Notícias

Este pedaço do paraíso é, na real, o lugar mais arriscado do mundo

O arquipélago de Vanuatu recebe o título pelo quarto ano consecutivo, em razão da sua vulnerabilidade a eventos climáticos extremos

Observatório do Clima ·
27 de abril de 2016 · 5 anos atrás
Ilhas de Vanuatu, na Melanésia: perto demais do oceano. Foto: Air Vanuatu

O paradisíaco Vanuatu, um arquipélago melanésio de 12 mil quilômetros quadrados com praias de areia branca e mar azul-turquesa, acaba de ser eleito o lugar mais arriscado do mundo para viver – pelo quarto ano consecutivo. A indicação foi da organização alemã Aliança para o Desenvolvimento e da Universidade das Nações Unidas, que publicou nesta semana o Relatório Mundial de Risco 2015. Mas a cortesia é da mudança climática.

Vanuatu ficou na primeira posição entre os países mais expostos e mais vulneráveis a desastres naturais no Índice Mundial de Risco, divulgado desde 2011. Dos dez primeiros colocados, três são nações insulares do Pacífico (além de Vanuatu, Tonga e Ilhas Salomão). O índice mede a exposição dos países a eventos extremos como inundações, terremotos, secas, tempestades e aumento do nível do mar, por um lado, e a capacidade de resposta e adaptação de cada um, do outro.

A combinação entre alta vulnerabilidade natural e pobreza faz com que, em Vanuatu e em outros países em desenvolvimento, eventos climáticos extremos se transformem em desastres naturais. Também estão na lista, entre as dez primeiras posições, as Filipinas, Bangladesh, a Costa Rica, Timor Leste e a Guatemala.

O único país desenvolvido na lista dos 20 com maior risco de desastres é o Japão (17a posição). O país tem alto grau de exposição a desastres geológicos como terremotos, mas baixíssima vulnerabilidade e muita capacidade de resposta – como se viu em 2011, quando o país foi vitimado pelo pior terremoto da história e se reconstruiu em pouco tempo.

No caso das nações insulares do Pacífico, a mudança climática é o principal fator adicional de exposição. Esses países ficam próximos do nível do mar, e a elevação dos oceanos por conta do aumento das temperaturas – que derrete geleiras e faz o próprio oceano se expandir – aumenta a frequência de inundações fortes, principalmente durante ressacas. Foi o que aconteceu em 2015, quando Vanuatu, Tuvalu e outros países-ilhas foram atingidos pelo ciclone Pam, uma tempestade de categoria 5 que matou pelo menos 15 pessoas e deixou US$ 360 milhões em prejuízos.

O Brasil foi um dos países que melhoraram no índice entre 2014 e 2015. O país subiu cinco posições no indicador de vulnerabilidade, graças à melhora na capacidade de adaptação – que o relatório atribui a um aumento nos gastos com saúde e uma redução na taxa de analfabetismo. O país passou de “vulnerabilidade média” para “vulnerabilidade baixa”.

 

*Este artigo foi publicado originalmente no site do Observatório do Clima, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo. logo-observatorio-clima

 

 

Leia também

Mudança do clima põe US$2,5 trilhões em risco

Aquecimento reduzirá oferta de energia

 

 

 

 

 

  • Observatório do Clima

    O Observatório do Clima é uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira criada para discutir mudanças climáticas

Leia também

Notícias
5 de janeiro de 2016

Aquecimento reduzirá oferta de energia

Estudo global com 26 mil usinas mostra que mais de 60% das hidrelétricas e 80% das termelétricas poderão ter restrições de operação por falta d’água e perda de capacidade útil entre 2040 e 2069

Reportagens
7 de abril de 2016

Mudança do clima põe US$2,5 trilhões em risco

Eventos climáticos extremos e perda de produtividade são as principais causas para a perda econômica, de 1,8% da economia global.

Notícias
19 de setembro de 2021

Exaustão e calor: a rotina dos bombeiros que combatem incêndios no Pantanal

Acompanhamos um dia de trabalho dos bombeiros da SOS Pantanal no Parque Estadual das Águas. Distância e tempo seco tornam o trabalho complexo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta