Notícias

Desmatamento na Amazônia tem alta em maio, mas acumulado mostra queda

Boletim do Imazon indica que o desmatamento acumulado está 10% menor do que o mesmo período do ano passado, apesar do aumento registrado nos últimos 4 meses

Daniele Bragança ·
16 de junho de 2016 · 5 anos atrás
Acima, Ibama flagra desmatamento na Floresta Nacional do Jamari. Foto: Ascom/Ibama.
Acima, Ibama flagra desmatamento na Floresta Nacional do Jamari. Foto: Ascom/Ibama.

O desmatamento acumulado na Amazônia caiu 10% este ano, em comparação com o mesmo período no passado: atingiu 2.068 quilômetros quadrados (km²), contra 2.286 registrados no mesmo período do ano passado. Entretanto, desde fevereiro os alertas de desmatamento voltaram a crescer.

Dezembro de 2015 sinalizou a nova tendência de alta, mas pareceu um soluço para cima dos dados, pois em janeiro o total voltou a cair. Mas, daí em diante, a tendência de crescimento se firmou e o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), produzido pelo Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), registrou uma série de números mais altos. O último boletim do SAD foi divulgado nesta quinta-feira (16).

O ano-calendário do desmatamento começa a ser contado a partir de agosto de cada ano. Nos dez meses de agosto/2015 para cá, entre os estados, Mato Grosso liderou o ranking de perda florestal, com 35% (ou 716 quilômetros quadrados) do total desmatado, seguido pelo Pará (23%), Amazonas (20%) e Rondônia (17%).

Deve-se levar em consideração que os dados do SAD são baseados num sistema de monitoramento em tempo real. Esse sistema gera dados menos robustos que o  Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que fornece os dados oficiais do desmatamento anual da Amazônia com precisão de 6,25 hectares. O SAD faz esse registro a partir de 25 hectares.

Tabela

Dados de maio

Os números de maio mostram uma perda florestal 22% maior do que em relação a maio de 2015. Detectou-se 474 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal, o equivalente a quase 12 Parques Nacionais da Tijuca em apenas um mês. Em maio de 2015, o desmatamento somou 388 quilômetros quadrados.

Nos estados, o desmatamento se concentrou no Amazonas (37%), Rondônia (22%), Pará (21%) e Mato Grosso (15%), com menor ocorrência em Roraima (3%), Tocantins (1%) e Acre (1%).

Entre os municípios, Lábrea lidera com 74,4 km², seguido de Novo Aripuanã, que destruiu 44,7 km² de floresta. Ambos ficam no estado do Amazonas.

 

Saiba Mais

Boletim do Desmatamento do SAD – Maio 2016 – PDF produzido pelo Imazon

 

Leia Também

Alerta de desmatamento diminuiu 82% em janeiro, diz Imazon

Desmatamento coloca em risco até 57% das espécies de árvores da Amazônia

Com leis diferentes, desmatamento só muda de lugar

 

 

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
31 de março de 2016

Com leis diferentes, desmatamento só muda de lugar

Pesquisadores da Universidade de Stanford afirmam que leis mais rigorosas e fiscalização empurram desmatamento para outras áreas.

Notícias
30 de novembro de 2015

Desmatamento coloca em risco até 57% das espécies de árvores da Amazônia

Estudo realizado por mais de 150 pesquisadores demonstra que é preciso cuidar mais das áreas protegidas para reduzir extinção de espécies.

Salada Verde
18 de fevereiro de 2016

Alerta de desmatamento diminuiu 82% em janeiro, diz Imazon

No mês, foram detectados 52 km² de desmatamento na Amazônia Legal. O estado do Amazonas foi o campeão de derrubada de floresta.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. AvatarMariana diz:

    Lábrea e Novo Aripuanã são municípios do Amazonas…


    1. AvatarGesuisMariaJosé diz:

    2. Mariana, Obrigado pelo alerta, já foi corrigido