Notícias

Governo libera mais 51 registros de agrotóxicos no país

Ao todo, 290 novos registros foram autorizados em 2019. Dos 51 agrotóxicos autorizados nesta segunda, 6 são associados à mortandade de abelhas

Daniele Bragança ·
22 de julho de 2019 · 2 anos atrás
Ao todo, 290 novos registros de agrotóxicos foram autorizados em 2019. Foto: Charlesricardo/Pixabay.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou no Diário Oficial da União desta segunda-feira (22) o registro de 51 novos agrotóxicos. Desta nova leva, pelo menos 7 produtos são associados à mortandade de abelhas. Desde o início do ano, já são 290 novas autorizações de agrotóxicos, o equivalente a 1,4 registros por dia.

Dos 51 produtos registrados nesta segunda-feira, 17 são extremamente tóxicos à saúde humana, um é altamente tóxico, 28 são medianamente tóxicos e 5 pouco tóxicos. Em relação aos riscos ao meio ambiente, um deles é altamente perigoso ao meio ambiente, 17 são muito perigosos ao meio ambiente, 28 são perigosos ao meio ambiente e 5 são pouco perigosos ao meio ambiente.

Do total de registros, 18 referem-se a produtos técnicos de uso industrial, ou seja, destinados à fabricação dos agrotóxicos, e outros 33 produtos já estão prontos para serem comercializados nas lojas especializadas.

Com a publicação do ato, esses agrotóxicos passam a ter a comercialização permitida no Brasil. Atualmente existem 2.356 produtos agrotóxicos comercializados no país.

Restrições por causa das abelhas

Dos novos produtos liberados hoje, 6 são a base do ingrediente-ativo sulfoxaflor, usado no controle de pulgões e mosca-branca e autorizado pela primeira vez no Brasil no final da gestão de Michel Temer. O sulfoxaflor é apontado como um inseticida ligado à mortandade de abelhas e terá seu uso restrito por regras estabelecidas pelo Ibama. Não será permitido a pulverização do produto em época de floração das culturas, por exemplo. É o que anunciou nesta segunda-feira (22) o Ministério da Agricultura, em nota.

Fora os seis produtos à base de sulfoxaflor e um herbicida à base de florpirauxifen-benzil – produto técnico aprovado em junho deste ano – todos os outros agrotóxicos da lista são genéricos de produtos já vendidos no Brasil. Ou seja, ingredientes antigos que passam a ser vendidos sob novas marcas comerciais.

O objetivo do governo é aumentar a concorrência e diminuir os custos de produção. Cerca de 30% da produção agro é gasta em produtos químicos.

 

Leia Também 

Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e chega a 239 registros no ano

Governo registra mais três agrotóxicos associados à mortandade de abelhas

Flores com agrotóxicos preocupam criadores de abelhas

 

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
18 de julho de 2019

Flores com agrotóxicos preocupam criadores de abelhas

Análises revela que todas as amostras de mel não-orgânico mostram a presença de pelo menos um dos oito tipos de pesticidas analisados

Reportagens
26 de maio de 2019

Governo registra mais três agrotóxicos associados à mortandade de abelhas

Os produtos estão em uma leva de 31 agrotóxicos registrados na última semana. Já são 197 novos registros em 2019, uma média de mais de um por dia

Notícias
24 de junho de 2019

Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e chega a 239 registros no ano

Dos 42 princípios ativos registrados nesta segunda-feira, 17 são proibidos na União Europeia. Apenas 2 dos 42 novos registros são classificados como pouco tóxicos ao meio ambiente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 5

  1. AvatarClaudio diz:

    Eu acho vergonho os políticos liberarem esses venenos para saúde da população.


  2. AvatarFlávio diz:

    Só "Resistência" a serviço dos lobbies agroindustriais internacionais, notadamente europeus para manter subsídios locais. Desgraçadamente ECOa a desinformação militante pois de fato o que está havendo é uma atualização de defensivos para novas formulações mais eficientes e menos tóxicas, por isso destes 51 agrotóxicos, sete são produtos novos e 44 são equivalentes, ou seja, genéricos de princípios ativos já autorizados no Brasil.
    Cabe destacar a restrição publicada: "“O uso do inseticida no Brasil deverá seguir as orientações estabelecidas pelo Ibama para a mitigação de risco para insetos polinizadores como, por exemplo, a restrição de aplicação em períodos de floração das culturas, o estabelecimento de dosagens máximas do produto e de distâncias mínimas de aplicação em relação à bordadura para a proteção de abelhas não-apis. Essas restrições constam na rotulagem dos produtos e são estabelecidas de acordo com cada ingrediente e cultura”,"


    1. AvatarPaulo diz:

      Pois é, 50 por cento dos liberados até agora desde janeiro,são proibidos na europa. Por que ?


  3. AvatarGeorge diz:

    O único novo é a florpirauxifen-benzil. Esse é bom ou ruim? Ou seja, é menos ou mais danoso do que o que vai substituir?


  4. AvatarPaulo diz:

    A farra continua, não é mesmo ministra da Agricultura. E o sinistro Salles dorme zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz