Notícias

Humanidade estoura limite de 1,5ºC em 22 anos, diz estudo

Se as emissões de gases de efeito estufa continuarem crescendo nos níveis atuais, ultrapassaremos o limite seguro estabelecido pelo Acordo de Paris, indica estudo

Luciana Vicária ·
19 de junho de 2018 · 3 anos atrás
Atol de Ebeye nas Ilhas Marshall, uma das regiões que talvez não sobrevivam a um aquecimento maior do que 1,5° Celsius (Foto: NASA).

Se as emissões de gases de efeito estufa continuarem crescendo nos níveis atuais, restam cerca de 22 anos até que a temperatura global alcance 1,5°C e o aquecimento ultrapasse o limite seguro estabelecido pelo Acordo de Paris, indica um estudo publicado nesta segunda-feira (18) na revista científica Nature Geoscience.

Pesquisadores da Universidade de Oxford, que conduziram o estudo, liderados por Nicholas J. Leach, introduziram uma métrica alternativa chamada “escala de adaptação/mitigação”, que considera apenas os orçamentos de carbono para os cálculos de aumento da temperatura e tempo.

“A métrica é capaz de fornecer informações valiosas sobre o estado atual do sistema climático e especificar emissões futuras de CO2, além de indicar o tempo restante para que se atinja determinada temperatura e o momento da estabilização da temperatura do planeta”, disse Leach. De acordo com ele, se a liberação de gases poluentes se mantiver, atingiremos o 1,5° C de aquecimento entre 2030 e 2049.

A escala de tempo de Leach é aplicável  apenas para alvos climáticos de baixo aquecimento (até 1,5°C), já que em níveis mais elevados (acima de 2°C) podem surgir feedbacks adicionais do ciclo de carbono. Os próprios pesquisadores ponderam que a conta só é válida se os demais gases estufa se mantiverem constantes no futuro. Afinal, mesmo tendo um tempo de vida mais curto na atmosfera do que o CO2, gases extremamente poluentes como o metano também afetam o nível de aquecimento.

“Além de supor que o padrão de emissão dos demais gases de efeito estufa não muda com o tempo, assume que os sumidouros terrestres e oceânicos [de carbono] permanecem inalterados”, disse Carlos Nobre, climatologista da Academia Brasileira de Ciências. De acordo com ele, a capacidade dos oceanos e dos ecossistemas terrestres de absorver o excesso de carbono lançado no ar pela humanidade dá sinais de que pode declinar antes do que se imaginava. E caso isso se comprove, o tempo para chegar ao aquecimento de 1,5°C seria ainda mais curto.

 

 

logoRepublicado do Observatório do Clima através de parceria de conteúdo.

 

Leia Também

Cinco perguntas sobre o degelo da Antártida

Derretimento de geleiras no oeste da Antártica parece irreversível

NASA revê dados de temperatura global

 

 

Leia também

Reportagens
19 de outubro de 2016

NASA revê dados de temperatura global

Inclusão de dados da Antártida na série mostra que tendência de recordes históricos globais iniciada em 2015 foi interrompida em junho; 2016, porém, ainda ruma para ser o ano mais quente.

Notícias
13 de maio de 2014

Derretimento de geleiras no oeste da Antártica parece irreversível

Pesquisadores da NASA detectaram padrões de derretimento nesta região da Antártica que indicam ser impossível a reversão do processo.

Notícias
15 de junho de 2018

Cinco perguntas sobre o degelo da Antártida

Estudo publicado nesta semana mostra que o ritmo do derretimento no sexto continente triplicou nos últimos cinco anos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. umbrios27 diz:

    E o pior é que, lendo o estudo, se percebe que ele é incrivelmente otimista, não levando em conta praticamente nenhum tipo de feedback, e por isso não podendo ter o seu raciocínio extendido para além dos 1,5oC a mais…


  2. Everardo diz:

    Pena que daqui a 22 anos não vão lembrar desse estudo porque todo ano sai um monte de estudo alarmista e ninguém lembra de cobrar os resultados.