2006 e 2013. Existem outras fazendas no parque além dessas. Em 2015, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) começou a organizar as informações para saber quais propriedades existiam antes da criação do parque, e, portanto, eram de donos legítimos, e quais apareceram depois. A ideia era expulsar os grileiros e regularizar os donos, ora indenizando, ora vendendo a propriedade para outros proprietários rurais que precisassem compensar a reserva legal que haviam desmatados. A regularização fundiária, que preservaria um dos parques mais importantes do estado, que abriga espécies endêmicas, cachoeiras e uma fauna riquíssima nem chegou a ser concluída: o legislativo estadual preferiu fabricar um decreto legislativo que simplesmente acaba com a área protegida.

Um decreto legislativo não necessita da assinatura do governador Pedro Taques (PSDB) para ser sancionado e nem pode ser vetado pelo Executivo.

Apresentado pelas “lideranças partidárias”, o decreto que susta a criação do Parque usa como justificativa já que a Unidade de Conservação é uma das mais desmatadas do estado, “não cumpriu os requisitos necessários para sua efetiva implantação” e, portanto, deve deixar de existir.

O decreto segue agora para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). De lá volta para o plenário onde haverá a votação em segundo turno. Caso aprovado pela segunda vez, o Parque Estadual Serra Ricardo Franco estará extinto.

 

Leia Também

A lei do mais forte

Comissão aprova relatório que recorta ainda mais Jamanxim

Redução de Jamanxim beneficia grileiros recentes, diz estudo

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
20 de fevereiro de 2017

Redução de Jamanxim beneficia grileiros recentes, diz estudo

Nova análise feita pela ONG Imazon reforça acusações de que a redução da Floresta Nacional do Jamanxim premia e incentiva seus invasores

Reportagens
11 de abril de 2017

Comissão aprova relatório que recorta ainda mais Jamanxim

Relator acatou 12 das 15 emendas feitas à MP; Parlamentares sustaram o aumento do Parque Nacional do Rio Novo e acrescentaram duas UCs que não estavam no texto original

Reportagens
19 de novembro de 2004

A lei do mais forte

Parque Estadual Serra de Ricardo Franco, corredor ecológico de grande biodiversidade em Mato Grosso, pode perder 100 mil hectares para a expansão da soja.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 10

  1. Fernando diz:

    Só tenho uma coisa a falar nesse caso, bando de político fdp!!


  2. Andreia diz:

    Não tem um tal de "Princípio da Proibição do Retrocesso Ambiental" ? Não se aplicaria nestes casos?


    1. Chato de Galocha diz:

      Não. Se existe uma previsão constitucional para a desafetação de UC, então pode ser feita.


  3. Grilo diz:

    Eco, façam uma reportagem ESCLARECENDO sobre a fazenda do filho do LULAH no Pará também


  4. Ana Kanin diz:

    mais uma do 'almost meliante' Padilha, atuando no submundo cinza dos políticos


  5. Grilo diz:

    Tá, mas e a fazendona do Lulinha no Pará???


  6. Maria Carmen diz:

    Unidades de Conservação somente podem ser extintas por lei.


  7. Sousa santos diz:

  8. Keila Nunes diz:

    Sem palavras para descrever tamanho descaso com a nossa biodiversidade.


  9. Tietta Pivatto diz:

    Imoral e inadmissível essa atitude desses políticos, que votaram a favor de poucos beneficiados (e com certeza sendo recompensados por isso) e prejudicando não apenas os ecossistemas locais como também a população, que perde um importante patrimônio. Infelizmente essa é a regra no Brasil, optar por interesses de uma minoria e passando por cima de todos, sem o menor interesse em explorações econômicas sustentáveis. Esse descaso e abandono proposital fabricado por políticos, que cortam verbas dos órgãos ambientais e fiscalização, o empurrar com a barriga de ações de regularização fundiária e a falta de conhecimento da população sobre a importância das Unidades de Conservação e suas oportunidades de desenvolvimento local, estão deixando um país, que já foi mais rico em biodiversidade, cada vez mais pobre, cada vez mais assoreado, desmatado, envenenado e vazio. Espero que o MP e todos os cidadãos conscientes do MT, eterno campeão de desmatamento, consigam reverter essa ação, que além de ser um crime ambiental por deixar desprotegidas tantas espécies endêmicas e ameaçadas da região, não deve ter base legal para ser concretizada.
    A redução das UCs amazônicas e agora essa extinção de um importante PE fragilizam a proteção de todas as UCs brasileiras, uma vez que abre um precedente perigoso. Triste ver o caminho que políticos descomprometidos com a sustentabilidade escolhem para o Brasil.