Notícias

O precioso mico-leão dourado

Em um mundo em que lutamos pela preservação da biodiversidade, seus pelos dourados são mais preciosos do que o ouro. Foto: Jeroen Kransen

Duda Menegassi ·
6 de julho de 2012 · 9 anos atrás

O homenageado desta semana no ((o))eco é o mico-leão dourado (Leontopithecus rosalia). A espécie é endêmica da Mata Atlântica e hoje se encontra em perigo de extinção. A principal razão é a destruição do seu habitat. Mas por ser desejado, o tráfico ilegal de animais também ameaça a sobrevivência da espécie.

Por outro lado, o mico-leão dourado recebe intensos esforços pela sua preservação, voltados tanto para aumentar a população selvagem, quanto manter uma população segura em cativeiros.

Eles pesam cerca de 600 gramas e medem 60 cm, da cabeça até o final da cauda. Alimentam-se principalmente de frutos, insetos e pequenos vertebrados. Vivem em família, em grupos de, em média, 6 indivíduos. Sua reprodução costuma gerar dois filhotes, num período de gestação de 120 dias.

Os micos-leões dourados, com sua pelagem reluzente, fazem jus ao nome: gostam da companhia do sol, pois têm hábitos diurnos. Em um mundo em que lutamos pela preservação da biodiversidade, seus pelos dourados são mais preciosos do que o ouro. Foto: Jeroen Kransen

 


Leia também…

Aumentando a casa do mico-leão dourado
A serviço público, por conta própria
Deu mico

 

 

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
21 de setembro de 2021

Justiça de Rondônia considera inconstitucional lei que extinguiu 11 UCs no Estado

Decisão é novo capítulo de novela jurídica em torno das UCs de Rondônia. Leis posteriores à norma agora considerada inconstitucional ainda colocam em risco áreas protegidas

Salada Verde
21 de setembro de 2021

Senador quer impedir Ibama de destruir equipamentos durante fiscalização

Telmário Mota (Pros-RR) entrou com um projeto de lei para que maquinário, veículos e instrumentos usados no crime ambiental não possam ser destruídos pelo Ibama. Na Câmara, há 7 proposta parecidas

Notícias
21 de setembro de 2021

Projeto reduz em um terço área da Floresta Nacional de Brasília

A proposta que retira 3.706 hectares da Flona de Brasília foi aprovada pela Comissão de Meio Ambiente e também amplia e transforma a Reserva Biológica da Contagem em Parque Nacional

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cláudio Maretti diz:

    Boa matéria, Duda Menegassi! Equilibrada, correta e necessária. Parabéns e obrigado!

    Ajustes nessas unidades de conservação são necessários desde a sua criação e a necessidade só aumenta quando os ajustes não são aplicados.
    Há estudos e diálogos nesse sentido há tenpos.

    Para ajustes em unidades de conservação é necessário estudos, análise e propostas técnicas, compensação da conservação e diálogo para compor soluções.

    A posição técnica do ICMBio é consistente e adequada.

    A Floresta Nacional de Brasília tem algumas áreas com valor ecológico não tão importante, relativamente, e desde sua criação. Mas há áreas importantes para recuperação e para visitação (ou uso público), como a Área 1, com importante envolvimento da sociedade local e boa história e grande potencial de voluntariado. E há áreas importantes para recuperação, ordenamento da ocupação e proteção dos recursos hídricos, como a Área 4 e grande parte da Área 3. Faz todo sentido mudar a categoria da Reserva Biológica de Contagem para parque nacional, promovendo a conservação com a visitação (ou uso público), de forma integrada com o Parque Nacional de Brasília. Faz todo sentido ampliar a conservação de áreas de maior valor ecológico (inclusive como compensação pela redução de outras áreas).

    Mas é muito importante acompanhar com atenção o processo no Legislativo, pois há vários parlamentares só interessados em especulação imobiliária e populismo com lotes e moradias (como em toda a história do Distrito Federal).