Notícias

Ibama diz sim para Belo Monte

Órgão autoriza Norte Energia a encher reservatório para operação da usina. Licença tem validade de 6 anos e vem com 41 condicionantes.

Daniele Bragança ·
24 de novembro de 2015 · 6 anos atrás
Foto: PAC/Divulgação.
Foto: PAC/Divulgação.

O Ibama concedeu a última licença ambiental para que a Usina de Belo Monte comece a operar. A licença que permite o enchimento do reservatório e posterior início da geração de energia foi assinada nesta terça-feira (23) pela presidente do Ibama, Marilene Ramos, que deu entrevista coletiva à tarde.

A licença obriga a empresa a cumprir 7 condicionantes gerais e 34 específicas. Em tese, o não cumprimento das obrigações implicará em multas e na perda da licença pelo consórcio Norte Energia.

Para a presidente do Ibama, Marilene Ramos, o funcionamento de Belo Monte permite o desligamento de usinas térmicas. Esse foi o principal argumento em favor de não atrasar mais a liberação da licença, mesmo que parte das condicionantes previstas na licença anterior não terem sido cumpridas.

“Havendo condições de gerar energia e todo esse conjunto de salvaguardas para garantir que programas ambientais, urbanos e o componente indígena serão integralmente cumpridos, entendemos que era o momento de fazer a emissão dessa licença de operação”, disse.

Condicionantes descumpridas

Ao longo da construção da usina e das respectivas emissões de licenças ambientais, o consórcio construtor de Belo Monte nunca cumpriu integralmente as exigências assumidas perante o Ibama. Alvo de 15 processos na Justiça ajuizados pelo Ministério Público Federal, a maior obra em andamento no país ainda enfrenta acusações de violação de direitos indígenas, licenciamento inadequado e ausência de dados completos no Estudo de Impacto Ambiental.

Até uma etapa anômala no processo de licenciamento o empreendimento conseguiu. Pela lei, o licenciamento tem três etapas, cada um com uma licença específica: a licença prévia, a de instalação e a de operação. Belo Monte teve uma extra. Recebeu do Ibama uma “licença parcial” — que não existe na legislação — entre a licença prévia e a instalação, permitindo que as obras continuassem mesmo sem o consórcio construtor cumprir as condicionantes ambientais do projeto.

Em 2011, apenas 4 das 23 condicionantes impostas para a obtenção da licença parcial foram cumpridas. Entre as exigências, estavam medidas compensatórias e mitigatórias como aquisição de glebas para a construção de reassentamento urbanos em Altamira, as obras de saneamento no município e os planos específicos destinados a atender os povos indígenas afetados.

O mesmo se repetiu agora, em 2015, quando o Ibama apontou que 12 exigências previstas no programa de compensações ambientais não haviam saído do papel. Entre as exigências, estão o remanejamento de populações e limpeza de resíduos de áreas a serem alagadas, obras de saneamento nas cidades de Ressaca e Garimpo do Galo, além da construção de pontes para adequar o sistema viário de Altamira.

Para tornar Belo Monte realidade, até a homologação da Terra Indígena Arara da Volta Grande do Xingu finalmente foi oficializada. Essa era uma das exigências da Funai para concordar com a licença. A homologação da Terra Indígena fazia parte do Plano Básico Ambiental (PBA) do empreendimento.

No dia 12 de novembro, o presidente da Funai, João Pedro Costa, enviou um parecer a presidente do Ibama listando todas as condicionantes do componente indígena das condicionantes socioambientais da hidrelétrica que o consórcio Norte Energia não havia cumprido. Esse parecer ao mesmo tempo é favorável ao Ibama conceder a licença de operação.

Foi o que o Ibama fez, nesta terça-feira. Passados 9 anos desde o começo do processo do licenciamento ambiental de Belo Monte, a licença de operação da usina saiu.

Leia Também
Quase concluída, Belo Monte mudará o pulso das águas do Xingu
Belo Monte queima madeira legal e aquece mercado ilegal
Enterrem minha consciência bem longe deste rio
O Ibama virou um negócio insustentável

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Colunas
28 de janeiro de 2011

O Ibama virou um negócio insustentável

Antes de gerar o primeiro quilowatt, Belo Monte eletrocutou mais um presidente do Ibama. Governo vai, governo vem, eles passam e ela fica.

Análises
3 de fevereiro de 2010

Enterrem minha consciência bem longe deste rio

Aval para usina de Belo Monte mostra que o entrave deste país não são os licenciamentos, mas a velha ideia de que natureza não vale nada

Reportagens
16 de novembro de 2015

Belo Monte queima madeira legal e aquece mercado ilegal

Enquanto desperdiça as árvores que derrubou, a usina compra madeira irregular, esquentando o mercado criminoso que invade terras indígenas.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. sousa santos diz:

    Me diz quando é que o IBAMA diz não.


  2. Jane diz:

    Não precisamos de energia que destróe, mas, sim, de energias sustentáveis.