Balança do ouro pesa contra a floresta em Madre de Dios

Vandré Fonseca
segunda-feira, 28 outubro 2013 19:23

O Observatório Aerotransportado Carnegie (CAO, em inglês) voa sobre Madre de Dios, no Peru, onde a mineração de outro está devastando e poluindo grandes áreas. Crédito: cortesia Carnegie Airbone Observatory
O Observatório Aerotransportado Carnegie (CAO, em inglês) voa sobre Madre de Dios, no Peru, onde a mineração de outro está devastando e poluindo grandes áreas. Crédito: cortesia Carnegie Airbone Observatory

Depois de varrerem a floresta peruana de Madre de Dios com sensores de satélites, raios laser e expedições à região, pesquisadores da Carnegie Institution for Science, dos Estados Unidos, e do Ministério Peruano do Meio Ambiente concluíram que a taxa de desmatamento na região triplicou após 2008, quando a crise econồmica mundial fez crescer a procura global pelo ouro. Os dados publicados esta semana em um artigo no jornal científico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) indicam também que a área atingida pela atividade ilegal aumentou cinco vezes entre 1999 e 2012.

“Nossos resultados revelam muito mais danos à floresta do que foi informado anteriormente por governo, organizações não-governamentais ou outros pesquisadores”, afirma Greg Asner, engenheiro ambiental da Carnegie Institution e líder do estudo. “Ao todo, nós descobrimos que a taxa de perda de floresta pela mineração acelerou de 2.166 hectares por ano, antes de 2008, para 6.145 hectares por ano, após a crise econômica de 2008, que fez disparar o preço do ouro”, completa. O estudo indica também que o peso de pequenas minas na destruição da floresta está crescendo em relação às grandes áreas de mineração.

O sistema de análise de dados desenvolvido pela Carnegie Instituition, o Carnegie Landsat Analysis System-lite (CLASlite), utilizado no estudo, permite identificar alterações na paisagem em áreas muito pequenas, de 10 metros quadrados. As informações foram checadas com visitas a campo e também por meio de equipamentos capazes de produzir mapas em três dimensões do dossel das árvores, com precisão de 1,1 metro. Em 94% das vezes, a área desmatada identificada pelo satélite foi confirmada pelos outros métodos.

O mapa produzido pelo CLASlite mostra áreas ao longo do rio Madre de Dios degradadas pelo garimpo de outro ilegal, entre 1999 e 2012. Crédito: cortesia equipe CLASlite
O mapa produzido pelo CLASlite mostra áreas ao longo do rio Madre de Dios degradadas pelo garimpo de outro ilegal, entre 1999 e 2012. Crédito: cortesia equipe CLASlite

O conselheiro sênior do Ministério Peruano do Meio Ambiente, Ernesto Raez Luna, co-autor do estudo, destaca a importância das informações obtidas para guiar as ações do governo. “Nós estamos usando este estudo para alertar os peruanos sobre o impacto terrível da mineração ilegal em um dos mais importantes enclaves da biodiversidade do mundo, um lugar que nós, como nação, protegemos para toda a humanidade”, afirmou. “Ninguém deveria comprar um grão deste ouro selvagem. A mineração tem que ser parada.”

O desmatamento não é o único dano ambiental causado pela mineração ilegal. Ela é responsável também pela poluição dos rios por mercúrio, que atinge a cadeia alimentar, afetando inclusive populações locais. Garimpeiros também são acusados de caça ilegal, que estaria esgotando a fauna nos arredores das minas e provocando um desequilíbrio ecológico que poderia permanecer por séculos, segundo os autores do estudo. “A corrida do ouro em Madre de Dios, no Peru, excede os efeitos combinados de todas as outras causas de perda de floresta na região, incluindo exploração de madeira, pecuária e agricultura”, enfatiza Asner. “Isto é realmente importante porque estamos falando de um hotspot global de biodiversidade. A fauna e a flora incríveis da região estão sendo perdida devido à febre do ouro.”

 

 

Leia Também
Madre de Dios: os custos devastadores da corrida do ouro
Peru: grandes projetos de mineração miúda ameaçam Amazônia
Informalidade ganha de grandes empresas na degradação ambiental

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.