Consumo em Manaus afeta tamanho e abundância do tambaqui

Consumo em Manaus afeta tamanho e abundância do tambaqui

Vandré Fonseca
segunda-feira, 24 julho 2017 18:38
Barco de pesca de tambaqui. Foto: Daniel J. Tregidgo.
Barco de pesca de tambaqui. Foto: Daniel J. Tregidgo.

Manaus, AM — O biólogo britânico Daniel J. Tregidgo passou oito meses convivendo com ribeirinhos do Rio Purus, interior de Manaus. Conheceu a vida deles, experimentou diversos peixes. Voltou de lá com muitos amigos e preocupações. O peixe mais popular do Amazonas, o tambaqui, é cada vez mais difícil de ser capturado. E quando cai na rede, já não tem o mesmo tamanho de antes.

Em um  artigo publicado esta semana na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), ele e outros autores demonstram que o consumo de tambaqui em Manaus causa efeitos na população de peixes a até mil quilômetros rio acima, no Purus. Entrevistas com 392 pescadores indicam que perto da cidade de Manaus tanto o tamanho do peixe quanto as taxas de captura caem pela metade.

Em regiões mais distantes do Rio Purus, o estudo registrou que, em média, os peixes capturados pesavam entre 19 e 24 quilos, enquanto mais perto da foz, no Rio Solimões, a média era de 8 a 11 quilos.

“ Fico triste por vários motivos”, afirma Daniel Tregidgo, pesquisador da University Lancaster (Reino Unido), e da Universidade Federal de Lavras (MG). “Eu pessoalmente gosto de peixe e vi que os ribeirinhos não têm muitas fontes de renda. O tambaqui é muito importante para a renda deles. E como biólogo, todos querem que a população de peixes se recupere.”

O Tambaqui (Colossoma macropomum). Foto: Wikipédia.
O Tambaqui (Colossoma macropomum). Foto: Wikipédia.

Ele destaca que os resultados são importantes porque mostram os efeitos da urbanização sobre a floresta. E lembra que dois terços da biodiversidade do planeta está em áreas tropicais. Nestas regiões, o rápido aumento da população humana, a urbanização e mudanças econômicas estão levando a um aumento da demanda das cidades por alimentos. De acordo com o biólogo, é dada bastante atenção à expansão de fazendas para a produção de carne, mas recursos de pesca e da vida selvagem também são importantes para milhões de pessoas que vivem nos trópicos.

Não há risco de extinção, ressalta o autor do artigo. Porém, a redução no tamanho afeta o consumo, afinal um tambaqui de 30 quilos alimenta muito mais gente do que um de 8 quilos. E há efeitos também sobre a floresta. “O tambaqui grande pode dispersar sementes em distâncias maiores”, afirma Tregidgo. “Os menores não fazem um trabalho tão bom”.

O biólogo não vê a proibição da pesca como solução para o problema. De acordo com ele, isso criaria mais um problema para os pescadores. Para ele, o ideal seria aproveitar mais a diversidade dos peixes amazônicos e aumentar a variedade de espécies consumidas em Manaus. Apesar de ter algumas preferências, Tregidgo prefere não indicar especificamente outro peixe para o consumo, diz que o importante é variar.

“Os rios da Amazônia são muito produtivos e podem alimentar muita gente de um jeito sustentável”, explica. “Por exemplo, a gente anotou 80 espécies de peixes no estudo, que os ribeirinhos pegaram para vender e comer. Não acho que o povo dessa cidade deveria parar de comer seu peixe favorito (o tambaqui), mas deveria variar mais para comer mais tipos de peixes do que agora”.

 

Leia Também

INPA avalia efeitos do clima sobre tambaquis

Rondônia sem tambaqui

MMA libera criação de tambaqui no rio Tocantins

 

 

 

1 comentário em “Consumo em Manaus afeta tamanho e abundância do tambaqui”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.