Notícias

Imazon: desmatamento dispara em setembro

Aumento do corte raso foi de 290% em relação ao mesmo mês de 2013. Mesmo com fiscalização reforçada, desmate continua alto na região.

Daniele Bragança ·
20 de outubro de 2014 · 7 anos atrás

deflagrada em 2009, a Operação Boi Pirata II retirou fazendas ilegais de dentro da Floresta nacional do Jamanxim. Cinco anos depois, unidade de conservação ainda sofre com desmatamento e invasões de terra. Foto: Nelson Feitosa/Ascom Ibama.
deflagrada em 2009, a Operação Boi Pirata II retirou fazendas ilegais de dentro da Floresta nacional do Jamanxim. Cinco anos depois, unidade de conservação ainda sofre com desmatamento e invasões de terra. Foto: Nelson Feitosa/Ascom Ibama.

Uma operação de guerra foi montada em agosto para desmantelar uma quadrilha de grileiros acusados de desmatar áreas públicas no Pará. A operação Castanheira envolveu o Ibama, a Polícia Federal, a Receita Federal e o Ministério Público Federal. O alvo principal eram criminosos que atuavam na região de Novo progresso, no oeste do Pará. O resultado dos estragos feitos por essa e outras quadrilhas pode ser mensurado agora pelos satélites. De acordo com o Imazon, o desmate em setembro na Amazônia Legal somou 402 quilômetros quadrados, um aumento de 290% em relação a setembro de 2013 quando o desmatamento somou 103 quilômetros quadrados. Em um mês o equivalente a quase um terço da cidade do Rio de Janeiro, que ocupa uma área de 1.200 km², deixaram de ser floresta.

A Floresta Nacional de Jamanxin, localizada em Novo Progresso, perdeu 21,2 km² e ficou em primeiro lugar no ranking de Unidades de Conservação da Amazônia mais desmatadas. Já o município de Novo Progresso perdeu 30,1 km² e ficou em segundo lugar na lista dos municípios críticos, atrás apenas de Nova Mamoré, em Rondônia, que perdeu 53,1 km².

Quase sem nuvens, foi possível monitorar 93% da área florestal na Amazônia Legal. Rondônia liderou o ranking da destruição, responsável por desmatar 33% do total desmatado no período. Pará (23%), Mato Grosso (18%) e Amazonas (12%)  ficaram respectivamente em segundo, terceiro e quarto lugar.

Governo só divulgará dados em Novembro

O sistema Deter é um sistema que gera alertas diários e pode ser usado para produzir relatórios mês a mês. Entretanto, seus resultados chegam a atrasar até 3 meses. A demora na divulgação gera reclamações dos ambientalistas e denúncias de retenção de números ruins com fins eleitoreiros. As especulações dominam o noticiário.  

O último resultado divulgado do Deter foi referente ao mês de julho de 2014 e, consolidado, apontou alta de 9% no desmatamento acumulado em um ano: comparação do período agosto/2013 a julho/2014 contra os 12 meses anteriores, agosto/2012 a julho/2013).

Em entrevista a GloboNews, a ministra Izabella Teixeira afirmou que os dados só serão divulgados em novembro, para não atrapalhar as equipes de fiscalização, entre elas as que estão em Novo Progresso tentando conter a destruição que avança em cima da Floresta Nacional de Jamanxim.

O único calendário de divulgação do desmatamento que o governo costuma respeitar é o  referente a divulgação dos resultados preliminares do PRODES (Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite). O número do PRODES é mais preciso e costuma ser divulgado durante a COP anual do clima. A tradição começou na COP de Bali (COP-13), ainda durante a gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente.

 

 

Saiba Mais
Boletim do Desmatamento do SAD – Setembro 2014 – PDF produzido pelo Imazon

Leia Também
Desmatamento na Amazônia: Repique do ano passado deve se manter em 2014
Imazon: desmatamento despenca em fevereiro e março
Estudo mostra que redução de área protegida favorece desmatamento

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
23 de julho de 2021

Registro raro mostra uma mamãe onça com seu filhote na Serra do Mar

A cena foi flagrada por um armadilha fotográfica instalada pela equipe do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar, que monitora a presença de animais como a onça-pintada e a anta na região

Análises
23 de julho de 2021

Termo ‘savanização’ precisa ser revisto nos discursos sobre degradação florestal

Associar a savana à ideia equivocada de que esta seria uma vegetação degradada e pobre favorece o discurso de que não há nada a ser conservado

Notícias
22 de julho de 2021

Ibama fecha acordo com agência japonesa para monitoramento via satélite da Amazônia

Acordo de cooperação foi assinado nesta quinta-feira e terá duração de 5 anos. Expectativa do Ibama é aumentar precisão da detecção de desmatamento na Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta