O primeiro processo

Oito estados americanos e uma cidade, Nova Iorque, planejam processar cinco empresas de geração de energia, donas 174 geradoras de energia que funcionam à base de combustível fóssil. Segundo o The New York Times (gratuito, pede cadastro), serão acusadas de serem as maiores emissoras de dióxido de carbono, gás que acelera o processo de aquecimento do planeta. Juntas, elas produzem 646 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, cerca de 10% do total de toneladas emitidas anualmente na atmosfera pelos Estados Unidos. Nenhum dos proponentes da ação contra as geradoras busca dinheiro. O que querem são cortes substanciais nas emissões e a implementação de controles anti-poluição mais rigorosos. É a 1ª vez que governos, nos Estados Unidos, processam empresas privadas para reduzir a poluição.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004

Bichos no pé

As Havaianas, fabricantes dos chinelos que viraram moda em todo o mundo, está lançando uma linha nova de sandálias. Virão com estampa de bichos brasileiros ameaçados de extinção. A renda obtida com a sua venda, segundo notícia da America On Line, será revertida para o Instituto de Pesquisas Ecológicas, uma Ong ambientalista.

Por Manoel Francisco Brito
22 de julho de 2004

O primeiro processo

Oito estados americanos e uma cidade, Nova Iorque, planejam processar 5 empresas de geração de energia, donas 174 geradoras de energia que funcionam à base de combustível fóssil. Segundo o The New York Times (gratuito, pede cadastro), serão acusadas de serem as maiores emissoras de dióxido de carbono, gás que acelera o processo de aquecimento do planeta. Juntas, elas produzem 646 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, cerca de 10% do total de toneladas emitidas anualmente na atmosfera pelos Estados Unidos. Nenhum dos proponentes da ação contra as geradoras busca dinheiro. O que querem são cortes substanciais nas emissões e a implementação de controles anti-poluição mais rigorosos. É a primeira vez que governos, nos Estados Unidos, processam empresas privadas para reduzir a poluição.

Por Manoel Francisco Brito
22 de julho de 2004

Punição de doido

Nova versão do samba do crioulo doido nacional. Seis usinas térmicas no Nordeste, conta o Valor (só para assinantes), estão sendo punidas pela Aneel, agência reguladora do governo, por estarem gerando energia abaixo de sua capacidade. Não fazem isto porque querem ser multadas ou porque não tem intenção de vender mais, mas porque a Petrobrás não consegue suprir gás para a região em volume suficiente para fazer as termos operarem a plena capacidade.

Por Manoel Francisco Brito
22 de julho de 2004

Anti-mato

Novamente em O Globo (gratuito, pede cadastro), informação de que a introdução de um artigo de 3 linhas em projeto de lei aprovado pelo Congresso derrubou o Código Florestal Brasileiro para áreas urbanas. O artigo, inserido em lei para regular incorporações imobiliárias, libera construção em áreas que o Código Florestal proíbe, como margens de rios, próximas a mangues ou em encostas.

Por Manoel Francisco Brito
22 de julho de 2004

França não taxa poluição

O governo francês, noticia o Le Monde (gratuito, pede cadastro), derrubou o projeto de lei que previa a taxação dos carros que produzissem maior emissão de poluentes em suas descargas. Não agüentou o lobby de montadoras, sindicatos e dos ministros que cuidam da economia do país.

Por Manoel Francisco Brito
22 de julho de 2004

O anti-Darwin

A biologia se prepara para celebrar o bicentenário de nascimento de Richard Owen, cientista importante, extremamente religioso, que se notabilizou pela ferrenha oposição às teses evolucionistas de Charles Darwin. É uma memória injusta, diz o Guardian (gratuito). Owen foi um sábio de mão cheia. Descreveu a extinção dos pássaros dodôs e cunhou a palavra dinossauro. Foi o maior anatomista de sua época e fundou o Museu Britânico de História Natural. Opunha-se a Darwin por causa da religião. Achava que a evolução não se dava por processos naturais, de longa duração, mas sim rápidos, provocados pela intervenção divina. Lê-se em pouco mais de 5 minutos.

Por Manoel Francisco Brito
21 de julho de 2004

Sumindo

Estudo feito pela ong Conservação Internacional mostra que 57% do mato original do cerrado brasileiro já foi destruído. Se o ritmo de devastação não for reduzido, o que sobrou do cerrado terá desaparecido em 2030, avisa a CI em reportagem de O Estado de S. Paulo (gratuito). A leitura é rápida.

Por Manoel Francisco Brito
21 de julho de 2004

Encanto das latinhas

Mudança no ranking nacional dos catadores de latinhas de alumínio usadas que são remetidas à reciclagem, segundo a Folha de S. Paulo (só para assinantes). Em 1° lugar continuam os catadores de lixo profissionais, gente que mora nas ruas e fez das latinhas seu principal meio de sustento. Mas o 2° lugar tem novo ocupante. Saem os ferro-velhos e depósitos de sucata e entram em seu lugar os condomínios de classe média. Quem conta sobre esta mudança histórica é a Latasa, empresa que recicla 36% do alumínio consumido no país. Tem base em pesquisa feita com seu cadastro de clientes. Mostra que por trás do interesse da classe média por reciclagem, mais do que a possibilidade de ganhar algum dinheiro, está a conscientização sobre o meio ambiente. Leva 4 minutos.

Por Manoel Francisco Brito
21 de julho de 2004

Libertação animal

Cientistas ingleses convivem com uma ameaça de terror toda peculiar. São os grupos radicais contra o uso de animais em laboratórios. Nos últimos anos, eles adotaram táticas que orgulhariam Osama Bin Laden. Seu atual campo de batalha, conta o Guardian (gratuito), é o novo laboratório de pesquisas médicas da Universidade de Oxford. Quem trabalha ali recebe ameaças de morte. Os escritórios de empresas envolvidas na sua construção têm sido atacados. A bombas. Em conjunto, depois dos ataques, os empreiteiros decidiram desistir do projeto. A autoria dos atentados foi assumida pela Frente de Libertação Animal. Pode ser lida em 5 minutos.

Por Manoel Francisco Brito
21 de julho de 2004