Brasil na Cúpula do Clima: retrocesso e oportunidade perdida

Daniele Bragança
sexta-feira, 26 setembro 2014 3:12

Retrocesso, incoerência, perda de oportunidade, falta de liderança. Essas foram opiniões dadas por ambientalistas que acompanham negociações climáticas ouvidos pelo ((o))eco para descrever a postura do Brasil em não assinar o acordo da Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), que previa a meta de reduzir o desmatamento pela metade até 2020 e a zero até 2030.

A Cúpula do Clima terminou com compromisso assumido por 150 países. O Brasil não assinou.

Conversamos com Sérgio Abranches, cientista político e autor do livro Copenhague, antes e depois, sobre a Conferência das Partes do Clima em Copenhague (COP 15), realizada em 2009. Abranches ressaltou que as emissões brasileiras têm aumentado e que as grandes obras do governo estão estimulando o desmatamento. Para Mario Mantovani, diretor de políticas públicas da Fundação SOS Mata Atlântica, estamos assistindo a um dos retrocessos mais absurdos da história da política ambiental brasileira, em que o Brasil volta a abraçar um discurso “anos 70” de que é direito dos países em desenvolvimento poluir até se igualarem ao ricos. Carlos Rittl,  secretário executivo do Observatório do Clima, enfatizou que o governo brasileiro já havia se comprometido com a sociedade brasileira a zerar o desmatamento líquido em todos os biomas do país. A meta era para que essa realidade começasse a valer já em 2015.

Veja a posição de cada especialista

Sérgio Abranches: “o governo Dilma não tem nenhum compromisso ambiental, nem climático”

O Brasil já havia superado essas discussões,  já tinha feito o debate da questão florestal no debate climático. E agora, quando ele se recusa a participar do compromisso de diminuir pela metade o desmatamento até 2020 e a zero até 2030, recusa-se a ter uma liderança no processo na política florestal global.

E essa recusa é ruim, pois o Brasil deveria ter essa liderança por duas razões, uma positiva e uma negativa. A razão positiva é que nós somos uma potência florestal. Temos a maior reserva florestal do mundo. A segunda, porque nós continuamos sendo o maior desmatador do mundo. Então, em ambos os aspectos, nós temos um capital florestal significativo, e existe um dever de casa importante pra fazer na questão do desmatamento. A gente tinha que participar, era nossa obrigação.

Então, foi mal casada a atitude que o Brasil teve lá em Nova York. O discurso da Dilma foi um discurso muito fraco. Ela fez algo que tem repetido com certa frequência, que esconde as fragilidades do governo dela, principalmente na área ambiental: falar do passado sem admitir os problemas do presente.

Caíram as emissões florestais, mas o fato é que as emissões do setor de transporte, energia e agricultura estão aumentando muito. E o governo não faz absolutamente nada para diminuir as emissões, pelo contrário, ele incentiva, seja sujando a matriz elétrica, seja subsidiando a gasolina e o óleo diesel. O governo tem um papel ativo no aumento das emissões. E na questão das florestas, ele também tem um papel ativo. Porque as obras de infraestrutura do governo são os maiores vetores de desmatamento. O governo não exige o cumprimento de nenhuma das condicionantes ambientais dos licenciamento das obras de infraestrutura, faz vista grossa para a área ambiental e social e continua tocando obras. E isso, evidentemente, estimula o desmatamento. É um reflexo, uma demonstração, de que o governo Dilma não tem nenhum compromisso ambiental, nem climático.  

Mario Mantovani: “Foi um tiro no pé. Contra o Brasil, contra o meio ambiente e contra a humanidade”

O Brasil ficou na cadeira de um processo em que estava indo muito bem, graças a Deus, e que não dependia desse governo. E agora a gente está assistindo um dos retrocessos mais absurdos da história.

Além [do governo] ter destruído o Ministério do Meio Ambiente e a gestão das Unidades de Conservação, ter deixado prosperar a PEC 215, não regularizar a PEC do Cerrado, entre tantas oportunidades que o Brasil está perdendo, essa agora foi um tiro no pé. Contra o Brasil, contra o meio ambiente e contra a humanidade.

A gente tinha mudado essa postura. Em vários fóruns, o Brasil tinha tomado a liderança. O que acabou de acontecer foi um golpe contra todo esse processo. O Brasil estava saindo desse discurso dos anos 70 [de defender que os países pobres mantenham a prerrogativa de se desenvolver, mesmo à custa do meio ambiente, como fizeram os países ricos no passado. Esse papo não cola mais. A Dilma está ressuscitando esse papo.

Sobre a Izabella, para quem fez a escadinha de APP, não tem moral para falar que o Brasil não sabia. Sabia muito bem, sim senhor, porque foi consultada. Ela usou essa mesma conversa pra aliviar na Rio+20. Aquele documento pífio, esdrúxulo, que apresentou lá e onde usou essa mesma justificativa: o Brasil precisa amadurecer e tal, isso é coisa de quem não tem o que falar e é melhor ficar quieto do que falar besteira.

Carlos Rittl: “Nós mesmos tínhamos uma meta melhor”

Foi uma grande oportunidade perdida. Precisamos lembrar que o Brasil, em 2008, incluiu no seu Plano Nacional de Mudanças Climáticas o objetivo de reduzir a zero o desmatamento líquido em todos os biomas até 2015. Esse compromisso proposto por essa coalizão de países e instituições, ele é pra 2030. Nós mesmos já assumimos esse compromisso internamente.

Se o Brasil estava falando sério sobre esse compromisso assumido pelo governo perante a sociedade brasileira, isso já teria sido suficiente para deixar o país em plenas condições de assinar um compromisso similar assumido pelos outros países, porque a nossa meta seria de antecipar o que se pretende chegar em 2030. É de lamentar, então, o discurso da ministra Izabella e o fato do Brasil ter ficado de fora desse acordo.

O Brasil é um grande emissor, talvez o 7º maior emissor mundial. Está entre os 5 responsáveis pelo aquecimento global acumulado, de acordo com estudos recentes.

A impressão é que o governo está confortável em relação ao que já fez e não tem grandes obrigações daqui pra frente. Não dá mais para ficar olhando pelo retrovisor apenas. Precisamos entender que, em algum momento, o Brasil será cobrado a assumir compromissos obrigatórios de redução de suas emissões nas negociações sobre clima da Conferência de Mudanças Climáticas das Nações Unidas. 

O país repete esse discurso [de não se comprometer] como se fosse contraditório reduzir as emissões e reduzir os riscos dos impactos das mudanças climáticas. Como se fosse contraditório você investir em medidas de mitigação e adaptação. Como se não fosse muito mais caro não fazer, não assumir compromissos,  não preparar nossa economia para esse momento em que todos serão cobrados pelas emissões que provocam.  

 

Leia Também
“O Brasil não anuncia promessas, mostra resultados”, diz Dilma
Brasil, entre o berço esplêndido e caos climático
Caminhada pelo clima reúne quase 1 milhão em todo o mundo

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.