MMA: Ambientalistas apoiam nomeação de Sarney Filho contra ruralista

Daniele Bragança
quinta-feira, 12 maio 2016 19:18
Dep. Sarney Filho (PV-MA) concede entrevista antes de se ausentar do cargo de deputado federal. Foto: Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados.
Dep. Sarney Filho (PV-MA) concede entrevista antes de se ausentar do cargo de deputado federal. Foto: Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados.

 

Pela segunda vez, José Sarney Filho (PV-MA) comandará o Ministério do Meio Ambiente. A confirmação do nome do líder do PV na Câmara ocorreu às 11h20 desta quinta-feira (12), logo após Michel Temer assumir a presidência do país.

Antes, o agora presidente em exercício Michel Temer recebeu em mãos uma carta de um grupo de ambientalistas apoiando a nomeação do deputado para o cargo. A ideia do grupo era demonstrar que Sarney Filho seria mais indicado  que o  deputado Evair de Mello (PV/Espírito Santo),  também cotado para assumir o Ministério e apoiado pela bancada ruralista.

“O apoio ao Sarney Filho se dá em função de seus excelentes antecedentes, tanto como ex-ministro do MMA como Deputado Federal, e seu posicionamento coerente e contundente na área ambiental. Provavelmente o grupo que coordenou a elaboração do documento, bem como seus assinantes, não o fariam em outra circunstâncias. Ter um apoio dessa natureza dado a um Ministro de Meio Ambiente é um voto de credibilidade do setor ambiental, que representa a esperança de um salto de qualidade na área, absolutamente negligenciada nos últimos anos”, explica, por e-mail, Angela Kuczach, diretora da ONG Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação.

Ao todo, 33 ambientalistas assinaram a carta. Entre eles, Angela Kuczach (Rede Pró UCs), José Truda (Divers for Sharks) e Júlio Cardoso.

Leia a carta na íntegra: Carta ao Presidente Michel Temer.

Sobre Sarney Filho:

José Sarney Filho, também conhecido como Zequinha Sarney, iniciou sua carreira política na Arena, em 1978. Eleito nove vezes consecutiva para a Câmara dos Deputados, o parlamentar já passou pelo Partido Democrático Social (PDS), quando se elegeu pela primeira vez como deputado federal, em 1982. Foi também do Partido da Frente Liberal (PFL) — hoje Democratas (DEM) —, e filiou-se ao Partido Verde em 2005. Ocupou o cargo de ministro do MMA entre 1999 a 2002 e lá conquistou o respeito dos ambientalistas. Durante seu ministério, foram criadas 40 unidades de conservação no pais, sendo 11 de proteção integral e 29 de uso sustentável.

 

Leia Também

Sarney Filho é cotado para ser ministro do Meio Ambiente de Temer

Projeto reconhece que reserva privada é de Proteção Integral

Izabella Teixeira: “As disputas no Ministério do Meio Ambiente mudaram de patamar”

 

17 comentários em “MMA: Ambientalistas apoiam nomeação de Sarney Filho contra ruralista”

  1. Radio-corredor afirmando que o novo Ministro vai trazer de volta Romulo e trupe (Soavinski, Braulio, etc)…daí de novo não teremos nada! Queremos mudanças reais!!!

    Responder
  2. A pelegagem já está coçando as mãos atrás de um cargo pra chamar de seu… será que os dinossauros serão ressucitados ? Olha que se chamar eles vêm mamar mais um pouco… enquanto isso os Órgãos ambientais estão sucateados, o ICMBio ( que o tal Romulo foi Presidente ) está falido, estão extinguindo brigadistas, uma tragicomédia tabajara… Vale lembrar que o Sarneyzinho vai encontrar um contexto completamente diferente da década passada, ingenuidade acreditar que vai resolver algo…mas a pelegagem ta aí para nos fazer acreditar que sim…acorda Brasil !

    Responder
  3. Quero saber qual é a Posição do Sarney Filho e do PV sobre a PEC¨65 que é um retrocesso na Legislação Ambiental Brasileira.
    Alvaro Dias agora no PV e único senador do PV é a Favor desse golpe ao Meio Ambiente .

    Responder
  4. A época de Rômulo e Silvana no ICMBio foi a época mais estruturante para o ICMBio e Unidades de Conservação.
    Tem trabalho pra mostrar e sim entendem do que estão fazendo. Os últimos anos foram os mais terríveis desde a criação do ICMBio.
    Sem dúvida Claudio Maretti estava caminhando bem, que também é ótimo profissional, mas com a Ministra que tínhamos e seus peões, Vincentin, Sergios e outros que só desconstruiam interna e externamente ficava dificil… Num momento de terra arrasada como estamos, melhor uma tropa que sabidamente constrói!!!

    Responder
    • Construíram muito mesmo. É só pedir uma auditoria na Diretoria da Loira "entendida" sobre o assunto e fica claro o tamanho da construção. Veja os contratos e seus valores. Nada é por acaso, o rombo vem sempre depois…

      Responder
  5. Esse Rômulo deve ser um spectro do além ou muito competente para assumir cargos em governos do PSDB, PT, e agora PMDB… assim como certos setores ambientalistas, que vão aonde a boquinha está, viraram marionetes das bolsas governos, sobrevivendo de um projetinho aqui outro acolá, um carguinho também vale, pode garantir algo maior no futuro… O problema é que, não é de hoje, nosso movimento ambientalista vive um ostracismo político e de idéias, recheado de palpiteiros, com velhas lideranças (daquelas que fazem cartinha de apoio sem nem saber qual proposta de trabalho) que hoje não confrontam nem a própria sombra, muito pouco de novo, e completamente perdido no tempo e no espaço. Salve-se quem puder !!!

    Responder
    • O ROMULO lembra muito aquele jogador ZINHO: sempre era convocado, daí quando entra em campo…só toca pro lado! Citem apenas UMA grande contribuição (legado?) à conservação que saiu da cabeça do ROMULO em qualquer uma dessas mil chances (governos FHC, Lula/Dilma) que ele teve pra fazer algo realmente significativo?

      Responder
  6. Senhor Ministro do Meio Ambiente José Sarney Filho, venho através desta correspondência manifestar que grande parte dos cidadãos brasileiros comungam com os compromissos assumidos pelo nosso país, por ocasião da realização da Convenção Quadro sobre Mudança do Clima – Conferência das Partes (COP 21), e as decisões 1/CP.19 e 1/CP.20. Apoia a elaboração e a aplicação do Plano Nacional de Adaptação, em elaboração pelo governo, desde que o documento seja fruto do consenso do conjunto da sociedade brasileira. Ressalto ainda como de grande relevância adotar, na sua administração, os princípios elencados no documento intitulado “Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”.
    Finalizando, esperamos que os princípios e compromissos acima, sejam os parâmetros balizadores da sua administração, no sentido de responder os desafios inerentes a sua pasta como: o clima; a governança ambiental; a gestão do território, o SICAR e a responsabilidade sócio ambiental; o sistema de licenciamento, alvo de ataques, e que precisa ser fortalecido; a proteção dos biomas e aos ecótonos; a conservação da biodiversidade e do patrimônio genético, que precisa ser olhado como fonte incomensurável de recursos econômicos e de pesquisa, a luz do desenvolvimento tecnológico e de seus princípios ativos; o desenvolvimento rural; a crise hídrica e o pagamento por serviços ambientais, apressando a finalização do projeto de lei 312/15 em elaboração na câmara dos deputados; o empenho por tornar as cidades sustentáveis; o empenho pela segurança no uso de princípios químicos e pela educação ambiental de qualidade na escola para o conjunto dos cidadãos. Não são poucos os desafios, mas, na linha proposta, estaremos olvidando esforços para o sucesso da sua atuação afrente do ministério.

    Responder
  7. Pelo menos de início Sarney Filho ja se posicionou contra a volta da operação da Samarco no caso do Rio Doce. Se manifestou também contra a PEC 65. Tem meu apoio, se uma coisa boa aconteceu depois do tal "Golpe", se é que foi um golpe, foi a nomeação do Sarney Filho como ministro do meio ambiente.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.