Notícias

Pica-pau-dourado-escuro: o primo brasileiro

Neste animal da semana, ((o))eco lança o holofote sobre um pica-pau que não é tão conhecido quanto aquele dos desenhos de sábado pela manhã.

Redação ((o))eco ·
5 de abril de 2013 · 8 anos atrás

No Pantanal, um Piculus chrysochloros subespécie chrysochloros , uma das nove conhecidas. Foto: Cláudio Timm/Flickr.
No Pantanal, um Piculus chrysochloros subespécie chrysochloros , uma das nove conhecidas. Foto: Cláudio Timm/Flickr.

Conta a lenda que o cartunista e produtor Walter Lantz teve a ideia para o seu famoso personagem Pica-Pau (Woody Woodpecker, no original) durante sua lua-de-mel, quando um barulhento pica-pau Dryocopus pileatus bicava incessantemente no telhado de seu quarto. Walter pensou em atirar na ave, mas sua esposa Grace sugeriu que, ao invés disso, o cartunista a usasse como inspiração e fizesse dele um personagem de desenho animado. O resto é história.

O desenho animado popularizou a ave, mas é incapaz de mostrar a variedade de espécies de pica-pau. Ao Sul do Equador, a família picidae é extensa e inclui, dentre tantos, o pica-pau-dourado-escuro (Piculus chrysochloros), nosso homenageado da semana.

Com o personagem animado só guarda semelhança a plumagem vermelha da cabeça, para os machos. As fêmeas, dependendo da subespécie, podem apresentar cabeça verde-oliva (tal qual o dorso) ou amarela. O corpo, seja ele macho ou fêmea, apresenta coloração verde-olivácea no dorso, e amarela barrada em marrom-oliva no ventre.

O p. chrysochloros faz seu ninho em cavidades de árvores, podendo ser encontrado em florestas úmidas, no cerrado e na caatinga, biomas que fornecem os cupins e larvas de casca de árvore, que fazem parte da sua dieta. Para esta tarefa, o pica-pau-dourado-escuro apresenta uma extensa língua, serrilhada e bastante adaptada aos hábitos sondadores.

Atualmente, o complexo piculus chrysochloros engloba nove subespécies de difícil distinção: p. c. aurosus, p. c. xanthochlorus, p. c. chrysochloros, p. c. paraensis, p. c. capistratus, p. c. guianensis, p. c. laemostictus, p. c. hypochryseus e o p. c. polyzonus. Com tantas subespécies e extensa área de ocorrência, a IUCN classifica a espécie como “Pouco Preocupante”, mesmo com queda populacional nos últimos anos.

No Brasil, a subespécie piculus chrysochloros polyzonus, o pica-pau-dourado-escuro-do-sudeste, endêmico das matas de baixada do Espírito Santo e do Rio de Janeiro, é considerada pela ICMBio como “Vulnerável” em razão da perda/degradação do seu habitat, a Mata Atlântica. E, como não são conhecidos registros recentes para o estado do Rio de Janeiro, a ave pode estar extinta.

 

 

 

 

 

 

Leia também

Reportagens
17 de maio de 2021

Sete aves da Mata Atlântica foram extintas nas últimas décadas

A maioria das aves extintas ocorria no Centro de Endemismo Pernambuco, no nordeste, e os pesquisadores alertam para outras nove espécies da Mata Atlântica que estão à beira da extinção

Notícias
17 de maio de 2021

Vozes do Planeta comemora 5 anos em episódio especial

Programa pioneiro em jornalismo ambiental traz personagens importantes da história do podcast para celebrar a data

Análises
17 de maio de 2021

Opinião não é artigo científico

A utilização de espécies exóticas como a tilápia pode causar diversos impactos negativos no meio ambiente e isso é um fato. Fingir ter a chancela de uma respeitável revista científica não vai mudar isso

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta