Notícias

Coruja suindara: uma sábia caçadora

A homenageada por ((o))eco esta semana é coruja suindara, mais popularmente conhecida por coruja-de-igreja. Foto: Dario Sanches

Duda Menegassi ·
30 de novembro de 2012 · 9 anos atrás
Esta semana ((o))eco homenageia a coruja suindara (Tyto alba), mais popularmente conhecida por coruja-de-igreja, nome dado em razão da sua peculiar preferência por fazer seus ninhos em torres de igreja. Com 36 cm de comprimento e um peso que oscila de 470 gramas (macho) a 570 gramas (fêmea), a coruja suindara é uma exímia caçadora.

Suas penas com bordas suaves permitem um voo silencioso que ajuda a sua aproximação das presas, que são pequenos vertebrados, em especial roedores. Além da excelente audição e visão, instrumentos característicos das corujas, porém a suindara tem uma formação de crânio específica que a difere das suas companheiras.

Seu disco facial em forma de coração direciona o som direto aos seus ouvidos. Distribuída por todo Brasil e encontrada por todos os cantos do mundo, com exceção de lugares muito frios, a suindara não se encontra sob nenhum risco de extinção. Põe de 4 a 7 ovos que demoram cerca de 30 dias para eclodir.

Os filhotes aprendem a voar por volta dos 50 dias de vida e não largam dos pais até os 3 meses de idade. Os pais em questão fazem jus ao nome de corujas e têm cuidado até na hora de pisar nos ninhos, para que suas longas garras de caça não acertem uma de suas crias. Foto: Dario Sanches

 

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Salada Verde
23 de julho de 2021

Registro raro mostra uma mamãe onça com seu filhote na Serra do Mar

A cena foi flagrada por um armadilha fotográfica instalada pela equipe do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar, que monitora a presença de animais como a onça-pintada e a anta na região

Análises
23 de julho de 2021

Termo ‘savanização’ precisa ser revisto nos discursos sobre degradação florestal

Associar a savana à ideia equivocada de que esta seria uma vegetação degradada e pobre favorece o discurso de que não há nada a ser conservado

Notícias
22 de julho de 2021

Ibama fecha acordo com agência japonesa para monitoramento via satélite da Amazônia

Acordo de cooperação foi assinado nesta quinta-feira e terá duração de 5 anos. Expectativa do Ibama é aumentar precisão da detecção de desmatamento na Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta