Notícias

Observadores de aves contam quais espécies renderam encontros inesquecíveis

Especialistas e amadores relembram situações de avistamento que ficaram na memória e celebram diversidade da avifauna do país e América do Sul

Daniele Bragança ·
21 de novembro de 2017 · 4 anos atrás
Birding em Festival aves. Paraty, RJ. Foto: Tietta Pivatto
Birding em Festival aves. Paraty, RJ. Foto: Tietta Pivatto

O Brasil possui registro de mais de 1900 espécies de aves, o que nos coloca em segundo lugar no ranking de país com a maior diversidade de avifauna do mundo, atrás apenas da vizinha latina, a Colômbia. A riqueza de cores, tamanhos e sons, aliadas à facilidade de observá-las transformou os observadores de aves (birdwatchers, em inglês) em parceiros na conservação desses animais, os mais monitorados do mundo. Nenhuma outra classe de vertebrados conta com cientistas e amadores tão atentos sobre a última aparição de determinada espécie do grupo.

Tal esforço rende boas histórias. Há algumas semanas, pedimos para um grupo de observadores de aves nos enviarem um relato sobre a avistagem que mais os emocionou. Compartilhamos essas histórias com vocês nas linhas a seguir. Clique nas fotos para visualizar os depoimentos.

Fabio Olmos ornitologos-thumb-gussoni ornitologos-thumb-brito ornitologos-thumb-carvalho ornitologos-thumb-quental ornitologos-thumb-barbosa ornitologos-thumb-pivatto ornitologos-thumb-rego

 

Leia Também

Tietta Pivatto: a arte de passarinhar em contos

O País onde alimentar passarinhos é crime

Manaus: horizonte perfeito para a observação de aves

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
26 de março de 2014

Manaus: horizonte perfeito para a observação de aves

Município concentra mais da metade de espécies de aves encontradas na Amazônia brasileira, mas números de observadores ainda é pequeno.

Análises
27 de março de 2017

O País onde alimentar passarinhos é crime

Oferecer alimentos a animais silvestres é educação para muitos, negócio para outros e um absurdo para alguns

Reportagens
21 de junho de 2016

Tietta Pivatto: a arte de passarinhar em contos

Observadora de aves há mais de quinze anos, bióloga lança seu primeiro livro de contos que une essa paixão com outra, a literatura

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 6

  1. Luiz Lacerda Júnior diz:

    Olá, meu nome e Luiz ,natural de Porto Velho Rondônia.
    Passei por duas experiências noturnas ,
    Uma na floresta amazônica estrada Br 319.

    Ao parar o veículo observei o céu como de costume era lua cheia com um halo lunar ,e percebi que uma
    Ave passou muito alto com a claridade ela passou e depois foi desaparecendo .

    Já na data de hoje 26 de abril de 2020 na cidade, em Porto velho RO pouco mais a meia noite
    Ao costume de observar a noite
    Tempo escuro com formação de friagem nuves rápidas vento não tão forte.
    Vi uma ave branca tamanho não era médio
    Voando a altura não tão baixa mas nitidamente observei a cor branca e asas em movimento.

    Resumindo algum registro desse aparecimento e qual ave pode se tratar ?
    Poderá ser uma Garça branca com habito noturno?
    Agradeço dês de já uma possível resposta
    Email [email protected]


  2. gostei muito deste artigo parabens


  3. muito legal este artigo, sou admirador das aves brasileiras


  4. Pois é. Como eu disse no depoimento, observar aves é sempre emocionante. Acabei de voltar da Colômbia, onde participei de um FAMTour para operadoras de ecoturismo, e obviamente o tour que escolhi era de observação de aves. Durante a atividade tive o privilégio de observar 224 espécies, muitas delas lifers, mas duas já entraram pra lista dos "uau!!!": em uma das manhãs, o guia que nos acompanhava identificou, distante, o canto de um Chestnut-breasted Wren (Cyphorhinus thoracicus), uma ave da família do uirapuru, mas que só vive em grandes altitudes nas florestas andinas. Por via das dúvidas, ele tocou o canto da ave. E para minha surpresa, havia outra muito, mas muito perto de nós, embrenhada nos arbustos, que respondeu com um canto melodioso e tão lindo, que me emocionei na hora. Ficamos mais de 10 minutos ouvindo aquele canto sem sequer conseguir ver o passarinho, mas foi suficiente pra eu me derreter em lágrimas. Há muito tempo não era pega de surpresa por uma ave dessa forma, me desarmou completamente, rs… E para fechar esse mesmo dia, um grupo com oito galos-da-serra-andinos, uma espécie que há anos faz parte da minha "wish list", simplesmente nos presenteou com um display frenético bem na nossa frente, espontaneamente. Observar aves é assim, toda saída tem uma surpresa especial!