Fauna do rio Doce em Minas acabou, diz Izabella Teixeira

Fauna do rio Doce em Minas acabou, diz Izabella Teixeira

((o))eco
quinta-feira, 19 novembro 2015 19:19
Barragens de Santarém e Fundão que romperam na quinta feira (05/11), levam destruição à zona rural de Mariana, em Minas Gerais. A onda de lama já chegou ao Espírito Santo. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A ministra do Meio Ambiente afirmou nesta quinta-feira (19) que a lama da barragem rompida em Mariana, no estado de Minas, acabou com a fauna do rio Doce. A ministra classificou o episódio como a “maior catástrofe ambiental do país” e afirmou que haverá impacto no mar, mas descartou a possibilidade da lama atingir o arquipélago de Abrolhos.

“Os peixes de superfície conseguiram migrar para alguns rios tributários, mas estão morrendo, e a fauna ribeirinha também foi impactada”, afirmou, em entrevista ao G1.

Segundo a modelagem feito pelo grupo de pesquisa do oceanógrafo Paulo Rosman, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UFRJ), a lama deverá se deslocar em direção ao Sul, em função do fluxo da maré. São esses dados que o Ministério do Meio Ambiente está usando para descartar, a princípio, um impacto em Abrolhos ou nos manguezais de Vitória, regiões com alta biodiversidade marinha.

“Vamos ter de acompanhar no tempo. O modelo gera cenários e, neles, não há expectativa de chegada a Vitória”, afirmou a ministra, que deu uma breve entrevista coletiva durante um evento sobre emissões de gases de efeito estufa, em São Paulo.

 

Leia Também
Bruno Milanez: “Auditorias apontaram 27 barragens de rejeitos sem estabilidade garantida”
No encontro com o mar, lama passará por unidades de conservação marinhas
Um decreto imoral, naturalmente

 

 

 

13 comentários em “Fauna do rio Doce em Minas acabou, diz Izabella Teixeira”

  1. Nesta hora quem deve mais explicações é a empresa, que já deveria ter sido fechada há muito tempo e evitado esta catástrofe. Mas tem gente que acha que este tipo de atividade gera benefícios. Gera, sim, mas só se for para as empresas que não têm compromisso com a saúde, a segurança das populações e muito menos com o meio ambiente. Daí deu no que deu. Agora é tarde se lamentar!

  2. O que deveria ser feito: multa à SAMARCO, queda da ministra do meio ambiente e do secretário de MG, investimento para recuperação da biota e do rio (com $ da multa e verba do governo federal e estadual – MG e ES). Nada menos do que isso vai ter resultado.

  3. Impressionante, querem que fechem a Samarco, que parem com mineração. Mas o consumo continua. Só tem mineração porque tem demanda por minério e TODOS aqui demandam.

    Uma dose de autocrítica e realidade é recomendável antes de falar asneiras.

    • A questão não é parar com a mineração, esse tipo de pensamento maniqueísta pelo sim ou pelo não é preguiça de pensar e argumentar.
      A questão é negligência da empresa na gestão ambiental do empreendimento que deveria priorizar ações preventivas a este tipo de desastre e a falta de preparo mínimo para minimizar tudo que vem acontecendo.

      • Isto sim, concordo. Mas se você reparar, não é o que se prega nos comentários aqui e nas manifestações por ai.

        No entanto é bom ter cautela, pois ninguém ainda sabe a causa do acidente. Mas a PF já está atuando para isto.

  4. O que acabou neste país foram os princípios, a decência e a honestidade. Órgãos públicos se rendem às empresas e suas exigências de licenciamentos acelerados e sem critérios. A culpa é de todos, empresa, licenciadores e fiscalizadores. A assembléia mineira trabalhando fortemente para facilitar ainda mais estes processos.
    Lamentável.

  5. Judas, não foi no licenciamento, por favor, né? Todos são culpados, de consumidores a industriais, de politicos a policiais…….esse é o curso do mundo que não tem mais volta…..

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.