Detonaram a maior gruta de Rondônia

Salada Verde
quarta-feira, 13 maio 2009 15:55

Caso emblemático da necessidade urgente de maior proteção às cavidades subterrâneas brasileiras, a única mina de calcário de Rondônia, em Pimenta Bueno, está fechada desde março do ano passado, pelo Ibama. Isso ocorreu porque a mineradora Emal degradou a área, onde está a maior caverna daquele estado. Com novo período de plantio, a procura pelo insumo agrícola é grande, bem como para reabertura da lavra. Ainda sem novos critérios legais para proteção e uso dessas formações, o local pode ser liberado em breve para mais mineração. A empresa atesta ser possível seguir com a atividade, em local um pouco afastado da boca da gruta. A destruição daquela caverna é denunciada ao governo por espeleólogos pelo menos desde 2004. Mas as prioridades ambientais do país, como sempre, são empurradas com a barriga.

Obra de Jirau ainda vai mal

Salada Verde
quarta-feira, 13 maio 2009 15:52

Até o governo de Rondônia questiona procedimentos para a obra da usina de Jirau, no Rio Madeira. Mais um capítulo de atropelo à legislação em nome do progresso à moda brasileira.

Aves em livros

Salada Verde
terça-feira, 12 maio 2009 20:00

A Editora Avis Brasilis lança este mês três livros que prometem aguçar o ânimos dos admiradores de pássaros. Guia de Campo – Avifauna Brasileira Volumes 1 e 2, é a compilação de três obras de referência: Aves do Brasil, Uma visão artística, Guia de Campo – Aves do Brasil Oriental e Guia de Campo – Aves da Amazônia Brasileira. Os dois volumes trazem pranchas, mapas e descrição de 1822 espécies. O lançamento será realizado no dia 22 de maio, durante o Avistar Brasil. Também para este mês está prevista publicação do livro Cubatão – As cores da vida, da bióloga Maria Cecília Furegato. A obra mostra a história da região e traz a descrição da vida e hábitos de 168 espécies de aves, entre elas 24 endêmicas e 19 que figuram na lista de ameaçadas de extinção. Para acessar o site da Avis Brasilis, clique aqui.
 

Raio-x socioambiental de Belém

Salada Verde
terça-feira, 12 maio 2009 19:33

Nesta quarta-feira, às 19 horas, o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lança a Exposição Itinerante e o site Belém Sustentável, que visa divulgar informações socioambientais sobre a capital paraense. Até o dia 17 de maio as tabelas, mapas, gráficos, fotografias e pinturas que analisam temas como floresta urbana, lixo, esgoto, água, transporte e poluição sonora ficam no prédio ICA, da Universidade Federal do Pará. Depois a mostra viaja para cinco municípios da Região Metropolitana de Belém. Para conhecer um pouco mais do projeto, clique aqui.

Caledônia, local mais rico da Terra

Salada Verde
terça-feira, 12 maio 2009 19:17

Estudo divulgado na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences USA indica a Caledônia, arquipélago formado por várias ilhas sob domínio da França no Pacífico Sul, como o local com maior biodiversidade do mundo. Lá, o número de endemismo vegetal, isto é, espécies de plantas que só podem ser encontradas por ali, é 9,5 vezes maior do que nos continentes. Para se ter uma idéia da riqueza, estas porções de terra, que cobrem apenas 3,5 % da superfície do planeta, abrigam cerca de 70 mil espécies únicas de plantas. Para vertebrados, o endemismo da Caledônia é 8 vezes maior que o dos continentes. Além de trazer comparações sobre a biodiversidade do local, os pesquisadores americanos lançam um alerta: as ilhas precisam de atenção urgente, já que possuem poucas áreas protegidas e a perda de habitat por atividades humanas é cada vez mais frequente. A notícia é da revista online Scientific American.

Educação ambiental catastrófica

Salada Verde
terça-feira, 12 maio 2009 19:03

Reportagem recente do Jornal Absoluto, de Jaraguá do Sul (SC), atualiza informações de uma pesquisa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento  Econômico (OCDE) sobre os conhecimentos ambientais de alunos brasileiros. O resultado não poderia ser pior, demonstração clara que o tema é alienígena nas instituições de ensino de todos os níveis, comprometendo inclusive o futuro dos bens naturais do país. Conforme o Programa para Avaliação Internacional de Estudantes, aplicado em 57 países, 37% dos estudantes brasileiros testados não obtiveram o nível mínimo de conhecimento exigido. Só 5% atingiram as notas máximas. Entre as 57 nações testadas, o país ficou na posição de número 54, à frente apenas do Azerbaijão, do Quirgistão e do Qatar. Apenas para efeito de comparação, a Finlândia, primeira no ranking, contou com 6% dos estudantes no nível mínimo e 25%, no máximo. No entanto, o estudo concluiu que a maioria dos alunos verde-amarelos se preocupa em agir na defesa do ambiente. Cerca de 97% dos brasileiros acreditam, por exemplo, que a poluição é um problema grave e de difícil solução. No entanto, destes apenas 21% se disseram otimistas em relação a melhorias nas próximas duas décadas. Talvez estejam ouvindo muito aquele presidente que joga nas pererecas e bagres a conta do atraso nacional.

Saiba mais:
A estréia do Enem na luta pela Amazônia
As pererecas e os bagres de Lula

Tudo pelo meio ambiente

salada verde
terça-feira, 12 maio 2009 18:22

A não-governamental SOS Mata Atlântica lançou na última semana uma campanha divertida contra o desperdício de água. O nome já diz tudo Xixi no Banho. Com ela, a ONG pretende incentivar a prática de fazer xixi durante o banho, mostrando que não é anti-higiênica e que, uma descarga evitada por dia, pode economizar até 4.380 litros de água por ano. Se todos os paulistanos aderissem à campanha, por exemplo, seriam economizados 1.500 litros de água por segundo na cidade de São Paulo. A campanha faz parte do Viva a Mata – mostra de iniciativas e projetos em prol da Mata Atlântica, evento que ocorre entre os dias 22 e 24 de maio, das 9h às 18h, no Parque do Ibirapuera, capital paulista.
 

Nas montanhas mais geladas

Salada Verde
terça-feira, 12 maio 2009 10:30

Com dinheiro, disposição e infraestrutura adequada, um time alemão subiu em dezembro passado a face oeste da Holtanna, considerada a mais difícil da Antártica, com 750 metros. As imagens do vídeo acima revelam a profundo isolamento e liberdade obtidos com esse tipo de esporte. Também impressionam pela dimensão das paisagens do continente gelado e mostram bem de perto o uso de friends, mosquetões e outros equipamentos móveis que dão segurança às escaladas. Um pequeno vídeo sobre os preparativos pode ser conferido aqui. De Munique a base antártica, foram cerca de 17 mil quilômetros dentro de aviões.