Notícias

A mística e dócil jiboia-constritora

A homenageada do ((o))eco esta semana é a famosa jiboia-constritora. É a segunda maior cobra do país, mas não é perigosa nem mesmo venenosa. Foto: Guilherme Jófili

Duda Menegassi ·
28 de setembro de 2012 · 9 anos atrás
A homenageada do ((o))eco esta semana é a famosa jiboia-constritora (Boa constrictor). Esta cobra de grande porte, pode chegar a 4 metros de comprimento e pesar até 40 quilos. Ocorre em florestas densas por todo o Brasil e América do Sul. É a segunda maior cobra do país — só perde pra sucuri — mas não é perigosa nem mesmo venenosa.

Alimenta-se principalmente de roedores e aves. Sua digestão é lenta e pode durar semanas, período em que fica estática, em torpor. É uma predadora silenciosa que rastreia suas presas pelo movimento que produzem. Mata-as por estrangulamento, envolvendo-as e apertando-as até sufocá-las. Seu nome é decorrência deste método de constrição.

A gestação desta jiboia dura até seis meses, produzindo de 12 a 64 filhotes. É um animal procurado, pois sua pele é valorizada na indústria e, também, é capturada ilegalmente para virar bicho de estimação. Não está em risco de extinção, mas é preciso atenção.

Muito do que se diz sobre as jiboias é pura lenda. É um animal que não ataca o homem, apesar das versões mitificadas de que é violenta. Foto: Guilherme Jófili

 

 
 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Salada Verde
23 de julho de 2021

Registro raro mostra uma mamãe onça com seu filhote na Serra do Mar

A cena foi flagrada por um armadilha fotográfica instalada pela equipe do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar, que monitora a presença de animais como a onça-pintada e a anta na região

Análises
23 de julho de 2021

Termo ‘savanização’ precisa ser revisto nos discursos sobre degradação florestal

Associar a savana à ideia equivocada de que esta seria uma vegetação degradada e pobre favorece o discurso de que não há nada a ser conservado

Notícias
22 de julho de 2021

Ibama fecha acordo com agência japonesa para monitoramento via satélite da Amazônia

Acordo de cooperação foi assinado nesta quinta-feira e terá duração de 5 anos. Expectativa do Ibama é aumentar precisão da detecção de desmatamento na Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta