Notícias

Os homens que queriam “esconder” o Sol

Duda Menegassi ·
31 de março de 2016 · 5 anos atrás
Placas solares. Foto: wikipédia.
Placas solares. Foto: wikipédia.

O Greenpeace lançou na semana passada um vídeo de animação para atrair atenção a uma causa quente: energia solar. A ONG organiza uma petição por um Brasil mais solar e quer que as placas fotovoltaicas recebam incentivos do governo que facilitem o seu alto custo de aquisição e as tornem uma solução mais acessível aos consumidores interessados em iniciar uma geração de energia independente.

O vídeo satiriza um Brasil nem tão ficcional assim, onde a produção de energia é altamente dependente das hidrelétricas e termelétricas e, quando essas fontes se esgotam, a população resolve adotar a solução que brilha sobre suas cabeças: o Sol. Na animação de três minutos, as pessoas travam um combate contra os “homens de preto” que personificam os burocratas e os interesses das grandes distribuidoras de energia. Esses homens criam obstáculos para dificultar a popularização das placas fotovoltaicas.

Animações à parte, é fato que o Brasil é um país com alta incidência solar, mas que ainda pouco aproveita esse potencial para gerar energia limpa e renovável através da força do astro rei. Atualmente, de acordo com o Greenpeace, apenas 0,02% de toda matriz energética do país é solar, e a maioria das placas solares fotovoltaicas estão em comunidades ainda não integradas no sistema elétrico nacional e que foram estimuladas a improvisar uma fonte energética independente.

Na petição, promovida pela ONG, a chamada é bem clara: “Dilma, facilita aí”. No texto é feito um apelo pela liberação do Fundo de Garantia (FGTS) para a compra de sistemas de geração de energia solar, além da criação de linhas de crédito com menos juros e mais prazos também como forma de driblar o alto custo de aquisição das placas fotovoltaicas. Depois de instalado, a manutenção é barata e a vida útil longa, um custo-benefício que não demora para compensar o consumidor.

Diante dos últimos aumentos na tarifa do consumo de energia, a procura pelas placas solares cresceu consideravelmente. De acordo com o Portal Solar, empresa intermediadora na compra das fotovoltaicas, a expectativa é de que o mercado solar cresça 300% somente neste ano. Colabora com este otimismo a Resolução Normativa 687, aprovada em novembro de 2015 pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), que prevê compensação financeiras para micro e minigeração solar com descontos na conta de luz, mas no texto da nova determinação ainda há barreiras para geração compartilhada, uma solução óbvia para prédios e condomínios.

Leia Também

País possui um pré-sal de energia solar

Energia solar é mais barata do que se pensa

A luz que o Sol traz depois de se pôr (parte 1)

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Reportagens
12 de agosto de 2013

A luz que o Sol traz depois de se pôr (parte 1)

Comunidades ribeirinhas da Amazônia sem fornecimento regular de energia se beneficiam com experimento de energia solar em pequena escala.

Notícias
14 de dezembro de 2011

Energia solar é mais barata do que se pensa

Pesquisadores da Queens’s University, no Canadá, acreditam que o custo da energia fotovoltaica está próximo do limiar competitivo.

Reportagens
23 de janeiro de 2013

País possui um pré-sal de energia solar

Grande área territorial e posição do país no planeta são fatores que contribuem para um alto nível de insolação no sertão brasileiro.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Antônio diz:

    Ótima matéria…O Brasil é um país extremamente ensolarado de norte a sul,de leste a oeste praticamente o ano inteiro.
    É uma pena que ainda a exploração dessa fonte de energia limpa e barata ainda é pouco valorizada por aqui.
    Ma aos pouco a população vai tomando conhecimento.


  2. Reanto E. Santo diz:

    Vamos aos fatos: O FGTS evaporou com os financiamentos desviados do BNDES, mesmo que quisesse o governo não conseguiria mais liberar este recurso. O governo também está quebrado e vai taxar tudo o que pode, se avisar que tem mercado para as placas o governo vai é aumentar impostos sobre o produto. E tem interesse das grandes distribuidoras de energia elétrica, não passará nunca no Congresso. A iniciativa é válida e o Greenpeace está de parabéns, só esqueceu do custo Brasil…