Notícias

China fecha o cerco ao comércio de marfim

No último domingo de 2017, o governo chinês anunciou que o comércio de marfim está totalmente proibido no país. Com a decisão, todas as fábricas de escultura e varejistas de marfim irão fechar

Sabrina Rodrigues ·
2 de janeiro de 2018 · 4 anos atrás
A China é o maior consumidor mundial de marfim. Foto: Matthias Rosenkranz.
A China é o maior consumidor mundial de marfim. Foto: Matthias Rosenkranz.

 

O ano de 2018 começa com uma boa notícia para a conservação. É que no último domingo do ano de 2017 (31), a China proibiu totalmente o comércio de marfim. O anúncio foi feito pelo Ministério das Florestas, que afirma que a proibição inclui o comércio eletrônico e os suvenires obtidos no exterior.

A China é considerada o maior consumidor mundial de marfim, legal e ilegal, e desempenha um papel importante no abate anual de cerca de 30.000 elefantes africanos por caçadores. O marfim é utilizado na produção de bugigangas, pauzinhos e outros itens ornamentais, além de ser um ingrediente na fabricação de remédios usados da “medicina” chinesa.

A medida ocorre dois anos depois de uma promessa conjunta com os Estados Unidos. Em 2015, o presidente chinês, Xi Jiping, seguido do então presidente Barack Obama decidiram proibir o comércio interno de marfim. Com a decisão, todas as fábricas de escultura e varejistas de marfim com sede no governo da China irão fechar. A proibição de marfim dos EUA entrou em vigor em junho de 2016. A entrada em vigor da China em 31 de dezembro de 2017.

Uma proibição internacional do comércio de marfim entrou em vigor em 1990, mas a China continuou a permitir – e até mesmo promover – vendas de marfim dentro de suas fronteiras.

A Administração Florestal Estadual da China, a agência encarregada de impor a nova proibição, está iniciando uma campanha para garantir que os cidadãos do país tenham conhecimento da lei.

Ambientalistas entenderam a medida como uma demonstração do compromisso chinês de acabar com o seu protagonismo na epidemia de caça furtiva que atinge os elefantes da África.

*Editado em 04/01/2018, às 16h58.

 

Leia Também

China decide proibir comércio de marfim em 2017

Hong Kong quer acabar com o comércio de marfim

Morto por um chifre: caça de rinocerontes bate recorde

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
13 de janeiro de 2012

Morto por um chifre: caça de rinocerontes bate recorde

Na África do Sul, caça ilegal de rinocerontes aumenta 4 vezes entre 2009 e 2011, tudo por conta do preço do chifre no mercado negro.

Salada Verde
29 de junho de 2017

Hong Kong quer acabar com o comércio de marfim

Em meio às críticas contra a matança de elefantes, governo enviou um projeto de lei proibindo o comércio na região. Decisão está nas mãos do legislativo

Salada Verde
2 de janeiro de 2017

China decide proibir comércio de marfim em 2017

Com a medida, o país visa proteger os elefantes. Anúncio foi comemorado pelos ambientalistas, que destacaram a decisão como histórica

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta