Notícias

Parques Nacionais pedem socorro, alertam ambientalistas

Visitação pode gerar cerca de R$ 2 bilhões de receita por ano, contudo parques sofrem falta de recursos.

Fabíola Ortiz ·
16 de maio de 2014 · 7 anos atrás
Vista do Pico da Tijuca, por entre a vegetação colorida, em dia de céu azul. Foto: Duda Menegassi
Vista do Pico da Tijuca, por entre a vegetação colorida, em dia de céu azul. Foto: Duda Menegassi

Com os sucessivos cortes no orçamento destinado à conservação de áreas protegidas, os 69 Parques Nacionais no Brasil estão agonizando e “pedem socorro”. Esta foi a mensagem deixada por ambientalistas que estão reunidos, até domingo (18), em São Paulo para a feira de esportes de aventura Adventure Sports Fair 2014.

“Cada vez mais são pouquíssimas pessoas para cuidar de milhares de hectares e, a cada dia, surge um projeto de lei diferente que enfraquece mais o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC)”, disse a ((o))eco Anna Carolina Lobo, coordenadora do Programa Mata Atlântica da Rede WWF.

O orçamento total do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) sofreu com dois cortes severos em 2013. O atual orçamento do ICMBio criado em 2007 para gerir as 313 Unidades de Conservação (UCs) é de R$516 milhões, correspondente a um quarto do total do Ministério do Meio Ambiente. Contudo, mais da metade deste valor é destinado a despesas fixas como folha de pagamento de servidores (R$ 266.9 milhões). O restante, ou seja, R$ 211 milhões é o que sobra para investir nas UCs, em serviços e gestão.

“O que significa um funcionário para 150 mil hectares e menos de 1 dólar por hectare”, afirmou Lobo segundo cálculos feitos pela organização. Na sua opinião, os Parques Nacionais representam o “maior ativo” ambiental no país que tem como ecoturismo uma fatia de negócio bastante lucrativa.

“O Parque Nacional é uma categoria de UC que permite turismo. A minoria absoluta dos 69 parques não está estruturada para receber turismo. Proporcionar experiência de atividades outdoor dentro de parques, permite que a sociedade conheça e os valorize”, enfatizou a ambientalista.

O estudo Contribuição das Unidades de Conservação Brasileiras para a Economia Nacional apontou que a visitação nos parques existentes podem gerar R$ 1,8 bilhão de receitas por ano, uma vez que tem o potencial de receber 13,7 milhões de visitantes até 2016, ano das Olimpíadas.

O documento foi elaborado pelo Centro de Monitoramento da Conservação Mundial do Programa das Nações Unidas pelo Meio Ambiente (PNUMA) e pelo Ministério do Meio Ambiente em 2011. Se somadas todas as UCs federais e estaduais, a projeção de receita se aproxima de R$ 2,2 bilhões com um fluxo de 20 milhões de pessoas até 2016.

Quando Anna Lobo defende os parques como um grande ativo ambiental, ela não está errada. Segundo este estudo, o Brasil possui a terceira maior cobertura florestal do planeta com 524 milhões de hectares, 61,5% de todo território. Deste montante, a área de florestas naturais cobre 517 milhões de hectares, dos quais as UCs federais protegem 77 milhões de hectares, 15% dessa área, de acordo com dados do Serviço Florestal Brasileiro (SFB).

O Centro de Monitoramento da Conservação Mundial projeta ainda que as unidades no Brasil foram capazes de impedir a emissão de, pelo menos, 2,8 bilhões de toneladas de carbono, com um valor monetário conservadoramente estimado em R$ 96 bilhões. O estoque de carbono cujas emissões foram evitadas por nossas unidades é de R$ 2,9 a R$ 5,8 bilhões por ano.

“A princípio, todos os parques estariam abertos a visitação com exceção de poucos.

Enquanto os localizados na mata atlântica como o da Tijuca e o de Iguaçu são mais estruturados, o resto, na prática, se você vai sem avisar, corre o risco de ser barrado. As vezes o portão fica fechado, é preciso se programar com muita antecedência. Isso se repete em vários parques porque muitos não têm estrutura mesmo”, relatou Lobo. Apenas 26 parques estão abertos à visitação e só 18 possuem infraestrutura satisfatória. Em mais um estudo, desta vez do Funbio, seriam necessários investimentos da ordem de R$ 700 milhões para a consolidação de todas as UCs federais. Uma única UC sem visitação leva, em média, quatro anos para se estruturar e carece de R$ 3,3 milhões. Os cálculos do estudo dão conta da necessidade de investir R$ 700 milhões para consolidar todas as unidades federais.

“Quando a gente pensa em uma estrutura digna, é difícil pensar que o governo irá triplicar o orçamento, mas poderia fazer parcerias com o terceiro setor ou setor privado e ainda cogestão com fundações sem fins lucrativos. Existe o caso do Parque da Tijuca que há uma parceria com o município do Rio de Janeiro”, comentou. Na opinião da ambientalista, os parques são ainda muito mal aproveitados, esta é porém uma “questão de abraçar uma política de conservação”.

Lobo defende ainda que o órgão de gestão das unidades no Brasil fosse uma referência, tal como o National Park Service nos EUA e o South Africa National Parks da África do Sul.

 

Leia também
As áreas protegidas do WikiParques em fotos 360°
Um santuário das perobas-rosas no sul do Brasil

Mangue Seco, um dos grandes atrativos de Jericoacoara

 

 

  • Fabíola Ortiz

    Jornalista e historiadora. Nascida no Rio, cobre temas de desenvolvimento sustentável. Radicada na Alemanha.

Leia também

Salada Verde
27 de setembro de 2021

NDC brasileira é pauta principal na 3 edição Conferência Brasileira de Mudança do Clima

Com transmissão online e gratuita, evento proporciona cinco dias de debates, com a presença de governadores, lideranças indígenas, jovens ativistas e organizações da sociedade civil

Notícias
27 de setembro de 2021

Ibama diz não que lhe cabe avaliar as propostas antiambientais sugeridas pela pasta do Guedes

Em ofício, presidente do Ibama afirmou que as proposições “dizem respeito às ações governamentais (políticas públicas) que não competem ao Ibama”. Sociedade civil pede para que MPF tome providências

Análises
27 de setembro de 2021

A Amazônia no Acre pede socorro

A contribuição do governo do Estado do Acre para a boiada do desmatamento e das queimadas avançar no território acreano. Estado é o terceiro que mais desmatou em agosto

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta