Notícias

Desmatamento evitado, vidas humanas salvas

Estudo inédito demonstra os impactos continentais da redução do desmatamento na Amazônia sobre a saúde humana.

Vandré Fonseca ·
16 de setembro de 2015 · 6 anos atrás
Foto: Nanda Melonio
Desmatamento e queimadas piora a qualidade do ar e afeta a saúde humana. Acima, imagem de uma floresta do Acre em chamas. Foto: Nanda Melonio

Manaus, AM — Mil e setecentas vidas foram salvas na América do Sul, a cada ano, graças à redução do desmatamento da Amazônia Brasileira, entre os biênios 2003/2004 e 2013/2014. Isto porque a queda na derrubada de floresta neste período, de 27 mil quilômetros quadrados por ano para cerca de 5 mil, significou também uma redução de poluentes na atmosfera que afetam a saúde humana.

Este é o resultado de um estudo inédito, o primeiro a estimar o impacto continental do desmatamento sobre a saúde, publicado nesta quarta-feira na revista Nature Geoscience. Os pesquisadores, entre eles o físico brasileiro Paulo Artaxo, utilizaram dados de satélite para avaliar a quantidade de fumaça na atmosfera, que foram combinados com modelos sobre a circulação atmosférica global e com índices de doenças provocadas por partículas finas presentes no ar, responsáveis por complicações respiratórias e cardíacas.

De acordo com Artaxo, professor da Universidade de São Paulo (USP), a fumaça emitida a partir de grandes incêndios causa altos níveis de poluentes atmosféricos, que se espalham por uma grande extensão da América do Sul. O fogo é utilizado para limpar a área e preparar o solo para o plantio. A redução do desmatamento, no período de estudo, significou também a diminuição em cerca de 70% desses poluentes e também de gases de efeito estufa.
“Os efeitos são mais sentidos em outras regiões e não na Amazônia, onde a densidade populacional é menor”, explica Artaxo. “Na região Sudeste, onde vivem mais pessoas, o impacto dessa poluição é maior”, completa. Segundo dados do estado, a concentração do particulado fino foi reduzido em cerca de 30% no Sudeste do Brasil durante a estação seca, graças a redução do desmatamento na Amazônia.

O monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) já registrou este ano (até o dia 14 de setembro) 47.468 focos de queimadas na Amazônia. Com mais de 16,5 mil focos, o Mato Grosso é o campeão de queimadas, seguido por Pará e Maranhão. Nesta época, a mais seca do ano, a maior cidade da região, Manaus, costuma amanhecer coberta pela névoa provocada pela fumaça das queimadas.

Os resultados do estudo, na opinião de Paulo Artaxo, reforçam a necessidade de zerar o desmatamento na Amazônia. “A forte redução do desmatamento até chegarmos ao desmatamento zero traz benefícios extras que vão favorecer em muito não só o meio ambiente amazônico e global, mas também a saúde da população”, afirma “Precisamos continuar o esforço de proteção da floresta amazônica, pois isso também salva vidas de brasileiros e auxilia na redução das mudanças climáticas globais”, completa Artaxo.

 

 

Saiba Mais
Artigo: Air quality and human health improvements from reductions in deforestation-related fire in Brazil. C. L. Reddington, E. W. Butt, D. A. Ridley, P. Artaxo, W. T. Morgan, H. Coe & D. V. Spracklen.

Leia Também
Você já respirou pó de ferro? Conheça o ar sujo de Piquiá
Rio de Janeiro monitora qualidade do ar em unidades de conservação
RS identifica desafios para combate a poluição e aquecimento

 

 

 

Leia também

Salada Verde
24 de novembro de 2010

RS identifica desafios para combate a poluição e aquecimento

Órgão estadual de meio ambiente divulga primeiro diagnóstico que mostra as principais fontes de emissões. 

Reportagens
22 de julho de 2015

Rio de Janeiro monitora qualidade do ar em unidades de conservação

Estudo servirá de base para avaliar futuramente os impactos de empreendimentos poluidores localizados próximos de áreas protegidas.

Reportagens
16 de julho de 2014

Você já respirou pó de ferro? Conheça o ar sujo de Piquiá

Moradores de povoado no interior do Maranhão vivem cercados de siderúrgicas, respiram poeira metálica e sofrem com graves problemas de saúde

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Marco diz:

    Preservar o meio ambiente é uma das coisas mais importantes que podemos fazer pelo nosso futuro. Obrigado por chamar atenção a isso!