Notícias

Colômbia reduziu sua taxa anual de desmatamento

Controle nos fatores de pressão sobre a floresta, como a pecuária extensiva e a atividade madeireira, é apontado como causa da redução.

Giovanny Vera ·
19 de agosto de 2013 · 8 anos atrás

Juan Gabriel Uribe, Ministro de Meio Ambiente e Omar Franco, diretor do IDEAM apresentaram novos dados sobre o desmatamento na Colômbia. Foto: Juan José Posada – IDEAM.
Juan Gabriel Uribe, Ministro de Meio Ambiente e Omar Franco, diretor do IDEAM apresentaram novos dados sobre o desmatamento na Colômbia. Foto: Juan José Posada – IDEAM.

A Colômbia reduziu sua taxa anual de desmatamento em 39% durante o período entre 2011 e 2012. Foram 148 mil hectares, em média, de perda anual de floresta, contra a média de 238 mil hectares por ano, registrado entre 2005 e 2010, segundo informações do Ministério de Meio Ambiente e o Instituto de Hidrologia, Meteorologia e Estudos Ambientais (IDEAM).

De acordo com as duas instituições, a Colômbia teria perdido 296 mil hectares de florestas durante os anos 2011-2012, e a região mais afetada foi a Amazônia, localizada nos departamentos de Caquetá, Meta e Guaviare, onde foram registrados 46% do desmatamento do país. Porém, a mesma região mostrou avanços, já que durante os mesmos anos marcou um descenso na média anual de desmatamento, de quase 10 mil hectares.

Estes dados são resultado do sistema de monitoramento de florestas e carbono que o IDEAM realiza desde 2010 com o apoio da Fundação Gordon e Betty Moore. De acordo com o Ministério de Meio Ambiente, foram investidos seis milhões de dólares para o desenvolvimento deste sistema, que oferece uma visão geral e também específica por regiões sobre o desmatamento no país, o que permite tomar as melhores decisões para combater a degradação da floresta.

Este novo sistema foi criado por cientistas colombianos em colaboração com especialistas estrangeiros, e permite o lançamento de alertas a cada seis meses e obter uma quantificação mais precisa do desmatamento no país a cada dois anos.

Para o Ministério, a redução na taxa de desmatamento coincide com a diminuição dos cultivos de folha de coca  — especialmente nas regiões de Nariño e Cauca –, com o incremento de esforços no controle da exploração de madeira e da mineração, e a redução do avanço da fronteira agropecuária, com o incentivo à pecuária sustentável.

De acordo com a informação divulgada pelo IDEAM, a Colômbia apresenta 59.816.403 hectares de cobertura florestal remanescente, sendo 52,5% da superfície continental do país. As principais florestas remanescentes estão na região Amazônica, com 67% delas, e na região Andina, com 17% do total.

Caquetá, Meta e Guaviare são as regiões mais afetadas pelo desmatamento na Amazônia colombiana.

 

 

Leia Também
Fundo Amazônia financiará monitoramento da floresta fora do Brasil
Mapa interativo mostra desmatamento dos 9 países da Amazônia

 

 

 

  • Giovanny Vera

    Giovanny Vera é apaixonado pela área socioambiental. Especializado em geojornalismo e jornalismo de dados, relata sobre a Pan-Amazônia.

Leia também

Reportagens
13 de setembro de 2021

O primeiro mapa completo dos recifes de corais tropicais em águas rasas está aqui

A ferramenta pioneira funciona junto com um mecanismo que acompanha eventos de branqueamento de corais em tempo quase-real pelo mundo

Notícias
13 de setembro de 2021

Luta contra a fome e a sede: realidades duras enfrentadas pela fauna pantaneira

Macacos-pregos ficam entusiasmados após verem que o Grupo de Resgate de Animais em Desastres estava com frutas e param de evitar contato. Escassez de alimentos explica mudança no comportamento

Notícias
12 de setembro de 2021

Compre tuviras e salve ariranhas ilhadas pela seca no Pantanal

Grupo abastece com água e peixes os rios secos que cruzam a Transpantaneira. Medida é para evitar que ariranhas e lontras morram de sede e fome

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta