Notícias

MPF denuncia 25 proprietários de dragas por mineração ilegal no Amazonas

Decisão do órgão federal se baseou em fiscalização realizada em outubro do ano passado, no rio Madeira, no município de Humaitá. Dragas retiravam ilegalmente ouro da região

Sabrina Rodrigues ·
11 de janeiro de 2018 · 3 anos atrás
A denúncia do MPF se baseou numa ação de fiscalização realizada no dia 24 de outubro do ano passado. Garimpeiros foram encontrados extraindo ouro ilegalmente sem licença ambiental no rio Madeira, no município de Humaitá, no Amazonas. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil.
A denúncia do MPF se baseou numa ação de fiscalização realizada no dia 24 de outubro do ano passado. Garimpeiros foram encontrados extraindo ouro ilegalmente sem licença ambiental no rio Madeira, no município de Humaitá, no Amazonas. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil.

Vinte e cinco proprietários de dragas foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) por realizarem atividades de exploração mineral sem licença ambiental no rio Madeira, no município de Humaitá, no Amazonas.

A denúncia do MPF se baseou numa ação de fiscalização realizada no dia 24 de outubro do ano passado, por agentes do Ibama, ICMBio, Força Nacional e Exército Brasileiro. A ação visava coibir a lavra garimpeira ilegal no leito do Rio Madeira e no entorno da Floresta Nacional (Flona) de Humaitá.

Quando os agentes chegaram ao local encontraram as dragas retirando ilegalmente ouro da região. Os proprietários não apresentaram permissão de lavra garimpeira outorgada pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e nem licença de operação concedida pelo órgão ambiental.

As ações penais tramitam na Justiça Federal no Amazonas.

Operação “Ouro Fino” e os ataques aos órgãos federais

A operação Ouro Fino, realizada em 24 de outubro, desencadeou uma reação agressiva por parte dos garimpeiros e da população local, que atearam fogo nos escritórios e veículos do Ibama e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Ninguém ficou ferido, mas servidores dos órgãos ambientais precisaram buscar abrigo em unidades das Forças Armadas. Os escritórios do Ibama e do ICMBio foram destruídos. Casas de servidores dos órgãos federais foram apedrejadas. Houve uma tentativa de ataque também ao Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), que funciona no mesmo prédio do Incra.

*Com informações da Assessoria de Comunicação do Ministério Público Federal

 

Leia Também

Prédios do Ibama e ICMBio são atacados no Amazonas

Políticos participaram de ataques em Humaitá

Ameaças e impactos ambientais persistem com garimpo no Rio Madeira

 

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
26 de dezembro de 2016

Ameaças e impactos ambientais persistem com garimpo no Rio Madeira

Atividade era realizada principalmente na época de seca, mas a chegada de dragas que permitem a sucção do leito mesmo com o rio cheio abriu a possibilidade da exploração ocorrer durante o ano todo, com impactos socioambientais

Notícias
29 de outubro de 2017

Políticos participaram de ataques em Humaitá

Ministério Público recebeu vídeos e áudios que indicam a participação de agentes públicos nos tumultos de sexta-feira liderada por garimpeiros

Notícias
27 de outubro de 2017

Prédios do Ibama e ICMBio são atacados no Amazonas

Ataques foram reação a uma operação contra o garimpo ilegal no Rio Madeira, em Humaitá (AM). Prédios do Ibama e do ICMBio foram incendiados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta