Notícias

Dodge quer que dinheiro recuperado pela Lava Jato vá para combate a incêndios

Manifestação foi enviada ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes. PGR quer destinação de R$ 1,2 bilhão para acabar com queimadas

Sabrina Rodrigues ·
26 de agosto de 2019 · 2 anos atrás
Raquel Dodge pede que R$ 1,2 bilhão seja destinado ao combate às queimadas na Amazônia. Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil.

A Procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, entrou com um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que parte dos recursos pagos pela Petrobras, na operação Lava Jato, seja destinado ao combate aos incêndios florestais na Amazônia. A manifestação foi enviada nesta segunda-feira (26) para o ministro Alexandre de Moraes. 

Alexandre de Moraes marcou para a próxima quarta-feira (28) uma reunião para tratar da destinação de valores do fundo da Petrobras. 

Raquel Dodge pede que o valor de R$ 1,2 bilhão seja distribuído da seguinte forma: R$ 200 milhões para o descontingenciamento do orçamento da pasta e R$ 1 bilhão ao financiamento de ações de proteção ambiental “destinados para os Ministérios do Meio Ambiente, Agricultura, Defesa para reestruturação e intensificação da atividade de fiscalização pelo IBAMA, INCRA, FUNAI e outras agências co-responsáveis, que incluam programas de regularização fundiária e capacitação de pequenos agricultores e produtores rurais para a exploração econômica sustentável desse bioma”.

Na manifestação, a PGR enfatiza a gravidade e a urgência do problema “uma nova situação emergencial, decorrente de extensas e devastadoras queimadas na Floresta Amazônica, com imenso impacto ambiental, social e econômico”. 

O destino dos recursos que chegam ao valor total de R$ 2,5 bilhões está nas mãos do STF. O montante encontra-se bloqueado em uma conta na Caixa Econômica Federal (CEF), em decisão liminar do ministro Alexandre de Moraes, desde março, a pedido de Raquel Dodge. 

Na petição, a PGR requer a criação de um comitê com representante dos ministérios do Meio Ambiente, Agricultura, Defesa, Justiça, além do Incra, Ibama e do Ministério Público Federal e Poder Judiciário. Caberá a esse colegiado elaborar um plano sustentável de proteção da floresta amazônica, o qual deverá indicar medidas e projetos a serem executados com os recursos destinados por meio da petição. 

Na semana passada, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez o mesmo pedido que Dodge. Maia solicitou o repasse de R$ 800 milhões para o combate aos incêndios que seriam distribuídos em duas partes iguais, uma por execução direta, sem a interferência de terceiros e outra por execução descentralizada. Ele ainda solicitou que R$ 200 milhões sejam utilizados para descontingenciar o orçamento de programas de proteção ao meio ambiente.

Saiba Mais

Manifestação PGR

 

Leia Também

Pecuarista que acusou ICMBio de promover “dia do fogo” tem multa por queimada

MPF dá 10 dias para que governo comprove que dados do INPE não são confiáveis

Danos ambientais não prescrevem, defende Raquel Dodge

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
2 de abril de 2019

Danos ambientais não prescrevem, defende Raquel Dodge

Procuradora-Geral da República se manifesta em favor da tese de que dano é imprescritível. Ministros do STF darão a palavra final sobre o tema

Notícias
26 de agosto de 2019

MPF dá 10 dias para que governo comprove que dados do INPE não são confiáveis

Órgão enviou ofícios para os ministérios do Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia e para a nova diretoria do INPE. Em julho, o presidente da República questionou publicamente a veracidade dos dados

Notícias
25 de agosto de 2019

Pecuarista que acusou ICMBio de promover “dia do fogo” tem multa por queimada

Manifestação convocada pelo WhatsApp promoveu um dia de queimadas na região da BR 163. Em entrevista ao Globo Rural, fazendeira acusou ICMBio de estar por trás das queimadas 

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Karen diz:

    Justo o que eu procurava sobre segurança eletrônica bh. Obrigada!


  2. AAI diz:

    E o governo continuar a a desautorizar as operações de fiscalização, desmoralizar servidores do IBAMA e ICMBio, incentivar a prática de crimes ambientais, reduzir penas, abrandar multas, distorcer os fatos pondo a culpa das queimadas em ONGs e nos próprios servidores dos órgãos ambientais, não abrir concursos para aumentar ou no mínimo manter o quadro de servidores etc etc etc…
    Alguém acha mesmo que a situação vai mudar com a manutenção desta postura?