Notícias

Nos EUA, governo incentiva pescadores a mapearem espécies em risco

Agência americana que maneja a vida selvagem fez uma parceria com empresa que produz aplicativo popular entre pescadores para monitorar avistamentos.

Eduardo Pegurier ·
6 de agosto de 2015 · 6 anos atrás
Tartaruga-aligator ([i]Macrochelys temminckii[/i]). Foto:
Tartaruga-aligator ([i]Macrochelys temminckii[/i]). Foto:
“O primeiro passo em direção a conservação é sempre educar e engajar, e nós estamos entusiasmados em trabalhar com a FishBrain para nos ajudar a alcançar uma nova audiência”, disse Gary Frazer, diretor da U.S. Fish and Wildlife Service, agência do governo americano que faz manejo da vida selvagem. A declaração diz respeito à parceria com a empresa responsável pela FishBrain, a mais popular rede social e aplicativo de pescadores.

O aplicativo de celular e tablet passará a ter uma nova função para registrar avistamentos de 50 espécies de peixe e de outros tipos de animais consideradas em risco. Espera-se que a consolidação de dados enviados por pescadores facilite a vida de acadêmicos e daqueles envolvidos com políticas de conservação. As informações ajudarão a entender onde os peixes dessa lista são mais encontrados, o tipo de habitat que necessitam e as razões para os seus declínios.

A lista foi produzida com base na chance de avistamento por pescadores. Entre as espécies estão peixes, pássaros, répteis e até mamíferos. Entre eles, o esturjão-de-focinho-curto (Acipenser brevirostrum), a ave Grou-americano (Grus americana), a rã Rana Draytonii e o cervo Odocoileus virginianus leucurus. A lista completa das espécies do programa está aqui.

“Pescadores experimentam e apreciam o mundo natural no seu dia a dia”, disse Johan Attby, presidente da FishBrain. “Poder canalizar esse interesse em algo tão construtivo e útil como coletar dados é uma oportunidade muito especial”.

 

*Com informações do U.S. Fish and Wildlife Service

 

 

Leia também
O pesquisador que quer salvar animais com um celular
No Tapajós, InfoAmazônia demonstra sensor de qualidade de água para ribeirinhos
Drones vigiam o Parque do Cantão, no Tocantins

 

 

 

  • Eduardo Pegurier

    Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Reportagens
7 de maio de 2015

Drones vigiam o Parque do Cantão, no Tocantins

Numa área de florestas alagadas, de difícil acesso, dispositivos voadores não tripulados assustam pescadores ilegais e fazem censo de botos.

Reportagens
16 de abril de 2015

InfoAmazônia faz oficinas com ribeirinhos na região do Tapajós

Projeto instalará 25 sensores de baixo custo para monitorar estado da água para consumo humano. Informações serão difundidas por mensagens SMS.

Análises
16 de setembro de 2013

O pesquisador que quer salvar animais com um celular

As estradas brasileiras matam não só gente como milhões de animais por ano. Pesquisas e uso de tecnologia podem ajudar a conter o problema.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta