Notícias

Rabo-de-palha-de-bico-laranja: escondido na ilha

Em outras partes do mundo, o Phaethon lepturus voa com tranquilidade. Por este lados, a ave tem que buscar refúgio em nossos não tão remotos arquipélagos.

Redação ((o))eco ·
29 de agosto de 2014 · 7 anos atrás

O rabo-de-palha-de-bico-laranja ([i]Phaeton lepturus[/i]), também conhecido como rabo-de-junco-de-bico-laranja e granzina, sobrevoa as águas da costa norte de Porto Rico. Foto:
O rabo-de-palha-de-bico-laranja ([i]Phaeton lepturus[/i]), também conhecido como rabo-de-junco-de-bico-laranja e granzina, sobrevoa as águas da costa norte de Porto Rico. Foto:

O rabo-de-palha-de-bico-laranja (Phaethon lepturus) é uma ave marinha de médio porte típica das águas tropicais do Atlântico, oeste do Pacífico e Oceano Índico. Em uma escala global, a espécie parece ter uma população numerosa e bem distribuída, motivo pelo qual a IUCN a classifica como Pouco Preocupante. No Brasil, entretanto, a perda e a introdução de espécie exótica em seus habitats, somadas às perturbações causadas pelo turismo, levaram o ICMBio à apontar o rabo-de-palha como uma espécie Vulnerável à extinção. Hoje, o rabo-de-palha só pode ser encontrado nos Parques Nacionais Marinhos de Fernando de Noronha e Abrolhos, e também na Reserva Biológica de Atol das Rocas.

 

 

Leia Também
Macaco-prego-de-crista: vítima da Mata Atlântica
Onça-pintada: uma nova esperança
Macaco-Aranha: contempla o seu futuro

 

 

 

Leia também

Notícias
21 de junho de 2021

Estado do Rio reconhece sua 100ª reserva particular

A marca da centésima Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) foi alcançada na última semana. Reservas correspondem a mais de 8.400 hectares protegidos no estado

Reportagens
21 de junho de 2021

Coalizão entre ciência e sociedade acena com esperança para a Baía de Guanabara

Universidade do Mar buscará potencializar parcerias para enfrentamento da problemática socioambiental da baía mais populosa e degradada do Estado do Rio de Janeiro

Salada Verde
21 de junho de 2021

Salles exonera superintendente do Ibama no Acre

Helen de Freitas Cavalcante ficou três meses no cargo. Antes de assumir a superintendência do Ibama, advogada atuava na defesa de infratores ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta