Peru: operação policial contra mineração ilegal em reserva

Giovanny Fabio Vera Stephanes
sexta-feira, 4 outubro 2013 23:19

A repressão e a destruição do equipamento usado na mineração ilegal são alguns dos motivos para a greve nacional de mineradores peruanos. Crédito: Ministério do Interior do Peru
A repressão e a destruição do equipamento usado na mineração ilegal são alguns dos motivos para a greve nacional de mineradores peruanos. Crédito: Ministério do Interior do Peru

A Polícia Nacional do Peru realizou no dia 25 de setembro uma operação para combater a exploração mineral em La Pampa, zona de amortecimento da Reserva Nacional Tambopata. A ação executada por 400 policiais conseguiu destruir 38 motores, 950 metros de mangueiras e 23 dragas.

A operação teve o apoio das Forças Armadas e foi comandada pelo Ministro do Interior, Wilfredo Pedraza Sierra, que anunciou a criação de uma frente de controle policial com 500 homens na região, com o objetivo de “recuperar o território e insistir na tarefa de interdição” contra a mineração ilegal.

O ministro ressaltou que na “zona de La Pampa nunca haverá mineração legal (…) porque a zona de amortecimento é uma zona de proteção e de reserva, onde não pode ser autorizada a mineração”.

De acordo com o ministro Pedraza, cinco grupos militares operaram simultaneamente contra a mineração ilegal na zona de La Pampa, mas que também estão trabalhando no triângulo de mineração formado pela zona de Cusco e de Quincemil, “onde a mineração ilegal está absolutamente proibida”.

Durante a operação, máquinas pesadas na mineração ilegal foram destruídas para evitar a reutilização em lugares de exploração proibida. Crédito: Ministério do Interior do Peru
Durante a operação, máquinas pesadas na mineração ilegal foram destruídas para evitar a reutilização em lugares de exploração proibida. Crédito: Ministério do Interior do Peru

O território em questão é a zona de amortecimento da Reserva Nacional Tambopata. A zona onde foi realizada a operação, La Pampa, é uma área perto da fronteira com a Bolívia e com uma alta riqueza aurífera encontrada nos rios da região. Pela mineração ilegal, atualmente a zona apresenta uma paisagem de destruição e contaminação. De acordo com o Ministério do Ambiente, a mineração informal no Peru já arrasou mais de 40 mil hectares de florestas.

Mineradores ilegais versus governo peruano

O Ministro do Interior comandou a operação em La Pampa, e afirmou que neste lugar não haverá exploração de minério, por ser a zona de amortecimento da Reserva Nacional de Tambopata. Crédito: Ministério do Interior do Peru
O Ministro do Interior comandou a operação em La Pampa, e afirmou que neste lugar não haverá exploração de minério, por ser a zona de amortecimento da Reserva Nacional de Tambopata. Crédito: Ministério do Interior do Peru

Para lidar com essas ameaças, o governo peruano está realizando a formalização de pequenos mineradores e mineradores artesanais, que não usam máquinas pesadas e que não trabalham em zonas não autorizadas. Já os mineradores fora da lei estão sendo reprimidos, como foi o exemplo da ação em Tambopata.

Por esse motivo, os integrantes da Confederação Nacional de Mineradores Artesanais e Pequenos Produtores Mineradores do Peru começaram neste dia 30 de setembro uma greve nacional, contra a repressão e a destruição de equipamentos e máquinas usadas na mineração nos leitos dos rios, que são áreas proibidas, e contra um fracassado processo de formalização, denunciou a Confederação.

 

Mapa

 

Video

 

 

Leia Também
Madre de Dios: os custos devastadores da corrida do ouro
Peru: grandes projetos e mineração miúda ameaçam Amazônia
Revisitando a Interoceânica Sul, na Amazônia peruana

 

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.