Notícias

MPF questiona JBS e Maggi sobre negócios com desmatador da Amazônia

Procuradores querem detalhes sobre transações comerciais entre as empresas e integrantes da família acusada de chefia esquema de desmatamento e grilagem no Pará.

Daniele Bragança ·
21 de julho de 2016 · 5 anos atrás
Coletiva da operação Rios Voadores (30/06), que desarticulou quadrilha de desmatadores. Foto: Ibama.
Coletiva da operação Rios Voadores (30/06), que desarticulou quadrilha de desmatadores. Foto: Ibama.

A investigação sobre o maior esquema de desmatamento já detectado na Amazônia ainda está em andamento. Ontem (20), o Ministério Público Federal pediu informações ao grupo JBS, à Amaggi e ao grupo Bom Futuro sobre transações comerciais realizadas com integrantes da família Junqueira Vilela. A família é acusada de liderar o grupo que pratica desmatamento e grilagem de terras públicas no sudoeste do Pará.

Os procuradores investigam a movimentação de R$ 1,9 bilhão entre 2012 e 2015 que destruiu 300 quilômetros quadrados de florestas – área equivalente ao território do município Belo Horizonte (MG). Segundo o MPF, o prejuízo ambiental foi de R$ 420 milhões.

No final de junho (30), a PF desarticulou a quadrilha que atuava com grilagem de terra e desmatamento na região de Castelo dos Sonhos e Novo Progresso, no sudoeste do Pará. Acusado de ser chefe da quadrilha, o pecuarista Antonio José Junqueira Vilela Filho se entregou 8 dias depois de deflagrada a operação da Polícia Federal, do Ibama e do Ministério Público Federal.

Segundo informações divulgadas pelo MPF, os órgão envolvidos nas investigações (MPF, Receita Federal, Ibama e Polícia Federal) identificaram que entre 2012 e 2015, a Amaggi Exportação e Importação e os empresários Elusmar Maggi Scheffer e Eraí Maggi Scheffer transferiram R$ 10 milhões para Antônio José Junqueira Vilela Filho, conhecido como AJ ou Jotinha, e para um cunhado de AJ, Ricardo Caldeira Viacava. No mesmo período, pela JBS foram transferidos R$ 7,4 milhões a AJ e a uma irmã de AJ, Ana Paula Junqueira Vilela Carneiro.

Como esses valores podem ter sido usados para compra de grãos ou animais procedentes de áreas desmatadas ilegalmente, o MPF solicitou esclarecimentos dos compradores, pois pela lei “a responsabilização civil por dano ao meio ambiente pode, em tese, atingir as empresas compradoras”.

O MPF também solicitou informações sobre a origem e o destino dos bens comercializados.

*Com informações do MPF-PA.

 

 

Leia Também

Polícia Federal desmonta quadrilha de desmatadores comandada de São Paulo

Floresta Nacional do Jamanxim: Policial é morto durante operação do Ibama

O procurador que laçou o desmatamento

 

 

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
2 de maio de 2016

O procurador que laçou o desmatamento

A persistência de Daniel Azeredo o levou a compreender a cadeia da pecuária no Pará e a fazer um acordo que transformou frigoríficos em guardiões da floresta

Notícias
20 de junho de 2016

Floresta Nacional do Jamanxim: Policial é morto durante operação do Ibama

Agente foi baleado no pescoço após equipe sofrer emboscada. Operação combatia desmatamento ilegal na área protegida. Polícia Federal investiga o caso.

Reportagens
30 de junho de 2016

Polícia Federal desmonta quadrilha de desmatadores comandada de São Paulo

Operação revela sofisticação do grupo que pratica desmatamento e grilagem para pecuária e soja no sudoeste do Pará. Principal suspeito é pecuarista de SP

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. AvatarBruno diz:

    E o loteamento dos serviços fiscalizadores como o Ibama seguem a todo vapor.


  2. Avatarpaulo diz:

    Desmatamento avança feio no norte. Enquanto o centro oeste torra.

    Duvidaram, pois então.