Notícias

Ultrapassamos cada vez mais cedo os limites da Terra

Hoje é o Dia da Sobrecarga, a partir de agora a humanidade entra em débito com os recursos renováveis do planeta, dizem ativistas

Redação ((o))eco ·
19 de agosto de 2014 · 7 anos atrás
Ultrapassamos cada vez mais cedo os limites da Terra. Imagem: Wikipédia.

Ultrapassamos o limite de recursos naturais gerados pelo planeta para o ano. A partir dessa data, entramos no cheque especial. Dados divulgados hoje (19) mostram que em 8 meses a humanidade usou todos os recursos naturais disponíveis para os 12 meses do ano. A análise, intitulada Dia da Sobrecarga da Terra, é calculada desde 2000 pela Global Footprint Network. Todo ano a data da conta em vermelho chega mais cedo. Em 2000, o dia da sobrecarga chegou no dia 1º de outubro, 43 dias a mais da data deste ano, quando a sobrecarga chegou no dia 19 de agosto.

Os cálculos afirmam que seriam necessários 1,5 planeta para produzir os recursos ecológicos necessários para suportar a atual pegada ecológica mundial. O Brasil não fica atrás: consume acima de 50% da capacidade anual do planeta. O consumo médio de recursos renováveis do País equivale a 1,6 planetas.

Para Maria Cecilia Wey de Brito, CEO do WWF-Brasil, ONG parceira da Global Footprint Network, o cidadão deve repensar seus hábitos de consumo.

“Temos que entender que tudo isso afeta diretamente o meio ambiente e também a vida das pessoas, de cada um de nós. O cidadão pode fazer a sua parte adotando uma postura crítica e melhorando os seus hábitos de consumo. O poder público, por sua vez, é responsável por planejar e implementar políticas públicas de mitigação, como transporte público menos poluente, instalação de ciclovias e planejamento ambiental. Na outra ponta, as empresas têm o papel de melhorar suas cadeias produtivas oferecendo aos consumidores produtos mais sustentáveis”, explica.

A grande maioria da população mundial (85%) vive em países que demandam mais da natureza do que os seus ecossistemas podem renovar.

“O uso dos recursos naturais acima da capacidade da Terra está se tornando um dos principais desafios do século 21. É um problema tanto ecológico quanto econômico. Países com déficits de recursos e baixa renda são ainda mais vulneráveis. Até mesmo países de renda per capita alta, que tem a vantagem financeira de se bloquearem dos impactos mais diretos da dependência de recursos, precisam saber que uma solução a longo prazo exige abordar essas dependências antes que se transformem numa situação de crise econômica”, afirma Mathis Wackernagel, presidente da Global Footprint Network.

 

Leia Também
A economia, o comércio e a pegada ecológica
15 de março, Dia do Consumidor: calcule sua pegada ecológica
Nova forma de confrontar problemas ambientais no Brasil?

 

 

 

Leia também

Notícias
23 de setembro de 2021

Sociedade civil repudia propostas antiambientais da Economia

Planos de Paulo Guedes e setor empresarial para o meio ambiente estão sendo analisados pelo Ibama, que tem até dia 30 de setembro para responder

Reportagens
23 de setembro de 2021

Ilegal, desmate autorizado pelo governo da Bahia é maior que a cidade do Recife

Área compõe latifúndio considerado um dos maiores casos de grilagem do país. Titulação do território tradicional das comunidades geraizeiras do Cerrado é fundamental para conter a devastação

Reportagens
22 de setembro de 2021

Mudança climática deve alterar o funcionamento de comunidades de microrganismos marinhos, aponta estudo

Grupo de pesquisadores de várias partes do mundo concluiu que o plâncton do planeta se organiza em consórcios microbianos, em que uma espécie depende da outra para viver

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta