Notícias

Copa do Mundo das áreas protegidas: Costa do Marfim

Ambicioso no futebol e na conservação, esta ex-colônia francesa que se tornou independente em 1960 precisa se esforçar nas duas atividades.

Eduardo Pegurier ·
4 de julho de 2014 · 7 anos atrás

A Costa do Marfim não é exatamente uma potência de futebol. Seu nome oficial é em francês, “République de Cotê d’Ivoire”, um país do oeste da África, com 322 mil km² (cerca de 4% do tamanho do Brasil) e capital na cidade de Abidjan. Tem fronteiras com a Libéria, Guiné, Mali, Burkina Faso e Gana. Foi colônia da França até conseguir sua independência apenas em 1960. Com esse histórico tão curto como país soberano, obteve sua primeira classificação para Copas do Mundo em 2006, na Copa da Alemanha, quando deu azar de cair no “grupo da morte” daquela competição, junto com Argentina, Holanda e Sérvia. Foi eliminada na primeira fase, mas ganhou o gosto de se classificar para Copas, e conseguiu vaga tanto no evento de 2010, na África do Sul, quanto nesta Copa brasileira. Nas duas, também foi eliminada na primeira fase. O apelido da sua seleção é “os elefantes”, alusão ao animal que é símbolo do país, usado no escudo da camisa dos jogadores.

Falando em Natureza, se o país tem muito a aprender no futebol, exibe números vistosos quando se trata de áreas protegidas. Entretanto, como no futebol, os resultados dos esforços de proteção são precários. De acordo com o site Protected Planet, que agrega estatísticas WCPA (World Commission on Protected Areas), a Costa do Marfim protege 22,59% do seu território, o equivalente a 7,3 milhões de hectares (73.215 km2), um número 11,1% acima da média mundial. Em compensação, a quantidade de proteção marinha é mínima, apenas 0,07% da sua área marinha total. Na contagem, o país tem 254 áreas protegidas, das quais 236 são terrestres e 6 são marítimas.

A Costa do Marfim tem 8 Parques Nacionais (áreas da Categoria II na classificação da IUCN), que são administrados pela agência “Office Ivoirien des Parcs et Réserves”. São eles: Azagny (19.000 hectares), Banco, (3.000 hectares), Comoe (1.150.000 hectares), Iles Ehotile (10.500 hectares), Marahoué (101.000 hectares), Mont Peko (34.000 hectares), Mont Sangbe (95.000 hectares), e Taï (330.000 hectares)

O Parque Nacional Marahoué foi criado em 1968, fica na parte central da Costa do Marfim, próximo ao lago Kossou, e é um bom exemplo das dificuldades da conservação no país. O parque possui dois tipos de vegetação, florestas fechadas no seu sudoeste e savanas na sua área nordeste. Entre as suas espécies mais importantes está o chimpanzé (Pan troglodytes verus). Infelizmente, estima-se que a população deste animal caiu de 1.400 indivíduos, em 1995, para menos de 50 nos últimos anos. Além da caça ilegal, este desastre ocorreu por que o Marahoué também perdeu a maior parte da sua cobertura florestal nos últimos anos, em consequência de um processo conhecido dos brasileiros: desmatamento seguido de expansão da fronteira agrícola. Lá, também vivem outros animais de grande porte como Elefantes (Loxodonta africana), búfalos e hipopótamos.

Veja abaixo algumas das figurinhas carimbadas das unidades de conservação da Costa do Marfim.

Parque Nacional Taï
Parque Nacional Taï

Se você quiser torcer para o Brasil neste campeonato de áreas protegidas, acesse o WikiParques e conheça mais sobre as unidades de conservação de nosso país. O WikiParques é um site interativo dedicado aos cidadãos que querem compartilhar seus conhecimentos, explorar e debater sobre nossos Parques Nacionais e áreas protegidas. Colabore para proteger.

 

Leia também
Copa do Mundo das áreas protegidas: Estados Unidos
Copa do Mundo das áreas protegidas: Espanha
Copa do Mundo das áreas protegidas: Argentina
Copa do Mundo das áreas protegidas: Alemanha
Copa do Mundo das áreas protegidas: Costa Rica
Copa do Mundo das áreas protegidas: Itália
Copa do Mundo das áreas protegidas: Gana
Copa do Mundo das áreas protegidas: Coréia do Sul
Copa do Mundo das áreas protegidas: Nigéria
Copa do Mundo das áreas protegidas: Inglaterra
Copa do Mundo das áreas protegidas: Camarões
Copa do Mundo das áreas protegidas: Argélia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Bósnia e Herzegovina
Copa do Mundo das áreas protegidas: Suíça
Copa do Mundo das áreas protegidas: Colômbia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Austrália
Copa do Mundo das áreas protegidas: México
Copa do Mundo das áreas protegidas: Irã
Copa do Mundo das áreas protegidas: Honduras
Copa do Mundo das áreas protegidas: Grécia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Chile
Copa do Mundo das áreas protegidas: Croácia
Áreas protegidas do mundo em incríveis fotos 360°

 

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Análises
14 de setembro de 2021

Um ladrão com velhos hábitos é um ladrão preguiçoso, o caso do fóssil Ubirajara

O fóssil do dinossauro brasileiro “Ubirajara jubatus” exportado do país ilegalmente em 1995 para um museu alemão, que se recusa a devolvê-lo, expõe como a dinâmica imperialista segue viva

Notícias
14 de setembro de 2021

Pantanal: Jacaré debilitado é resgatado de rio seco e transferido para local onde ainda há água

Equipes de resgate precisam avaliar qual animal ainda tem chance de sobreviver e pode ser resgatado. É Corrida contra o tempo para evitar a morte de mais animais silvestres

Salada Verde
13 de setembro de 2021

O apocalipse não veio, mas a multa pela infração ambiental virá

Dupla que foi deixada de helicóptero e acampou sem autorização no cume do Dedo de Deus desde 02/09 finalmente desce com apoio de escalador

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta